Rivaldo foi camisa 10 do Brasil em duas Copas do Mundo. Em 1998 foi um dos principais jogadores na campanha que culminou no vice-campeonato na França. Crucial em diversos momentos, como o jogo contra a Dinamarca, nas quartas de final, com dois gols, ou contra a Holanda, na semifinal, quando deu um passe preciso para Ronaldo marcar o gol do Brasil. Em 2002, foi, discutivelmente, o melhor da Copa – o prêmio foi dado a Ronaldo, outro que jogou uma barbaridade. Com a experiência de um jogador decisivo, Rivaldo diz que a pressão por um bom desempenho de Neymar não é um problema para o atual detentor da camisa 10. Para o ex-jogador, o principal jogador brasileiro tem tudo para jogar bem na Rússia.

LEIA TAMBÉM: A Nike lançou uma nova propaganda sobre a Seleção que já promete virar um clássico

“É uma pressão, mas é uma pressão boa. Isso mostra que você é um grande jogador. Eu também tive essa pressão em duas Copas do Mundo que eu joguei, mas é uma pressão gostosa, uma pressão o mundo inteiro, o Brasil inteiro está dando essa moral para mim, eu tenho que jogar bem. Então quando você tem a idade que ele tem, 26 anos, dificilmente vai jogar mal”, analisou Rivaldo.

O ex-jogador brasileiro também destacou que não basta o principal jogador jogar bem: é preciso que o coletivo do time o ajude. “Ele tá leve com a imprensa, a torcida, ele acredita no futebol dele. Então acredito que ele vai jogar bem e espero que todos da Seleção possam ajudar, possam estar bem. Porque mesmo às vezes a pessoa estando bem, se o time não tá, as coisas não acontecem. Então, tem que estar todo mundo bem na Seleção para que ele possa desempenhar o seu futebol como todo mundo está esperando”, disse ainda Rivaldo.

Neymar se tornou camisa 10 do Brasil na Copa das Confederações de 2013, quando trocou de número com Oscar. A ideia, segundo matéria da Veja, foi do próprio Neymar, que também passou a adotar a grafia “Neymar Jr”, ao invés de apenas “Neymar”. No Santos, Neymar usava essa mesma grafia no seu nome e preferia a camisa 11. Foi o número no Barcelona também. No Brasil, vestiu a camisa 11 tanto na Copa América de 2011, quando o 10 era Paulo Henrique Ganso, quanto na Olimpíada de 2012, com o 10, neste caso, sendo Oscar – Ganso estava no grupo, mas foi reserva e vestiu a 16.

Rivaldo foi um dos principais jogadores do Brasil nas duas Copas do mundo que disputou. Neymar já era o principal jogador brasileiro em 2014. Desde que estreou na seleção, em 2010, Neymar se tornou a estrela do time e, pouco a pouco, virou também o líder técnico. Em 2015, ele esteve entre os finalistas da Bola de Ouro da Fifa e ficou em terceiro lugar, algo que conseguiu repetir em 2017. Chega à Copa com a expectativa de, novamente, ser um dos melhores do mundo, mas desta vez para liderar o Brasil a percorrer todo o caminho na Rússia.