Logo na entrada de Ryan Giggs de terno e gravata no Old Trafford, dando autógrafos aos torcedores nos assentos próximos ao banco de reservas, notava-se a diferença do clima no Teatro dos Sonhos. O jogo contra o Norwich nem havia começado, e o galês já parecia o nome perfeito para o cargo deixado por David Moyes. O escocês teve sua parcela de apoio durante o tempo em que esteve no comando do United, mas nada parecido com a atmosfera que recebeu Giggs como o técnico interino do time. Ao final dos 90 minutos, o apelo pela permanência do jogador-treinador como comandante da equipe ganhou força, apoiado na boa atuação da equipe.

>>> Shelvey disse que fez o gol mais bonito da temporada. Você ousa discordar?

Muito se falou durante o curto tempo de David Moyes como treinador que o escocês não havia conquistado o vestiário. Verdade ou não, pelo menos isso é o que transparecia durante os jogos do United. Quanto a Giggs, o vestiário sempre foi seu. A impressão é de que o galês, sem um jogo sequer com experiência de treinador, já teve muito mais moral com o elenco que Moyes e seus 11 anos de comando no Everton.

Taticamente, não é possível apontar uma diferença significativa no jogo dos Red Devils em relação ao trabalho de Moyes. O primeiro tempo, em especial, foi muito parecido com os diversos jogos frustrantes desta temporada. Contra um time inócuo como o Norwich, a equipe teve muita posse de bola, mas não transformou isso em chances perigosas. Conseguiu o gol que abriu o placar graças a um pênalti duvidoso em Danny Welbeck, convertido por Wayne Rooney.

>>> Duas lambanças da defesa devem tirar o Everton de vez da briga pela Champions

Assim como quase toda a torcida, este garoto confia em Giggs (AP Photo/Jon Super)

Assim como quase toda a torcida, este garoto confia em Giggs (AP Photo/Jon Super)

O segundo tempo foi oposto ao apresentado na etapa inicial. Foi como se aos poucos o Manchester United fosse se desgarrando do trabalho de Moyes. O time foi ficando cada vez mais leve, Rooney ampliou para 2 a 0, e a entrada de Juan Mata no lugar de Welbeck, primeira alteração promovida por Giggs como técnico, deu o toque final no arranjo do galês para liquidar a partida. O espanhol entrou muito bem, dando mais mobilidade ao setor ofensivo, e ainda marcou os dois últimos gols da goleada.

>>> Roteiro: Duelo entre Liverpool e Chelsea é a principal atração do fim de semana

No momento, a extensão do cargo de interino de Giggs para um definitivo como técnico na próxima temporada ainda está distante. Foi apenas um jogo, contra um adversário fraco. Embora o clube negue, a imprensa holandesa já fala que Louis van Gaal está acertado para assumir o time ao fim da Copa do Mundo, em que dirigirá a Holanda. Ainda assim, é inegável que a figura de técnico se encaixou muito bem em Giggs. A falta de experiência conta contra o galês, mas o apoio do torcedor e o clima de alegria em Old Trafford neste sábado certamente são um trunfo para uma possível permanência do ídolo Red Devil. Veremos se as três rodadas que restam poderão ter seu peso na definição de quem comandará o time após o Mundial.