Costa Rica Grécia Umaña

Costa Rica 1×1 Grécia (5×3 pen): Ticos resistem com um a menos e conquistam vaga inédita

A crônica

Se te dissessem após o sorteio dos grupos da Copa do Mundo, ou mesmo poucos dias antes do início do torneio, que Costa Rica e Grécia se enfrentariam nas oitavas de final, você nunca teria acreditado. Pois ambas as seleções deixaram outras equipes mais fortes para trás na fase de grupos, se encontraram na Arena Pernambuco no início do mata-mata e protagonizaram uma partida emocionante e acirrada. A Costa Rica esteve perto de se classificar no tempo normal, mas Sokratis igualou o placar em 1 a 1 aos 46 do segundo tempo, depois de muita pressão, possibilitada pela expulsão de Óscar Duarte na metade da etapa complementar. Tempo normal e prorrogação não foram suficientes para determinar um vitorioso, e a resistência dos Ticos, que jogaram por cerca de uma hora com um a menos, foi recompensada com a vitória nos pênaltis, por 5 a 3.

No primeiro tempo, a Costa Rica chegou mais ao ataque, e aparentemente tinha o controle do jogo, mas os números das finalizações mostravam que quem de fato levava mais perigo, por ter maior precisão, era a Grécia. Houve pouquíssimas chances de gol na etapa inicial. Os costarriquenhos, melhores na posse de bola, finalizaram apenas duas vezes, nenhuma delas a gol, enquanto os gregos mandaram em direção ao gol em quatro oportunidades. Em uma delas, a única chance perigosa de balançar a rede antes do intervalo: cruzamento de Holebas pela esquerda, para Salpingidis chegar batendo de primeira. Atento, Keylor Navas defendeu com a perna, mandando para escanteio.

A falta de efetividade da Costa Rica no primeiro tempo não se repetiu no início da segunda etapa, e Bryan Ruiz, logo aos sete minutos, abriu o placar do jogo. Bolaños tocouo para o meio-campista, que bateu de primeira, sem jeito, mas levou sorte e viu a bola pegar um efeito esquisito, saindo do alcance de Karnezis e balançando a rede do canto esquerdo do gol.

Precisando correr atrás do resultado, Fernando Santos teve que fazer algo incomum para a seleção grega: colocar o time para frente. Pôs então Mitroglou em campo, sacando Samaris, o primeiro volante, e passou a atuar em um 4-1-3-2. Não muito tempo depois, a Costa Rica deu aquela mãozinha, com Óscar Duarte levando seu segundo amarelo e sendo expulso, ainda aos 21 minutos da etapa complementar.

Com um a mais em campo e atrás no placar, a Grécia naturalmente ficou o tempo todo atacando, mas não conseguia de fato ameaçar o gol defendido por Navas. Até que, do jeito que os gregos parece gostarem, no fim do jogo, aos 46 minutos, Gekas finalizou forte, forçando o goleiro costarriquenho a espalmar para a área. Na sobra, o zagueiro Sokratis apareceu para empurrar para o gol e deixar tudo igual.

No primeiro tempo da prorrogação, os gregos seguiram no ataque, e nos cinco minutos iniciais tiveram duas boas chances, mas as desperdiçaram com finalizações sem direção. Apesar da insistência, nenhuma mudança no placar. A resposta da Costa Rica veio apenas no segundo tempo extra. Os Ticos começaram a etapa com um bom chute de Brenes, por cima do ângulo esquerdo de Karnezis, mostrando como viriam para a etapa. Atacaram por cerca de oito minutos, mas sem conseguir o gol, e viram a Grécia voltar a equilibrar a partida, começando com um contra-ataque rápido que terminou em finalização ruim de Lazaros, em cima do goleiro Navas. Aos 16 minutos, Mitroglou teve a última grande chance, aparecendo na cara do gol e finalizando desequilibrado. Navas, mais uma vez, apareceu para ser herói e mandar para escanteio.

Nos pênaltis, todos os costarriquenhos acertaram suas cobranças, e Gekas foi parado por Keylor Navas na quarta cobrança grega. O zagueiro Michael Umaña então foi para a batida final e definiu a vitória por 5 a 4 da Costa Rica. A saga de resistência e superação dos Ticos nesta Copa continuam. Pela primeira vez, a equipe chega às quartas de final de um Mundial. O adversário desta vez é a Holanda, e, independentemente do resultado do jogo do próximo sábado, em Salvador, Jorge Luis Pinto e seus comandados já entraram de vez para a história do futebol do país.

FICHA TÉCNICA

Costa Rica 1×1 Grécia (5×3 pen)

Costa Rica

Costa Rica escudoKeylor Navas; Cristian Gamboa (Johnny Acosta, 32′/2T), Óscar Duarte, Giancarlo González, Michael Umaña e Júnior Díaz; Bryan Ruiz, Celso Borges, Yeltsin Tejeda (José Cubero, 21′/2T) e Christian Bolaños (Randall Brenes, 38′/2T); Joel Campbell. Técnico: Jorge Luis Pinto.

Grécia

Escudo GréciaOrestis Karnezis; Vasilis Torosidis, Kostas Manolas, Sokratis Papastathopoulos e José Holebas; Giannis Maniatis (Konstantinos Katsouranis, 33′/2T), Andreas Samaris (Kostas Mitroglou, 13′/2T), Dimitrios Salpingidis (Theofanis Gekas, 24′/2T), Giorgos Karagounis e Lazaros Christodoulopoulos; Georgios Samaras. Técnico: Fernando Santos.

Local: Arena Pernambuco, em Recife
Árbitro: Benjamin Williams (AUS)
Gols: Bryan Ruiz, 7′/2T, Sokratis Papastathopoulos, 46′/2T
Cartões amarelos: Andreas Samaris, Óscar Duarte, Yeltsin Tejeda, Oscar Granados, Bryan Ruiz, Kostas Manolas e Keylor Navas
Cartões vermelhos: Óscar Duarte

O cara

Keylor Navas
O melhor momento do primeiro tempo: Navas salva chute de Salpingidis  (AP Photo/Hassan Ammar)

O melhor momento do primeiro tempo: Navas salva chute de Salpingidis (AP Photo/Hassan Ammar)

Navas segurou a Grécia durante quase todo o jogo, fez duas defesas dificílimas, uma delas no último lance da prorrogação, e ainda pegou um dos pênaltis, possibilitando que Umaña classificasse a Costa Rica. Os Ticos chegaram pela primeira vez às quartas de final, e em cada passo da caminhada até aqui contou com grandes atuações do goleiro.

Os gols

7’/2T: GOL DA COSTA RICA!

Bolaños toca para Bryan Ruiz, que bate sem jeito na bola, mas acaba colocando curva estranha na bola, tirando do alcance de Karnezis e mandando no canto esquerdo rasteiro.

46’/2T: GOL DA GRÉCIA!

Gekas chuta forte, Navas faz ótima defesa, mas dando rebote para dentro da área, e Sokratis aproveita para mandar para a rede e empatar no fim do jogo.

Cobranças de pênalti

Costa Rica 5×3 Grécia

1ª cobrança da Costa Rica:

Gol! Celso Borges bate forte, no meio do gol, e Karnezis cai à direita.

1ª cobrança da Grécia:

Gol! Mitroglou, com direito a paradinha, bate bem, no canto esquerdo, e Navas vai para o lado contrário.

2ª cobrança da Costa Rica:

Gol! Bryan Ruiz bate no alto, no meio do gol, e Karnezis mais uma vez escolhe o lado direito.

2ª cobrança da Grécia:

Gol! Lazaros bate no canto esquerdo, e Navas cai para o lado oposto.

3ª cobrança da Costa Rica:

Gol! González bate no meio do gol, e Karnezis cai novamente para a direita!

3ª cobrança da Grécia:

Gol! Holebas bate bem, no canto esquerdo. Navas foi para o lado certo, mas não alcançou.

4ª cobrança da Costa Rica:

Gol! Joel Campbell bate rasteiro, no canto direito, e Karnezis cai para o lado errado.

4ª cobrança da Grécia:

Perdeu! Gekas bate à direita, e Keylor Navas espalma, de mão trocada.

5ª cobrança da Costa Rica:

Gol! Umaña bate no ângulo direito de Karnezis, que acerta o canto, mas não chega na bola. Os Ticos estão nas quartas!

A Tática

Escalações iniciais de Costa Rica e Grécia

Escalações iniciais de Costa Rica e Grécia

A Costa Rica, apesar de contar com cinco defensores, não tinha um esquema defensivo. Borges e Tejeda tiveram relativa liberdade para avançar, Ruiz caía pelo centro assim como pela ponta direita, e Bolaños também atacava pela esquerda. Campbell, como nos outros jogos, ficava isolado na frente. Já a Grécia tinha uma linha de quatro defensores, Samaris à frente, e o restante dos meio-campistas fazendo outra linha, quando a equipe não tinha a bola. Samaras, a exemplo de Campbell, também ficava como a referência na frente.

A Estatística

145

Com os dois gols do empate no tempo normal desta partida, a Copa no Brasil chegou a 145 gols, o mesmo número alcançado durante toda a edição passada, em 2010, na África do Sul.


in