A verdadeira paixão por um clube de futebol não se apaga. Você pode mudar de cidade, de país ou de planeta, que ela se manterá acesa. Você pode ter um trabalho que tome todas as suas energias, que continuará achando um tempo para ela. Mesmo se a sua missão for conduzir um rebanho de milhões de fiéis, à frente de uma das mais poderosas e mais antigas organizações da humanidade. Ganhar o anel de São Pedro não afastou o Papa Francisco de seu San Lorenzo. Vez ou outra, ele menciona o time publicamente – e teve motivos para fazê-lo desde que chegou à liderança da Igreja Católica, com o Ciclón vivendo o período mais vitorioso de sua história. No entanto, a rotina de torcedor cuervo depende de ajuda.

VEJA TAMBÉM: Por promessa, Papa não viu o San Lorenzo, mas teve tempo para zoar um torcedor do River

Papa Francisco não assiste à televisão desde 1990, por conta de uma promessa. A partir de então, suas alternativas para acompanhar os jogos do San Lorenzo em Buenos Aires eram as rádios e os jornais. No Vaticano, contudo, o acesso ao radinho de pilha se torna bem mais complicado – até porque a rotina do pontífice o obriga a rodar o mundo constantemente. Na final da Libertadores de 2014, por exemplo, Francisco achou um tempinho para acompanhar o lance a lance do duelo com o Nacional paraguaio, enquanto viajava à Coreia do Sul. Mesmo assim, nem sempre essas brechas são possíveis.

Segundo o Cancha Llena, são os membros da Guarda Suíça próximos ao Papa que servem de garotos de recado. Eles acabam também acompanhando o San Lorenzo e informam os placares, a situação do campeonato e os próximos jogos. Já nas viagens, Francisco costuma se aproximar dos jornalistas para saber um pouco mais sobre o Ciclón. Além disso, em seus cadernos pessoais, o pontífice também carrega anotações esportivas. Não dá para deixar o espírito torcedor de lado, apesar de todos os seus compromissos. Desta maneira, também acompanhou a Copa do Mundo de 2014, a primeira desde que chegou ao Vaticano.

LEIA MAIS: A noite em que o Papa gostaria de ser apenas mais um torcedor

Nas cadernetas, seria ainda mais detalhista com a situação do San Lorenzo. Também gosta de anotar mesmo os autores dos gols ou os jogadores que receberam cartões. Uma maneira de ter uma mínima distração em meio às pressões que o rodeiam. Aliás, as anotações também respeitariam uma lembrança de sua juventude como torcedor, copiando o modelo que era usado na tradicionalíssima revista El Gráfico. Quando pode descansar, aproveita para organizar essas informações.

Aliás, a maior prova de que se mantém atualizado está nas recorrentes brincadeiras. Independente das pompas de seu cargo, o Papa não se furta a tirar sarro dos torcedores rivais com quem cruza na Praça de São Pedro. E leva também esse senso de zoeira mesmo aos seus compromissos oficiais. O humor de um bom torcedor é a maior evidência de que a chama se mantém acesa.