Desde que se tornou independente, a Croácia só não participou de uma Copa do Mundo. E a escrita continua. Neste domingo, a talentosa equipe comandada por Luka Modric suportou o burocrático empate por 0 a 0 contra a Grécia, em Pireu, e carimbou passaporte para a Rússia, graças à vitória por 4 a 1 no jogo de ida da repescagem europeia.

LEIA MAIS: A Croácia amassou a Grécia em Zagreb e já vê a Copa de 2018 pintar no horizonte

O grupo dos croatas nas Eliminatórias era equilibrado. Eles saíram na frente com quatro vitórias e um empate nas cinco primeiras rodadas, mas, na sequência, perderam para a Islândia, ganharam do Kosovo por apenas 1 a 0 e perderam da Turquia. O empate contra a Finlândia decretou a saída do técnico Ante Cacic. Zlatko Dalic, finalista da Champions League asiática com o Al Ain, foi contratado para a rodada final.

Veio a vitória crucial sobre a Ucrânia, que valeu vaga na repescagem. O sorteio colocou a Grécia no meio do caminho, adversária que, em outros tempos, seria mais complicada. A campeã europeia de 2004 não ficava fora de uma grande competição internacional desde a Copa do Mundo da Alemanha. Mas tem um elenco envelhecido e pouco renovado. Acabou sendo presa fácil para o poder de fogo da Croácia.

A seleção croata é bem qualificada, com atletas em grandes clubes europeus. O meio-campo que enfrentou a Grécia é um exemplo: Brozovic, Rakitic e Modric. É verdade que Kalinic recebe críticas no Milan, mas tem ao seu lado Perisic e Mandzukic. A defesa está um patamar abaixo, com Lovren, frequentemente contestado no Liverpool, como principal nome. O goleiro é o ótimo Subasic.

O que falta à Croácia é conseguir transformar o talento que tem à disposição em uma boa campanha. Desde o terceiro lugar de 1998, nunca passou da fase de grupos da Copa do Mundo e, na Euro, seu melhor desempenho foi as quartas de final (Inglaterra e Suíça/Áustria). Mesmo na Eurocopa com 24 seleções, ano passado, não conseguiu ir além das oitavas – perdeu para o campeão Portugal.

Pode ser uma das últimas oportunidades para alguns jogadores, como Modric, já com 32 anos, ou Mandzukic, com 31. Tudo sempre depende do sorteio, mas a Croácia tem qualidade com a bola nos pés para causar algum barulho na Rússia ano que vem.