Cada vez fica mais difícil apontar algum time sendo campeão da Serie A senão a Juventus. Contra a Sampdoria, os Bianconeri chegaram à sua 12ª vitória seguida na competição, mantiveram-se oito pontos à frente da segunda colocada Roma e tiveram mais uma atuação bastante convincente, digna de líderes. Os destaques do jogo, como em várias outras oportunidades, foram Arturo Vidal e Paul Pogba. A presença da dupla na defesa adversária e a quantidade de gols que marcam às vezes até nos fazem esquecer que se tratam de meio-campistas centrais, até mesmo volantes. Não espanta que diversos gigantes europeus os queiram em seus elencos.

A dupla de ataque da Juve não fez uma partida brilhante, mas na Velha Senhora isso não é problema. Se falta gol lá na frente, tem sempre Pogba e Vidal para desequilibrarem a partida com gols, se necessário. O chileno marcou dois no triunfo deste sábado, chegando a 10 em 20 partidas disputadas no Campeonato Italiano. Pela Liga dos Campeões, a média de gols é ainda maior: foram cinco tentos nos seis jogos da fase de grupos.

O francês, por sua vez, fez apenas um, mas que golaço. Como é sua especialidade, pegou a bola na intermediária, ajeitou para a perna direita e a colocou no ângulo esquerdo de Ângelo da Costa com facilidade singular. É menos artilheiro que seu parceiro sul-americano, mas também tem bons números, com seis gols e seis assistências na Serie A.

O jogo, em geral, foi mais do mesmo que temos visto em toda a temporada da Juve no Italianão: movimentação intensa no ataque, jogadas perigosas pelas pontas, boa penetração dos meio-campistas e troca de passes com qualidade no campo do adversário. Os dois últimos quesitos, em especial, se devem muito ao trabalho de Pogba e Vidal.

Claudio Marchisio também esteve em campo e não jogou mal, não. Mas não teve o mesmo brilho que seus dois companheiros de meio de campo. Alvos de outras grandes equipes nesta janela de transferência, os três mostraram mais uma vez que seriam ótimos reforços para qualquer um que os contratasse. Como Marchisio não tem sido tão utilizado, ele é o que tem mais chances de sair, mas não sem custar ao possível novo time uma grande quantia.

Quanto aos outros dois, é difícil imaginá-los deixando Turim. A Juventus sabe que tem à disposição dois dos melhores do mundo na posição, que, em um mundo justo, mereciam – pelo menos um deles – um lugar na seleção do ano da Fifa. Sem a necessidade de fazer caixa, não há razões para negociá-los. São jogadores como Pogba e Vidal que dão motivos para o torcedor ir até o estádio com confiança. Futuramente, podem render um bom caixa para os Bianconeri, mas esse definitivamente não é o momento de se desfazer deles. O show tem que continuar.