Demorou um pouco, mas o tricampeonato italiano da Juventus parece enfim encaminhado. Se a superioridade do time de Turim em relação a seus colegas ficou clara já na Supercopafoi ratificada com a vitória tranquila por 3 a 0 sobre a Roma, que perdeu a invencibilidade e ficou a oito pontos de distância da líder da Serie A.

Antonio Conte tem um time montado, que vem de duas conquistas nacionais e ainda ganhou os reforços de Carlos Tevez e Fernando Llorente. Desde a derrota para a Fiorentina, por 4 a 2, em outubro, a Juventus ganhou dez partidas seguidas. Por outro lado, a Roma virou abóbora. Chegou a dez vitórias em dez rodadas contra o Chievo e abriu cinco pontos para o time de Turim, mas, desde então, empatou cinco vezes, venceu só duas e foi derrotada neste domingo.

A lesão de Francesco Totti nesse período atrapalhou e jogadores que estavam atuando acima das suas capacidades, como Gervinho, parecem que estão de volta ao normal, mas a Roma cometeu os mesmos erros de sempre. Ficou nervosa em campo, Daniele De Rossi foi expulso, depois Leandro Castán também ligou o chuveiro mais cedo, e qualquer possibilidade de reação foi jogada pela janela.

Por outro lado, a Juventus tem um time bem equilibrado. Arturo Vidal chegou a 13 gols em 26 jogos, média de um a cada duas partidas, gigantesca para um volante. Já está próximo das suas temporadas mais artilheiras, em 2012/13 e 2010/11, quando foi às redes 15 vezes. O zagueiro Leonardo Bonucci fez o segundo e Mirko Vucinic fechou a conta, de pênalti. Tevez, artilheiro do time no campeonato, nem precisou marcar para que a vice-líder fosse batida.

A Roma tem vinte jogos para impedir que a Juventus mantenha a sua supremacia na liga nacional. O desempenho das primeiras rodadas mostrou que ela tem capacidade de incomodar, mas precisa recuperar o fôlego o mais rápido possível, porque a Velha Senhora está longe de satisfeita e aperta o passo a cada rodada.