Time do Chile (AP Photo/Luis Hidalgo)

Quem é quem: Chile

GOLEIROS

1 – Claudio Bravo

Goleiro, 31 anos, Real Sociedad-ESP

Capitão do Chile, Bravo é também um dos nomes mais tarimbados do elenco. São 10 anos de seleção e 80 partidas no currículo, incluindo a Copa de 2010. Seguro e dono de um ótimo posicionamento, o goleiro é o ponto forte de uma defesa que sofre muitos questionamentos, especialmente pela falta de consistência da linha de zaga. Formado pelo Colo Colo, vive boa fase na meta da Real Sociedad, onde se mantém absoluto.

12 – Christopher Toselli

Goleiro, 25 anos, Universidad Católica

Toselli é visto como o futuro do gol da seleção chilena. Só não assumiu a posição de titular porque a fase de Bravo segue muito boa. Com ampla rodagem com a Roja, desde as divisões de base, demonstra muita tranquilidade na meta da Universidad Católica e algumas vezes já foi especulado para ir à Europa. Foi eleito o melhor jogador do futebol doméstico em 2013.

23 – Johnny Herrera

Goleiro, 33 anos, Universidad de Chile

“Super Boy” não atuou muitas vezes pelo Corinthians, mas ganhou repercussão suficiente para entrar no folclore no clube. Uma imagem bem diferente daquela que construiu na volta ao Chile, se estabelecendo na meta de La U. Um dos líderes de Sampaoli em sua passagem pelo clube, o arqueiro seguiu como homem de confiança de Sampaoli. Sua experiência na seleção inclui os Jogos Olímpicos de 2000, reserva na campanha do bronze.

DEFENSORES

2 – Eugenio Mena

Defensor, 25 anos, Santos

Um dos comandados de Jorge Sampaoli nos tempos de Universidad de Chile, Mena é uma boa opção para o lado esquerdo, especialmente por jogar tanto como lateral quanto ala. Sua consistência na cobertura é o ponto forte, ainda que tenha também seus predicados nas subidas ao ataque, especialmente por sua potência. É o único jogador do Santos no Mundial.

3 – Miiko Albornoz

Defensor, 23 anos, Malmö-SUE

Uma das apostas de Sampaoli, Albornoz fez sua primeira partida pela seleção apenas em 2014. O defensor do Malmö é sueco, mas passou a integrar a Roja após convite, por seu pai ser chileno. Chegou mesmo a ser um veterano nas equipes de base da Suécia, com 38 partidas entre o sub-17 e o sub-21. No entanto, não desperdiçou a chance de defender o Chile em uma Copa. Versátil, pode jogar como lateral, volante ou zagueiro.

13 – José Rojas

Defensor, 30 anos, Universidad de Chile

Rojas é um dos poucos remanescentes do time de Sampaoli na Universidad de Chile que ainda não saiu do clube. Teve propostas, mas segue como um dos pilares do time. O zagueiro prima pela liderança e pela inteligência, embora tenha somente 1,74 m de altura. Ganhou espaço até mesmo no time titular da Roja durante as Eliminatórias, mas não passa confiança sempre.

18 – Gonzalo Jara

Defensor, 28 anos, Nottingham Forest-ING

Originalmente lateral, Jara possui tantas qualidades como defensor que também é deslocado para o miolo da zaga, especialmente com três zagueiros. Mais um com longa formação nas seleções de base do Chile, faz parte da equipe principal desde 2006 e foi titular no Mundial da África do Sul. O sucesso o levou ao futebol inglês. Teve problemas de indisciplina, o que custou sua participação em parte das Eliminatórias.

MEIO-CAMPISTAS

4 – Mauricio Isla

Meio-campista, 25 anos, Juventus-ITA

Outro polivalente no elenco chileno, Isla costuma ser escalado como ala direito por Sampaoli, embora também possa ser encaixado como volante ou do lado esquerdo. E é a regularidade que torna o jogador da Juventus tão útil, equilibrando virtudes defensivas e ofensivas. Formado na Universidad Católica e tarimbado na base da seleção, chegou à equipe principal da Roja aos 19 anos. Presente na Copa de 2010, foi titular absoluto nas Eliminatórias.

5 – Francisco Silva

Meio-campista, 28 anos, Osasuna-ESP

Francisco Silva não é dos nomes mais brilhantes do Chile, mas compõe bem o elenco. Volante muito bom nos desarmes, também pode ser recuado à linha de defesa, especialmente como líbero. Porém, é mesmo na cabeça de área onde se sente mais à vontade e conquistou seu espaço na seleção. São 12 partidas pela Roja, a maioria amistosos.

6 – Carlos Carmona

Meio-campista, 27 anos, Atalanta-ITA

A camisa vermelha do Chile cai muito bem em Carlos Carmona. Afinal, são muitos anos de seleção, incluindo duas participações em Mundiais Sub-20 e a Copa de 2010. Não viveu os melhores momentos nos tempos de Claudio Borghi, afastado do time por indisciplina, mas reconquistou seu lugar com Jorge Sampaoli. Volante que costuma garantir a estabilidade ao meio-campo, soma 45 jogos pela Roja.

8 – Arturo Vidal

Meio-campista, 27 anos, Juventus-ITA

Sem dúvidas, o grande craque do time. A questão maior é em quais condições o meio-campista irá disputar a Copa do Mundo, já que as lesões o fizeram perder parte considerável da campanha do tricampeonato italiano da Juventus. Ainda que seja um volante de ofício, Vidal vai muito além disso. Na seleção chilena, costuma ter liberdade para reforçar a marcação no meio-campo e aparecer como elemento surpresa na área adversária. E é exatamente neste papel que o bianconero se tornou intocável na Roja. Vidal soma 54 partidas pela seleção, incluindo a presença em uma Copa do Mundo e duas Copas América.

10 – Jorge Valdívia

Meio-campista, 30 anos, Palmeiras

Você pode ter suas ressalvas a Valdívia, torcendo ou não para o Palmeiras. A inconstância do meia no futebol brasileiro torna isso natural. Entretanto, a fase do Chile é tão boa que mesmo um jogador com fama de “chinelinho” por aqui consegue se destacar. O camisa 10 costuma ser utilizado na armação ou como falso 9 por Jorge Sampaoli, e tem sido muito útil para complementar a força ofensiva da equipe que não costuma usar centroavante. Com 10 anos de seleção e quase 60 jogos, vai para a sua segunda Copa do Mundo.

15 – Jean Beausejour

Meio-campista, 30 anos, Wigan-ING

Beausejour viveu seu auge na seleção com Marcelo Bielsa, marcando inclusive o gol decisivo sobre Honduras na Copa de 2010. Segue sendo uma boa alternativa com Sampaoli, mas já sem o mesmo espaço. O jogador do Wigan é uma opção bastante ofensiva para a ala direita, com alta capacidade no apoio, mas pouco poder de marcação. Ganhou experiência no futebol inglês nos últimos quatro anos, mas a idade fez com que sua intensidade diminuísse.

16 – Felipe Gutiérrez

Meio-campista, 23 anos, Twente

Gutiérrez estreou na seleção às vésperas da Copa de 2010, quando ainda tinha 19 anos. Foi à África do Sul, mas como parte de um elenco de apoio para treinar os 23 convocados de Bielsa. Era uma prévia do espaço que ganharia a partir de então. São 18 partidas do meio-campista, muito útil no esquema de Sampaoli. Com qualidades tanto na marcação quanto na saída de bola, é um dos volantes que tem ganhado espaço na Roja nos últimos meses.

17 – Gary Medel

Meio-campista, 26 anos, Cardiff City-GAL

Entre as desconfianças à linha defensiva chilena, Medel é a principal certeza. O volante costuma fazer as vezes na zaga de Sampaoli, demonstrando o vigor que lhe é característico como um cão de guarda na cabeça de área. Não é alto, mas sabe muito bem destruir o jogo adversário pelo chão, com precisão nos desarmes e nas interceptações. Presente na Copa de 2010, teve ótima passagem pelo Sevilla, antes de se tornar contratação milionária do Cardiff.

19 – José Pedro Fuenzalida

Meio-campista, 29 anos, Colo Colo

Fuenzalida fez toda a sua carreira no futebol chileno, com passagens por Universidad Católica e O’Higgins antes de se firmar no Colo Colo. Jogador de lado de campo, pode atuar como lateral, ponta e ala. As características mais ofensivas, no entanto, o tornam frequente no meio. Convocado desde 2008, fez parte da pré-lista de Bielsa em 2010, mas acabou cortado.

20 – Charles Aranguiz

Meio-campista, 25 anos, Internacional-BRA

Um dos jogadores mais versáteis do Chile, Aranguiz desabrochou com Sampaoli na Universidad de Chile. Até demorou para sair do clube, e o Inter certamente não se arrependeu do investimento, com o meio-campista desfrutando de fase esplendorosa com a camisa colorada. Opção como lateral, mostra mesmo todas as suas qualidades como meia, com mais liberdade para seguir à linha de fundo e confundir as defesas adversárias. A qualidade no passe, somada à verticalidade nas jogadas, o torna ainda mais decisivo.

21 – Marcelo Díaz

Meio-campista, 27 anos, Basel-SUI

Díaz não recebe tantas atenções, em meio a tantos companheiros mais renomados na seleção chilena. Não deveria ser assim. O camisa 21 é o verdadeiro motor do time, excelente na saída de jogo e dono de uma visão privilegiada para os passes – sem contar a precisão nas bolas paradas e chutes de longe. Já era uma peça importante da engrenagem de Sampaoli na Universidad de Chile e foi um dos primeiros daquele time a se transferir para a Europa, pinçado pelo Basel. Só foi convocado à seleção pela primeira vez em 2011, mas se fixou no time titular de uma tal forma que já soma 21 partidas com a camisa vermelha.

ATACANTES

7 – Alexis Sánchez

Atacante, 25 anos, Barcelona-ESP

Alexis Sánchez carrega uma responsabilidade imensa na seleção chilena. É um dos jogadores mais conhecidos e também um dos mais cobrados pelo sucesso do time de Sampaoli. Afinal, se a Roja tem se caracterizado por sua ofensividade, o principal atacante do elenco precisa ser efetivo. Para sorte do camisa 7, sua fase com o Barcelona é excelente, destoando das temporadas apenas regulares que fez anteriormente pelos blaugranas. Remanescente da Copa de 2010, se valoriza pela inteligência nos dribles e as arrancadas em diagonal. Se mantiver a precisão nos arremates que tem demonstrado no Barça, ajudará demais a seleção.

9 – Mauricio Pinilla

Atacante, 30 anos, Cagliari-ITA

Os mais atentos vão se lembrar de Pinilla no futebol brasileiro. Revelado pela Universidad de Chile e com passagem até mesmo pela Internazionale, o atacante passou pelo Vasco em 2008, sem deixar saudades na torcida. Pois o jogo virou para o veterano, que refez sua carreira em Cagliari e Palermo. Incisivo e com presença de área, é uma das opções de Sampaoli para o ataque, podendo tanto substituir Alexis e Vargas quanto jogar centralizado.

11 – Eduardo Vargas

Atacante, 24 anos, Valencia-ESP

Vargas teve seu auge pela Universidad de Chile. Depois que saiu do clube, não convenceu tanto assim com as camisas do Napoli e do Grêmio, além de ter ido bem do Valencia – mas nada tão espetacular quanto em La U. Na seleção, ao menos, o camisa 11 consegue reproduzir as ótimas atuações de quando estourou. Provável influência de Sampaoli, que consegue aproveitar toda a sua fúria no ataque, com velocidade e habilidade. Autor de 14 gols em 30 jogos por La Roja, vai para a sua primeira Copa.

15 – Fabian Orellana

Atacante, 28 anos, Celta-ESP

Ponta que pode atuar pelos dois lados do campo, Orellana é uma alternativa interessante aos dois titulares do setor. O atacante do Celta de Vigo começou no Colo Colo e é convocado à seleção desde 2008. Seu ponto alto foi o gol sobre a Argentina nas Eliminatórias para a Copa de 2010, decisivo para o Chile e que acabou selando sua ida à África do Sul. Destaque no Celta, voltou a ganhar espaço com Sampaoli.

22 – Esteban Paredes

Atacante, 33 anos, Colo Colo

Um dos jogadores mais velhos do elenco, Paredes defende a seleção desde 2006. Porém, o que valeu mesmo sua presença na Copa foi a fase com o Colo Colo, autor de 16 gols em 13 partidas no Torneio Clausura. Presente na Copa de 2010, é um atacante que pode jogar como referência ou como ponta, dono de boa mobilidade.