“Ele é o jogador mais talentoso que eu já trabalhei, com boa cabeça e boas pernas”. A frase é de Robert Podolinski, técnico do Cracóvia, clube pelo qual jogava Bartosz Kapustka na temporada 2015/16. Sua temporada fantástica o levou a ser convocado para a Eurocopa de 2016 pela Polônia. Kapustka ganhou a chance de brilhar logo no primeiro jogo, com a lesão de Kamil Grosicki. Meia ofensivo, naquela partida ele atuou aperto pela ponta esquerda. O jogador já chamava a atenção atuando em nível local, no Cracóvia, mas o jogo em nível internacional era uma prova de fogo.

LEIA TAMBÉM: Champions que nada: Pela quarta divisão, Leipzig viveu toda a intensidade de seu ferrenho dérbi

Começou o jogo contra a Irlanda do Norte e foi o melhor em campo na vitória por 1 a 0. “Ele não me surpreendeu, nós todos sabemos do que ele é capaz”, disse o capitão da Polônia na Eurocopa, a superestrela Robert Lewandowski, após o jogo. Foi também depois daquele jogo que Gary Lineker, ex-jogador e comentarista da BBC, elogiou o talento do jovem jogador. “Acho que veremos muito sobre Kapustka nos próximos anos. Jogador deliciosamente talentoso de 19 anos”.

Se tornou alvo do então campeão inglês, Leicester, comandado por Claudio Ranieri. Selou a transferência por € 5 milhões. Só que ao contrário do que se esperava, ele não teve chances de entrar em campo. Jogou um amistoso de pré-temporada contra o Barcelona, mas não teve chance de entrar em campo pela Premier League.

Depois de uma metade de temporada que ele não entrou em campo, sua chance chegou no dia 7 de janeiro, na vitória por 2 a 1 sobre o Everton, pela Copa da Inglaterra, mas foram apenas seis minutos. Só recebeu uma chance de verdade no dia 8 de fevereiro, quando entrou em campo como titular no jogo contra o Derby, pela Copa da Inglaterra. Jogou 81 minutos desta vez. Voltaria a campo mais uma vez, no dia 18 de fevereiro, quando jogou, outra vez pela Copa da Inglaterra, contra o Milwall, na derrota do Leicester por 1 a 0.

Com a demissão de Claudio Ranieri, que o levou para o Leicester, Kapustka não recebeu mais nenhuma chance de jogar. Só treinou até o fim da temporada. Acabou convocado para o Europeu sub-21 para jogar pela Polônia. Jogou uma partida, contra a Eslováquia. Em baixa, ficou sem muitas opções. Surgiu, então, a chance de ir para o Freiburg e tentar recuperar a sua carreira jogando.

“A Bundesliga é um desafio enorme e o Freiburg tem uma reputação fantástica”, disse Kapustka ao site da Bundesliga. “A conversa com as pessoas no comando aqui foram ótimas e eu estou convencido que o Freiburg é o lugar certo para continuar o meu desenvolvimento”, continuou o jogador.

“Bartosz é um jogador muito técnico e ele tem um sendo do jogo muito bom para a sua idade”, disse o diretor esportivo do Freiburg, Jochen Saier. “Para ele, mais que tudo, se trata de redescobrir seu talento em campo. Nós queremos trabalhar juntos nisso. Também foi importante na sua transferência em ter a opção de compra ao final do contrato de empréstimo”. Saier se refere à cláusula de compra do jogador, estipulada em € 5 milhões até o final do contrato de empréstimo. Um valor acessível por um jogador jovem e com potencial. Se Kapustka se recuperar, o Freiburg ganha uma grande contratação. Se não, não tem prejuízo algum.

Talento alto, temperamento explosivo

Quando foi contratado pelo Leicester em 2016, Michael Zachodny, jornalista do site Sport.pl, disse à ESPN o que aconteceu. “Kapustka é um enorme talento que pode potencialmente se tornar uma grande estrela, mas ele tem que provar que tem a mentalidade certa”.

O jogador tem alguns episódios de indisciplina. Em março de 2015, o Cracovia, seu time, perdeu para o Stargard, um time amador, na Copa da Polônia. Inconformado com a derrota, ele tentou insultar os jogadores adversários. “Bom para vocês que venceram, mas amanhã vocês serão esquecidos, de volta aos seus empregos, enquanto nós ganhamos dinheiro para jogar futebol”, teria afirmado o jogador, segundo relato do jornal Przeglad Sportowy.

Não foi o único caso de indisciplina. Estava concentrado com a seleção polonesa no início de 2016 e se envolveu em uma briga do lado de fora de uma casa noturna. O técnico, porém, não puniu o jovem jogador. Em campo, ele também não é muito controlado: em quatro jogos na Eurocopa, recebeu três cartões amarelos.

Chance para brilhar

Seu técnico no Cracóvia deixou clara a sua avaliação sobre o jogador. “Contanto que ele se mantenha em forma, ele definitivamente tem habilidade para seguir os passos de Lewandowski”. Um elogio pesado e importante. Lewandowski é um dos melhores atacantes do mundo. A posição de Kapustka é diferente, ele é meia, pode jogar em qualquer posição do meio-campo ofensivo, pelos lados ou pelo centro. Foi jogando aberto pela esquerda que ele se destacou no primeiro jogo da Polônia na Eurocopa.

Depois de uma temporada quase sem jogar, com apenas quatro jogos, foi emprestado ao Freiburg, que ganha um talento em potencial. E o polonês ganha a chance de mostrar que seu potencial só não foi aproveitado no Leicester. Na cidade mais ensolarada da Alemanha, Friburgo, onde fica também a Floresta Negra, o polonês tentará repetir os passos do compatriota que comanda atualmente o ataque do Bayern de Munique. Um jogador que vale a pena ficar de olho, porque há muito talento. Resta saber se o potencial será realizado.