As críticas parecem ter mudado a opinião de Jürgen Klinsmann. O treinador declarou hoje, em entrevista ao diário Bild, que planeja passar mais tempo na Alemanha. O fato dele morar nos Estados Unidos despertou a ira de dirigentes e técnicos alemães, pois, para eles, a distância atrapalha o desenvolvimento da seleção e a observação de jogadores.

“É lógico que estarei com mais freqüência na Alemanha no ano da Copa, mesmo tendo apenas dois amistosos em março. Estarei lá o tempo que for necessário para mandar a campo um time forte para o Mundial”, afirmou.

Klinsmann viaja em torno de duas vezes por mês para a Alemanha e mantém contato com assistentes, treinadores e jogadores por e-mail e telefone. Para Uli Hoeness, diretor-esportivo do Bayern de Munique, a ausência do técnico por mais tempo em território alemão é a principal causa da “catastrófica condição” do Nationalelf.