São 80 anos cultivando a tradição. Ao todo, 3.882 jogos consecutivos apostando nos pratas da casa. Desde 30 de outubro de 1937, o Manchester United nunca deixou de relacionar ao menos um jogador de suas categorias de base a cada partida em que entrou em campo. Uma marca que retrata muito bem o trabalho de formação dos Red Devils, donos de algumas das gerações de jovens mais talentosas da história do futebol, como os Busby Babes e a Classe de 1992. Que ressalta o compromisso do clube, independentemente de seu poderio financeiro, em seguir investindo na preparação de promessas. Afinal, boa parte dos ídolos aclamados em Old Trafford possuem o DNA do United desde a adolescência.

Diante do feito simbólico, aproveitamos para relembrar a trajetória de parte dos grandes ícones do Manchester United. Como as lendas chegaram à base? Vale notar que boa parte desses personagens históricos sequer nasceu na Grande Manchester. Entretanto, uma rede de olheiros bastante competente e o compromisso dos treinadores além do profissional fizeram a diferença para os Red Devils montarem seus esquadrões. Abaixo, destacamos seis nomes fundamentais em Old Trafford: Duncan Edwards, Bobby Charlton, George Best, Ryan Giggs, David Beckham e Paul Scholes. Relembramos como foi a caminhada de cada um deles até o clube.

Duncan Edwards

Nascido em East Midlands, começou a se destacar em equipes estudantis. O sucesso era tamanho que o meio-campista passou a integrar uma seleção nacional sub-14, formada apenas por estudantes. Foi capitão do time, atuando até mesmo em Wembley. O suficiente para que os clubes profissionais crescessem os olhos em seus serviços. Potências de sua região, Aston Villa e Wolverhampton chegaram a se aproximar do prodígio. Melhor para o Manchester United, que o observava desde 1948, graças ao olheiro Jack O’Brien. O acerto aconteceu apenas em 1952, por intermédio de Joe Mercer, antigo ídolo de Everton e Arsenal, que o treinava no England Schools XI – e que, curiosamente, se tornaria anos depois o técnico mais condecorado da história do Manchester City. Em Old Trafford, Edwards foi lapidado por Matt Busby, antes de se tornar um fenômeno nos Busby Babes. Bicampeão inglês, faleceria em 1958, aos 21 anos, em decorrência dos ferimentos sofridos no acidente aéreo em Munique.

Bobby Charlton

A família de sua mãe era repleta de futebolistas. Seus tios Jack Milburn, George Milburn, Jim Milburn e Stan Milburn foram todos profissionais. Além disso, seu primo de segundo grau Jackie Milburn é considerado uma das maiores lendas do Newcastle. E, em casa, havia o exemplo do irmão mais velho, Jack Charlton, que dava seus primeiros passos no Leeds. Bobby também deu começou sua trajetória nas equipes estudantis e passou a defender o England Schools XI. Descoberto pelo principal olheiro do United na época, Joe Armstrong, o meia chegou ao clube aos 15 anos, em 1953. Por desconfiança de sua mãe, a promessa assinou inicialmente um contrato como aprendiz com os mancunianos, recebendo instruções para o ofício de engenheiro elétrico. Quase dois anos depois, de qualquer forma, já se tornaria jogador profissional. Estava pronto para se eternizar como talvez o craque mais célebre dos Red Devils: um dos Busby Babes, sobrevivente de Munique e protagonista na conquista da Champions em 1968.

George Best

A lenda norte-irlandesa nasceu na região de Belfast e também deu os seus primeiros passos no futebol dentro do ambiente escolar. Inicialmente estudava em um colégio especializado em rúgbi, mas logo mudaria de escola, passando a se dedicar integralmente ao futebol. Primeiro, por ter uma estrutura física muito frágil, foi recusado pelo Glentoran, seu clube de coração. Pouco depois, Best foi descoberto pelo Manchester United graças ao olheiro Bob Bishop – que mandou um telegrama a Matt Busby declarando que “pensava que encontrara um gênio”. O ponta ganhou um teste em Old Trafford quando tinha 15 anos, mas ficou doente e precisou voltar para Belfast. Logo voltaria a Manchester, atuando como amador na base e conciliando os treinamentos com o emprego de entregador. Aos 17, estreou como profissional. Aos 22, era campeão da Champions e vencedor da Bola de Ouro, aclamado por seu talento deslumbrante.

Ryan Giggs

Nascido no subúrbio de Cardiff, Giggs mudou-se para a Grande Manchester quando tinha seis anos, depois que seu pai – jogador de rúgbi profissional – assinou com o Swinton Lions. O garoto praticava os dois esportes, mas o futebol logo o ajudou a se sobressair. Atuava pelo Deans FC e, treinado por um olheiro do Manchester City, chegou a frequentar a academia dos celestes. Entretanto, ao mesmo tempo continuava disputando os campeonatos estudantis e liderou o Salford Boys a um importante título local, capitão da conquista sobre o Blackburn em Anfield. Avisado sobre o talento do garoto por um steward de Old Trafford, Alex Ferguson mandou um observador e depois ofereceu um teste ao galês. Contra o sub-15 do United, ele anotou três gols, conquistando de vez a confiança do treinador. No aniversário de 14 anos do meia, Fergie o visitou em sua casa e ofereceu a oportunidade para se profissionalizar pelo United em três anos. Dois dias depois de seu aniversário de 17 anos, o futuro ídolo iniciou sua trajetória no elenco principal dos Red Devils, acumulando 24 anos de time e arrebatando diversos recordes.

David Beckham

Mesmo nascido em Londres, o meio-campista vem de uma família fanática pelo Manchester United e costumava frequentar os jogos dos Red Devils na capital, com os pais. Beckham iniciou sua trajetória no Ridgeway Rovers, antes de passar a frequentar a escolinha de Bobby Charlton. Ganhou notoriedade por lá, a ponto de vencer uma competição de habilidade cuja final aconteceu em Old Trafford – o que rendeu como prêmio uma viagem à Espanha, para conhecer as estruturas do Barcelona e até mesmo treinar com os profissionais. Neste momento, o talento do prodígio de 10 anos não era segredo para ninguém. O futuro astro recebeu propostas de Arsenal e Wimbledon. Passou por testes no Norwich e no Leyton Orient. E juntou-se à academia do Tottenham. Entretanto, no momento em que veio a oferta para assinar com os Spurs, o garoto recusou por seu sonho de defender o United. Observado desde cedo por Malcolm Fidgeon, olheiro dos Red Devils em Londres, Beckham ganhou a chance de ser provado no norte da Inglaterra. Em maio de 1988, foi convidado para acompanhar um jogo contra o Wimbledon, onde conheceu Sir Alex Ferguson. Recebeu a proposta para assinar com os mancunianos e, no ano seguinte, firmou seu primeiro contrato. Ainda continuou atuando no Ridgeway Rovers (rebatizado como Brimsdown Rovers), antes de se mudar para Manchester em 1991 e, na base,  iniciar sua passagem de 12 anos pelo clube.

Paul Scholes

Descendente de irlandeses, Scholes é o único dos ídolos retratados neste texto que nasceu na Grande Manchester. Iniciou sua trajetória no futebol ainda na escola, quando também praticava o críquete. Costumava a frequentar as partidas do Oldham Athletic e logo se juntou à academia do clube, quando tinha 11 anos. Por lá, foi companheiro dos irmãos Neville e de Nicky Butt. No entanto, o prodígio era acompanhado desde o colégio por Mike Coffey, olheiro do United. Recomendado ao velho ídolo Brian Kidd, antigo prata da casa que passou a trabalhar nas categorias de base, Scholes relutou para aceitar a proposta dos Red Devils, mas assinou seu primeiro contrato quando tinha 14 anos. Conciliava os treinos no United com as atividades na equipe da Cardinal Langley Roman Catholic High School, até se juntar em definitivo ao clube em 1991, aos 16 anos. Embora fosse mirrado, logo passou a atrair a atenção dos torcedores por sua inegável qualidade técnica. Transformou-se em um dos favoritos em Old Trafford, o que perduraria também em seus quase 20 anos como profissional.