Esqueça Figo, esqueça Rui Costa. A era dos dois frente à seleção de Portugal chega ao fim na Alemanha, na Copa do Mundo. Em paralelo, começa a história de outro jogador que tem tudo para carregar nos ombros a esperança do país: Cristiano Ronaldo.

Logo cedo (e não há tanto tempo assim) ele já experimentou o peso de substituir um ídolo. Com apenas 18 anos, ele deixou o Sporting rumo ao Manchester United. Entrou no lugar de David Beckham e até mesmo herdou sua camisa 7.

“Foi, talvez, o passo mais importante de minha carreira”, contou o português em entrevista à revista Copa’06, nova publicação da Trivela.

Hoje, aos 21 anos, ele é considerado pelo técnico Luiz Felipe Scolari um dos principais nomes do futebol luso. ´Não só dentro de campo, mas também fora dele, pela imagem que tem´, comentou Felipão à Trivela.

Nessa conversa, entre outros assuntos, ele comentou sobre suas expectativas para sua primeira Copa do Mundo e sobre as chances de Portugal. “Temos boas possibilidades de passar à fase seguinte”, afirmou o meio-campista, bastante cauteloso.

Abaixo você confere um trecho da entrevista. A versão completa você encontra na revista Copa’06, já à venda nas melhores bancas do Brasil. Você também pode clicar aqui para encomendar a sua pela Internet.

Como você se sente por representar uma das maiores promessas do futebol mundial, segundo o técnico da seleção portuguesa, Luis Felipe Scolari?
É com enorme orgulho que ouço tais palavras elogiosas, mas também é uma grande responsabilidade para mim. Tenho trabalhado muito para que as coisas corram bem, não só em termos de clube como também de selecção nacional, e é isso que vou continuar a fazer.

Qual a diferença do seu papel, taticamente, entre a seleção e o clube?
Na selecção jogo mais solto e defendo menos do que no meu clube. No Manchester jogo numa posição mais fixa, seja no corredor direito seja no corredor esquerdo, e ajudo mais a equipa a defender. Já na selecção tenho mais liberdade em toda a frente de ataque.

Como você vê as chances de Portugal na Copa-2006? Agradou-lhe o sorteio dos grupos do Mundial?
O sorteio foi bom, o grupo é acessível e Portugal tem boas possibilidades de passar à fase seguinte

Se Portugal avançar para as oitavas-de-final, enfrentará alguma seleção do Grupo C – provavelmente Holanda ou Argentina. Você preferiria jogar contra os holandeses (com quem Portugal tem um retrospecto recente favorável) ou contra os argentinos?
O que eu prefiro é que Portugal passe a primeira fase e já ficaria contente com esse primeiro objectivo.

O que você pensa sobre o trabalho de Luiz Felipe Scolari à frente da seleção portuguesa? Um técnico português (José Mourinho, por exemplo) seria mais benéfico ao time?
O seleccionador nacional tem feito um trabalho muito bom e isso vê-se nos resultados da equipa. A sua vinda para Portugal só trouxe benefícios ao nosso futebol.

O que significou sair com 18 anos do Sporting e logo herdar a camisa 7, de David Beckham?
Foi um momento de grande satisfação e, talvez, o passo mais importante que dei na minha carreira. Vestir a camisola número 7 foi importante, também um grande orgulho e senti-me muito feliz por receber essa herança ou, pelo menos, esse simbolismo.