Cruzeiro e Vasco, adversários nesta quarta pela Copa Libertadores, são velhos conhecidos na competição. Dois momentos históricos dos clubes são marcados pelo confronto além das fronteiras. Foram grandes jogos em 1975 e 1998, importantes para dar tarimba ao esquadrão celeste que se consagrou em 1976 e ao timaço cruzmaltino que dominou o continente em 1998. Episódios que voltam à tona com o reencontro no Mineirão, válido pela fase de grupos da atual edição do torneio.

Os primeiros embates aconteceram em 1975. Cruzeiro e Vasco tinham decidido o Campeonato Brasileiro no ano anterior e, como era de praxe na época, voltaram a se enfrentar na fase de grupos dividida por países. A partida pela primeira rodada marcava a estreia dos cruzmaltinos na Libertadores, enquanto os celestes vinham para a sua segunda participação, após caírem no triangular semifinal em 1967. E a imprensa da época enfatizava um desejo de “revanche” entre os cruzeirenses, depois da derrota na final do Brasileirão, marcada pela contestável arbitragem de Armando Marques.

Fato é que aquele jogaço cumpriu as expectativas. Apoiado pela torcida no Mineirão, o Cruzeiro esteve duas vezes em vantagem, graças aos tentos de Palhinha. No entanto, cedeu o empate duas vezes ao Vasco, a segunda aos 41 do segundo tempo, em gol marcado por Roberto Dinamite. Ainda assim, houve tempo para decretar a vitória celeste por 3 a 2, graças a um pênalti convertido por Nelinho no último minuto. Um mês depois, os times se reencontraram em São Januário. E os cruzeirenses se deram melhor, segurando o empate por 1 a 1, que encaminhou a classificação ao triangular semifinal – em regulamento que garantia apenas o líder na fase seguinte. Entretanto, a Raposa não conseguiu desbancar o tetracampeão Independiente. O time precisaria esperar até o ano seguinte para, mais tarimbado, erguer a taça inédita, batendo o River Plate na final.

Já o reencontro aconteceu 23 anos depois, em 1998. O Cruzeiro era o atual campeão da Libertadores e, por isso mesmo, entrou direto nas oitavas de final. O problema seria encarar o Vasco, atual dono do Brasileirão, mas que não foi tão bem na primeira fase, superado pelo Grêmio em sua chave. Assim, o primeiro encontro aconteceu no Rio de Janeiro. E os cruzmaltinos cumpriram sua missão em São Januário, buscando a virada por 2 a 1, graças a um gol de Luizão e outro de Donizete Pantera. Já no reencontro, três semanas depois, o empate por 0 a 0 bastou para os vascaínos avançarem à fase seguinte. Depois, eliminaram Grêmio e River Plate, até conquistarem o título na decisão contra o Barcelona de Guayaquil.

Abaixo, relembramos estas histórias. Os jogos da Libertadores de 1975 não estão disponíveis em vídeo, por isso disponibilizando prints e os links do Jornal dos Sports. Quanto aos duelos de 1998, trazemos as imagens e os links para as matérias do Jornal do Brasil.

Libertadores 1975: Cruzeiro 3×2 Vasco

Jornal dos Sports da véspera

Jornal dos Sports do dia seguinte

Libertadores 1975: Vasco 1×1 Cruzeiro

Jornal dos Sports do dia seguinte

Libertadores 1998: Vasco 2×1 Cruzeiro

Jornal do Brasil do dia seguinte

Libertadores 1998: Cruzeiro 0x0 Vasco

Jornal do Brasil do dia seguinte