Aos poucos, a insustentável situação de Carlo Ancelotti no Bayern de Munique começa a se revelar. E, menos de uma semana após a demissão do treinador italiano, a revista Kicker publicou uma reportagem relatando mais alguns entraves existentes com membros importantes do elenco. Segundo o artigo, uma das principais insatisfações dos jogadores se dava pela maneira como o comandante orientava os treinamentos. Já na temporada passada, os medalhões passaram a organizar “treinos secretos”, paralelamente às atividades orientadas por Ancelotti. Entre os líderes do movimento estariam, inclusive, os recém-aposentados Philipp Lahm e Xabi Alonso.

Conforme a Kicker, o estopim da crise nos treinamentos aconteceu durante o segundo turno do último Campeonato Alemão, quando o Bayern já havia aberto ampla vantagem na liderança. Os jogadores passaram questionar a maneira como os treinamentos eram conduzidos, inclusive o próprio aquecimento, com exercícios insuficientes na preparação. Sem serem atendidos, começaram a realizar treinos extras no próprio CT, o que foi proibido por Ancelotti. Então, os treinos secretos em outros lugares se tornaram praxe.

A publicação relata principalmente a indignação de Arjen Robben com os métodos. O ponta teria dito que “até mesmo os treinamentos do meu filho são melhores do que estes”. Diante do problema, o presidente Karl-Heinz Rummenigge chegou a se reunir mais de uma vez com as lideranças do grupo, incluindo também Manuel Neuer, Thomas Müller e Jérôme Boateng. E a bomba estourou depois da péssima atuação contra o Paris Saint-Germain na Liga dos Campeões, culminando na queda de Ancelotti e de toda a sua comissão técnica.

Vale lembrar que um problema recorrente do Bayern nos últimos anos são as lesões. Dificilmente o departamento médico dos bávaros permanece sem alguma estrela em recuperação. A carga de treinamentos extra também influencia no planejamento geral feito pelo clube sobre a questão – ainda que estes reclamassem justamente da parca carga de trabalho com Ancelotti.

E a crise do Bayern não se reflete apenas em campo. Enquanto o time tropeçou mais uma vez no final de semana, empatando por 2 a 2 com o Hertha Berlim no Estádio Olímpico, os efeitos do mau momento impactaram nas arquibancadas. Como não acontecia desde 2005/06, um jogo envolvendo os bávaros pela Bundesliga não esgotou os seus ingressos. Tempos nos quais o apelido de “Hollywood FC”, pelos seguidos conflitos os astros do Bayern, ecoava na Baviera.