Quando chegou ao Real Madrid em julho de 2009, Cristiano Ronaldo teve que escolher um número de camisa diferente do que gostaria. O seu preferido, o 7, estava com uma lenda do clube, Raúl González. Ele era um ponta veloz e que tinha se tornado também um exímio marcador de gols no Manchester United. Do ponta esquerda veloz e que por vezes fechada a linha de quatro do meio-campo, Ronaldo foi se tornando mais artilheiro, mais matador e estando mais e mais perto de ser um centroavante. Os números levantados pelo jornal espanhol El País comprovam que, na prática, Ronaldo tem exercido o papel de um centroavante.

VEJA TAMBÉM: Cristiano Ronaldo: “Nunca sonhei ganhar cinco Bolas de Ouro”

A temporada atual de Cristiano Ronaldo tem sido de um jogador que cada vez mais atua dentro da área. Aos 33 anos, ele tem parece em uma mudança gradual de características. Suas jogadas, antes, começavam mais atrás no campo, pela ponta, buscando criar jogadas. Ele ainda atua, em tese, a partir da ponta, mas muito mais perto da área e, por vezes, se converte em um atacante puro. Quando olhamos para o número de dribles, como destacado pelo El País, isso já fica claro: houve uma queda de 59% nos dribles do português nesta temporada em relação ao seu primeiro ano no clube, 2009/10. Antes, em média, tentava seis dribles por jogo e completava três. Na atual temporada, tenta 2,26 dribles por jogo e completa 1,26 deles.

A fome de gols de Cristiano Ronaldo em 2018 tem contribuído para seus gols de centroavante. No último domingo, marcou quatro gols diante do Girona, alcançando a marca de 23 na liga espanhola. Destes, 18 foram marcados nos dois últimos meses. Na temporada, são 37 gols e, destes, 35 deles dentro da área – 95%, portanto. Nunca em sua carreira ele chegou a uma porcentagem tão grande de gols dentro da área. E o número é ainda mais impressionante: desses 35 gols marcados na área, 30 foram com um toque só, ou seja, de primeira, o que significa 81%.

A mudança de Cristiano Ronaldo, mais centralizado que nunca, tem afetado Karim Benzema, que vive um dos seus piores anos com a camisa do Real Madrid. Ele marca menos gols e precisa participar do jogo de outras formas. Em anos anteriores, ele conseguia abrir mais espaços. Na atual temporada, isso tem sido difícil e já se especula que os merengues irão buscar um novo camisa 9. Será que precisam? Diante dos números de Cristiano Ronaldo, parece que não.

Tudo isso ajuda Cristiano Ronaldo na sua luta para seguir como o melhor jogador do mundo. E a sua autoconfiança é grande. Cristiano Ronaldo foi eleito o melhor jogador português do ano de 2017, para surpresa de absolutamente ninguém. Na premiação, ele disse que sempre acredita ser o melhor. “Eu sempre acredito e digo que eu sou o melhor, não importa o que as pessoas digam, e eu mostro isso em campo”, afirmou o jogador. “Nós estamos lutando ano após ano. Eu agradeço todos aqui por esse prêmio. É também um prêmio para os meus colegas”.

“O ano de 2017 foi excelente e inesquecível, tanto coletivamente quanto individualmente. Foi um ano incrível e histórico para o Real Madrid, com cinco títulos no ano. Eu também ganhei a minha quinta Bola de Ouro e o segundo prêmio Best. Eu dedico aos meus quatro filhos também. É outro recorde, três filhos em três meses”, brincou o português.

Com seus 23 gols no Campeonato Espanhol, Cristiano Ronaldo já se candidata a ser artilheiro da liga mais uma vez, como, aliás, ele dizia a companheiros em novembro, mesmo 11 gols atrás de Messi. O argentino tem 25, três a mais que ele. A disputa está aberta. Curiosamente, Messi marcou o seu primeiro gol de fora da área com bola rolando na temporada também no último domingo, diante do Athletic Bilbao. Antes, Messi tinha marcado de fora da área, mas em cobranças de falta. Terá a concorrência de um Ronaldo cada vez mais centroavante pelo prêmio Pichichi, de artilheiro da liga.