A Juventus garantiu o seu quarto título da Copa da Itália consecutivo com uma vitória por 4 a 0 sobre o Milan, sem dó nem piedade. Foi também o 13º título bianconero na competição. Não foi nenhuma aula de futebol, mas a Juventus foi muito melhor. Só que o Milan ajudou demais. Um empate por 0 a 0 no primeiro tempo pareceu indicar um jogo equilibrado até o final. Só que o segundo tempo desastroso do time de Milão colocou tudo a perder. Foram quatro gols aproveitando falhas do Milan. O goleiro Gianluigi Donnarumma fazia um grande jogo até sofrer o segundo gol, em falha dele. O terceiro gol também foi falha do goleiro. O quarto veio em um gol contra. E o Milan desabou.

LEIA TAMBÉM: Há 120 anos, começava a primeira edição do Campeonato Italiano – e terminava no mesmo dia

O primeiro tempo foi bastante equilibrado e com o Milan até ligeiramente melhor, criando chance. No segundo tempo, porém, tudo isso ruiu. A Juventus voltou muito melhor depois do intervalo, pressionando o Milan e criando chances chutando de fora da área. Aos 11 minutos, em uma cobrança de escanteio de Miralem Pjanic, Medhi Benatia cabeceou muito bem e abriu o placar no estádio Olímpico de Roma: 1 a 0.

Donnarumma fazia uma boa partida, com defesas importantes no jogo em chutes de Dybala. Mas quando Douglas Costa recebeu de Juan Cuadrado e chutou de fora, o goleiro falhou e a bola entrou: 2 a 0, aos 16 minutos. Dali em diante, o Milan desabou de vez. A derrocada continuou aos 19, quando depois de escanteio, Donnarumma não defendeu uma bola fácil, soltando nos pés de Benatia, que marcou mais uma vez: 3 a 0.

O jogo estava terminado, mas ainda viria um tiro de misericórdia. Aos 31 minutos, em um novo escanteio da Juventus, o centroavante Nikola Kalinic, do Milan, marcava na primeira trave e desviou para o próprio gol. A Juventus goleava: 4 a 0. Não havia mais jogo, nem disputa. O título, decidido, já era da Juventus. O Milan sentia a derrota já em campo.

A derrota é sempre dura, mas o pior para o Milan foi a sensação de impotência. Não conseguiu competir com a Juventus como se imaginava, em um jogo único. Acabou atropelado, sem conseguir um título na temporada que não conseguirá, mais uma vez, chegar à Champions League. O time terá que se remontar mais uma vez pensando na próxima temporada, desta vez com Gennaro Gattuso no banco de reservas desde o início. Precisa começar com a definição de Donnarumma. Se ele vai ficar, precisa que seu empresário pare de criar caso para que o jovem goleiro seja o que promete ser. Nesta temporada, já não foi tão bem quanto poderia por constantes problemas vindos de fora de campo.

A Juventus mantém uma hegemonia na Itália. É o maior campeão da Copa da Itália, com 13 títulos, e segue como o time a ser batido. Tem tudo para confirmar mais um scudetto no fim de semana, que só não virá com uma muito improvável combinação de resultados. Vale destacar Douglas Costa, que mais uma vez jogou muito bem e tem sido um brilho constante da equipe comandada por Massimiliano Allegri. O camisa 11 tem sido uma peça importante tanto nos dribles que quebram marcações quanto com passes para gols.

Allegri se tornou, aliás, campeão da dobradinha italiana pela quarta vez em quatro temporadas pela Juventus. Significa que o treinador tem ganhado todas as competições domésticas desde que assumiu o comando do time. É algo notável, ainda que o time da Juventus, seja, de fato, o melhor. Resta saber se o treinador irá permanecer. Allegri é cotado para ser o treinador do Arsenal. A decisão sobre isso parece estar nas mãos do treinador.