A Islândia é o país menos populoso a disputar uma Copa do Mundo. Por isso mesmo, em meio à invasão que ocorre, entre os milhares de islandeses presentes na Rússia, é natural que os jogadores da seleção conheçam vários presentes nas arquibancadas. Obviamente, as famílias viajaram em peso. E ao apito final, o empate com a Argentina em Moscou mais pareceu uma confraternização entre velhos conhecidos. Heróis seguiram para abraçar os seus irmãos, para beijar as suas esposas, para pegar os filhos no colo. Imagens que dão uma outra dimensão à Copa do Mundo: um evento grandioso, mas que não deixa de ter uma conotação extremamente particular a cada um de seus personagens. É assim, ainda mais, com os nórdicos. Uma família de 350 mil pessoas.