No match programme entregue antes do jogo com o Fulham – espécie de mini-revista com informações sobre o time e a partida -, David Moyes dizia que o Manchester United não estava tendo sorte na temporada. Depois de um confronto como o deste domingo no Old Trafford, no entanto, fica difícil atribuir o insucesso à má sorte. Contra um fraco time como o dos Cottagers, faltou criatividade aos Red Devils na criação de jogadas, e isso pode ser percebido no absurdo número de cruzamentos do atual campeão inglês: 81. Isso mesmo. Foram 81 bolas levantadas na área, maior registro no quesito desde 2006/07 na Premier League.

Mesmo com jogadores bastante criativos e de bom passe como Juan Mata e Wayne Rooney na armação, o United baseou quase todas suas jogadas de ataque no chuveirinho. Tal estratégia, diante de uma equipe tão fechada como a de René Meulensteen, não tinha nada para dar certo, e o gol de Darren Bent no final do jogo para decretar o empate por 2 a 2 foi o castigo bem dado aos donos da casa.

Posicionamento United Fulham

Posicionamento dos jogadores de Manchester United e Fulham

Até o jogo de hoje, a média de cruzamentos do Manchester United neste Campeonato Inglês era de 27 por partida, ou seja, exatamente um terço do número contra o Fulham. Pior que a postura tomada pelos Red Devils foi a precisão dessas bolas levantadas: apenas 22%, ou 18 acertos.

Se Moyes quiser reverter a campanha do United a tempo de conseguir classificar o time para a próxima Liga dos Campeões ao final da temporada, precisará pensar em alternativas mais inteligentes e eficientes de se chegar à defesa adversária. Para começar, não dá para pagar um preço recorde por alguém como Mata e deixá-lo deslocado na ponta direita, fora de sua posição original. Ele já mostrou no Chelsea que não gostaria de atuar por ali, e nas partidas que realizou pelo time de Manchester deixou claro que ali realmente não é a dele.

O clube de Old Trafford tem jogadores bons o bastante para atuações muito melhores que a de hoje, falta só saber utilizá-los da melhor maneira. Limitar seu trabalho a cruzamentos certamente não é o melhor caminho.