A Copa do Mundo de 2014 vai se tornando cada vez mais espetacular. A fase de grupos impressionou pela alta média de gols, a maior desde o Mundial de 1970 até então. Porém, a partir das oitavas de final, esses números caíram: de 2,84 gols por jogo, a média passou para 2,25. Pela primeira vez na história das Copas, não houve uma vitória por mais de dois gols de diferença nas oitavas, além de ter sido apenas a segunda vez em que nenhum jogo desta etapa do torneio teve mais do que três tentos. Prova maior do equilíbrio, foram cinco prorrogações, igualando o recorde das oitavas de final de 1938. E a culpa disso tudo não é dos atacantes. Quase todos os goleiros foram espetaculares nesta rodada da Copa.

LEIA MAIS: Por um jogo, Howard foi tudo aquilo que um dia os americanos esperaram

Alguns arqueiros já tinham se destacado na fase de grupos. Mas eles conseguiram ir muito além com o início dos mata-matas. Afinal, nos primeiros 48 jogos do Mundial, a média de defesas por camisa 1 foi de 3,6 por partida, segundo os números da Fifa. Nada muito acima da última Liga dos Campeões, por exemplo, que teve média de 3,3. Nas oitavas de final, porém, essa estatística saltou para 5,2 defesas. Pelas contas, cada goleiro trabalhou 44% a mais do que na primeira fase do torneio, além do que o esperado com as muitas prorrogações. E, com tantos milagres, a impressão é até de que a quantidade de defesas foi ainda maior.

Quem mais ajudou a subir essa média foi Tim Howard. O goleiro dos Estados Unidos realizou 16 defesas, um recorde desde que os números passaram a ser computados, em 1966. O americano defendeu nos 120 minutos contra a Bélgica mais do que outros 31 goleiros que estiveram em campo nesta Copa – incluindo sete do oito titulares classificados às quartas. Nas oitavas, quem mais se aproximou foi Raïs M’Bolhi, com 11 milagres contra a Alemanha. Mesmo Diego Benaglio, que pegou quase tudo contra a Argentina, fez 50% das defesas de Howard. Todos os outros 13, menos do que isso.

VEJA TAMBÉM: A confiança de Júlio César foi maior que o temor do resto da Seleção

Mesmo assim, achar que algum outro goleiro jogou melhor do que Howard nessa rodada da Copa não é nenhuma maluquice. Porque são tantas defesas sensacionais que fica até difícil de escolher. M’Bolhi e Enyeama fizeram suas seleções irem muito além do esperado. Keylor Navas levou a Costa Rica a um feito histórico, enquanto Ochoa quase parou a Holanda sozinho. Ospina tornou a vitória da Colômbia mais fácil do que poderia ser. Benaglio deu trabalho para dois dos melhores jogadores do mundo. Romero, Courtois e Lloris garantiram tranquilidade a favoritos que patinavam. Neuer foi a loucura essencial para a Alemanha, em grande tarde como líbero. Bravo tornou o desespero do Brasil maior.

E o que falar de Júlio César, que só fez uma defesa nos 120 minutos, pegando um chute à queima-roupa de Aránguiz e ainda pegou dois pênaltis no momento mais decisivo? É impossível destacar só um. Ou só dez. Por isso mesmo, cinco dos oito prêmios de “Homem do Jogo” entregues pela Fifa foram a goleiros: Júlio César, Ochoa, Navas, M’Bolhi e Howard.

Ao todo, 13 goleiros tiveram uma atuação entre muito boa e extraordinária nestas oitavas de final. Abaixo, fizemos uma coletânea de links com uma grande defesa de cada um deles, além dos 16 milagres que deram o recorde histórico a Howard.

Tim Howard: 16 defesas

Raïs M’Bolhi (11 defesas): O chute de fora da área de Phillip Lahm

Diego Benaglio (8 defesas): O arremate rasteiro de Messi após fazer fila

Keylor Navas (7 defesas +1 pênalti): A tentativa cara a cara de Salpingidis

Claudio Bravo (6 defesas +1 pênalti): A pancada de Daniel Alves da intermediária

David Ospina (5 defesas): A tentativa de longe de Cristian Rodríguez

Vincent Enyeama (4 defesas): O voleio à queima-roupa de Pogba

Manuel Neuer (4 defesas): O desarme providencial em Slimani

Sergio Romero (4 defesas): O chute rasteiro de Xhaka de dentro da área

Thibaut Courtois (4 defesas): A cobrança de falta ensaiada de Dempsey

Guillermo Ochoa (2 defesas): A cabeçada de Kuyt na pequena área

Hugo Lloris (2 defesas): O arremate de Odemwingie de média distância

Júlio César (1 defesa +2 pênaltis): A bomba de Aránguiz na brecha da zaga

Júlio César comemora a classificação da Seleção

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER

- Keylor Navas provou que é mesmo o herdeiro do melhor goleiro da Copa de 90

- A inspiração de M’Bolhi e a loucura de Neuer foram chave para um jogo espetacular

- Enyeama é quem mais se aproximou do goleiro que inspirou Buffon

- Courtois mostra que é mesmo digno das antigas lendas do gol belga

- O momento de Mondragón foi enorme, mas poderia ter sido maior, não fosse a Fifa