Copa do Mundo é coisa séria, já diria Galvão Bueno em um momento épico da televisão brasileira. E, por isso, até mesmo um dos cientistas mais conhecidos do mundo resolveu participar dela, de alguma forma. Stephen Hawking foi chamado por um site de apostas para falar sobre as chances dos ingleses, seu país natal, ser campeão do mundo. Bom, ao menos eles dizem que foi o famoso físico que disse todas as coisas, mesmo que pareçam apenas estatísticas comuns de um site de apostas. Mas Hawking está lá, com sua famosa voz artificial falando sobre Copa e isso, meus caros leitores, isso é demais.

 LEIA TAMBÉM: Veja o calendário de amistosos das seleções antes da Copa

A Paddy Power é uma famosa empresa de apostas inglesa e, depois de chamar vários ex-jogadores famosos para dar suas previsões como Lineker e Ferdinand, resolveu trazer o cientista, famoso por seu trabalho em física teórica, para analisar estatísticas e mostrar como a Inglaterra tem mais chances de ser campeã (aparentemente os sites de apostas consideram essa uma aposta válida) e como cobrar um pênalti perfeito (também não analisaram a possibilidade de não ser inglês, o que segundo os dados da nossa equipe de estatísticas malucas da Trivela, aumentaria a chance em 84,2%).

Segundo as previsões de Hawking, o time deveria jogar de vermelho, porque estatisticamente o time tem mais chances de vencer assim. Além disso, o esquema tático deveria ser o 4-3-3, ao invés do tradicional 4-4-2, que também dá vantagem nos números ao time inglês. Tudo baseado em um estudo de psicólogos do esporte da Universidade de Munster, na Alemanha, que diz que o uniforme vermelho dá mais confiança e faz os ingleses serem percebidos como mais agressivos e dominantes. O esquema 4-3-3 também seria vantajoso ao time de Roy Hodgson por razões psicológicas.

Outro dado trazido por Stephen Hawking é que a Inglaterra precisa torcer por um árbitro europeu. Os dados mostram que 63% dos jogos são vencidos pelos ingleses quando o juizão é europeu. Seria porque os europeus tendem a falar inglês ou porque tendem a supervalorizar a camisa da Inglaterra como tradicional, ainda que o time seja um enorme fracasso em Copas do Mundo? Nunca saberemos.

LEIA TAMBÉM: [Galeria] Enquanto o futebol ganha as ruas do Brasil, os protestos contra a Copa ficam marcados nos muros

Mais um dado trazido por Hawking é o impacto de condições geográficas e climáticas. Como o texto dele ressalta, os ingleses, como todos os animais, são criaturas de hábito. E, portanto, as condições ideias para os ingleses seriam uma temperatura amena e jogos às 15h, o mais tradicional dos horários do futebol no país. Nesse horário, a chance de vencer é um terço maior. Mais do que isso: a cada 5°C que a temperatura aumenta, as chances da Inglaterra vencer diminuem em 59%. A chance de vencer é quase duas vezes maior quando os ingleses jogam com altitude de 500 metros ou menos em relação ao nível do mar.

Pênaltis são um problema para a Inglaterra em Copa do Mundo. Segundo o texto, Hawking estudou os pênaltis desde 1978 para saber quais as maiores chances de converter um tiro livre da marca de 11 metros. E alguns dos fatores analisados por Hawking trazem dados surpreendentes.

O primeiro item que o físico cita é velocidade e trata esse como um fator essencial. Veja só: dar até três passos para cobrar um pênalti tem uma chance de fazer o gol de 58%. Achou pouco? É mesmo. Se a distância for de mais de três passos, a chance de converter a penalidade é de 87%. Então, os ingleses precisam é tomar distância, para começar.

Outro ponto levantado pelo físico é algo que não é preciso ser um gênio para entender: se meter a bola na gaveta, sua chance de converter o pênalti é enorme: 84%. Nada como alguém com credibilidade no mundo da ciência para nos dizer isso. De fato, como ninguém pensou nisso antes, não é senhor Hawking?

LEIA TAMBÉM: Hangout Trivela na Copa #4: A Copa não foi organizado do jeito que deveria ter sido

Outro dado trazido é que se você cobrar o pênalti de chapa, ao invés de peito do pé, a chance é 10% maior de marcar o gol. Parece que o físico não assiste muito dos pênaltis cobrados por Frank Lampard, membro fundador da Escola Frank Lampard de Pênatis, que não gosta muito desse negócio de colocar a bola quando cobra um pênalti e adora bater com o peito do pé, com força e sem perdão. Mas prossigamos.

Segundo as estatísticas malucas do físico, não há diferença significativa entre os cobradores com o pé esquerdo ou direito (embora a estatística não oficial da Trivela aponte que canhotos tendem a cobrar o pênalti cruzado),mas há uma diferença estatística importante quando o assunto é… Cabelo. Sim, cabelo.

Se o jogador for loiro, a chance de converter o pênalti é de 84%, cai para 71% se for careca e cai mais ainda para 69% se for um jogador de cabelos escuros. Sabe quem curtiria muito isso? Não, não é Hitler, seus adoradores da Lei de Godwin. Quem ia gostar seriam os nórdicos e alemães, que têm mais loiros nos seus elencos. Afinal, loiro na Inglaterra só mesmo Joe Hart e, ACHO, ele não cobrará os pênaltis.

Ah sim, falando em Joe Hart, Hawking deu uma dica ao goleiro inglês. Segundo físico, há 18% mais de chance de defender um pênalti se o goleiro ficar se mexendo em cima da linha do gol. Ou seja: aquela papagaiada que vemos os goleiros fazerem em cobranças de pênalti pode, na verdade, ser bem útil.

Apesar disso tudo, o nosso renomado cientista disse que o dinheiro dele ficará apostado no Brasil. Isso porque as condições climáticas e geográficas e o fator casa ajudam psicologicamente o time que sedia a Copa.

LEIA TAMBÉM: 

>>>> Revelações da Fifa sobre escolha das sedes mostram que problema da Copa é quem a organiza

>>>> Ronaldo e o óleo de peroba nas críticas à organização da Copa

>>>> Não vai ter Copa, ao menos para 242 mil famílias que ainda não têm energia elétrica