O Napoli ganha muitos elogios desde a temporada passada por seu estilo de jogo, o futebol ofensivo e atrativo para se assistir. Um dos que ganha mais elogios por isso é Maurizio Sarri, o técnico, que já teve a história contada algumas vezes. Mas nem tudo são flores, como expressa o ditado popular. Emanuele Giaccherini estava encostado no Napoli e, aos 32 anos, deixou o clube na janela de janeiro para ter mais minutos em campo atuando pelo Chievo. E criticou o ex-comandante.

LEIA TAMBÉM: Szczesny: “Esperava conhecer um grande goleiro, mas Buffon também é um homem incrível”

Contratado pelo Napoli em julho de 2016, depois de uma passagem sem grande brilho pelo Southampton, o jogador se tornou um reserva com poucos minutos em campo. Nesta temporada, entrou em campo apenas seis vezes, com um total de 182 minutos. Na temporada anterior, foram 19 jogos, com 386 minutos disputados.

“Ele tem um problema de relacionamento com os jogadores do elenco”, afirmou o jogador em entrevista à Gazzetta dello Sport. “Para ele, há apenas 14 ou 15 jogadores, mas se você quer vencer, você precisa gerenciar o elenco inteiro”, continuou o atacante.

“Você precisa fazer com que todo mundo se sinta importante, mas eu não me sentia assim no Napoli. Eu também me perguntava por que eu jogava tão pouco. Talvez por causa da minha lesão”, disse ainda Giaccherini. “Também tinha um erro tático. Eu sou um meio-campista central e não um ponta, mas eu nunca me permiti perguntar a ele por que eu nunca joguei”.

Giaccherini teve um bom desempenho na Eurocopa de 2016, quando a Itália era comandada por Antonio Conte. Jogou como um dos alas do time, pela esquerda, no esquema com três zagueiros do treinador. O brilho na competição o levou ao Napoli, mas acabou ficando muito tempo encostado. E ele diferenciou o trabalho de Sarri e Conte. “Para [Antonio] Conte, todo mundo é importante e ninguém é indispensável. Para Sarri, os seus 11 titulares são indispensáveis e os outros vem depois”, disse o jogador.

Giaccherini está emprestado ao Chievo até o final da temporada. Ele tem contrato com o Napoli até junho de 2019, mas tudo indica que ele não deve voltar para defender o time. Ainda mais depois dessas declarações.