O Atlético de Madrid ficaria feliz de sair do Emirates com um empate com gols, antes mesmo de um de seus jogadores receber dois cartões amarelos nos dez primeiros minutos da partida. Com a expulsão Vrsaljko, Diego Simeone até se contentava com menos do que isso, mas Antoine Griezmann demonstrou todo o seu poder de decisão para, no segundo tempo, empatar a partida contra o Arsenal e levar o 1 a 1 para o Wanda Metropolitano, na próxima quinta-feira. 

LEIA MAIS: Dentro do pulsante Vélodrome, o Olympique reviveu seus melhores sonhos europeus ao bater o Salzburg

Enquanto a partida ainda mantinha números idênticos de jogadores nos dois times, o Arsenal já estava melhor,  com duas grandes finalizações de Lacazette. O atacante francês recebeu dois cruzamentos da esquerda. Pegou o primeiro com o pé direito, batendo para o chão, e acertou o lado de fora da trave. O segundo foi com a cabeça e exigiu uma linda defesa de Oblak. 

E, então, Vrsaljko recebeu seus dois cartões amarelos. Foi expulso. Diego Simeone ficou possuído de raiva contra o árbitro Clement Turpin. Descarregou em uma entrada dura do Arsenal que não foi advertida e acabou expulso. Assistiu ao resto da partida das tribunas. Assistiu a sua equipe ser totalmente dominada pelos donos da casa. 

O Arsenal teve 15 chutes a gol no primeiro tempo e 69% de posse de bola. Mas apenas quatro foram no alvo. A melhor chance depois da expulsão foi uma tabela entre Welbeck e Wilshere. O atacante parou em Oblak, autor de nada menos do que sete defesas ao longo da partida. No outro lado, Ospina precisou interceder em uma pancada de Griezmann de fora da área. 

A pressão continuou depois do intervalo, e Lacazette, que já vinha levando vantagem pelo alto contra a muito competente defesa colchonera, encontrou o gol que o Arsenal buscava. O cruzamento foi de Wilshere. O francês apareceu na segunda trave para completar. A reação de Simeone, ou de seus auxiliares, foi fechar ainda mais a equipe. Depois do gol, saíram Gameiro e Correa para as entradas de Gabi e Savic, mais um zagueiro.

O Atlético defendia-se em duas linhas de quatro, com Griezmann à frente, incansável na marcação, mas sem conseguir ameaçar Ospina. Quando Fernando Torres já se preparava para entrar, a bola foi lançada para Griezmann. Ele dividiu com Koscielny, cujo corte acertou o rosto do francês. A primeira finalização parou em Ospina e voltou aos seus pés. Mustafi estava em posição para tentar a interceptação, mas escorregou na hora H, e Griezmann bateu na parte de cima da rede para empatar. 

Oblak, gigante, descolou outra linda defesa, em cabeçada de Ramsey, e o Atlético de Madrid conseguiu um resultado enorme. Com um a menos durante quase a partida inteira, segurou a pressão do Arsenal, saiu atrás e conseguiu o empate. Considerando que não leva gols no Wanda Metropolitano há 11 partidas, está muito bem colocado para chegar à decisão da Liga Europa, para a frustração de Arsène Wenger, que adoraria se despedir do Arsenal em uma final continental.