Por um bom tempo o Barcelona dominou a liderança da atual edição de La Liga ao lado do Atlético de Madrid. Recentemente, após os três times da ponta oscilarem e se embolarem, a equipe despachou o Real Madrid em pleno Santiago Bernabéu e ganhou fôlego novo para a corrida final no Campeonato Espanhol. No entanto, após a eliminação na Liga dos Campeões para o Atleti neste meio de semana e a derrota deste sábado para o Granada, os blaugranas veem a temporada escapar por entre os dedos. O desespero do time nas jogadas de ataque durante esse último revés evidenciaram que a equipe sabe disso.

Na posse de bola, o Barça massacrou o Granada: 81% a 19%. Nas finalizações, também: 23 contra cinco. Mas então o que foi determinante para a surpreendente derrota? Justamente o desespero do time azul-grená. Durante parte significativa do jogo, a equipe apostou bastante em cruzamentos para furar a parede chamada Orestis Karnezis, que defendia o gol de maneira inspirada. Foram, ao todo, 43 bolas levantadas na área, com apenas dez encontrando jogadores blaugranas.

Esse recurso já é característico de equipes com alguma deficiência ofensiva. Considerando, então, que é do Barcelona que estamos falando, um time sem jogadores altos, de referência, para poderem cabecear todas essas bolas levantadas, aí fica ainda mais fácil entender o fracasso dos comandados de Tata Martino na derrota.

A um ponto do líder Atlético de Madrid, que ainda joga amanhã e pode abrir vantagem de quatro pontos, o Barcelona vê o título cada vez mais distante, e sua única esperança de, a tão pouco tempo do final da temporada, ficar com a taça depende de uma dedicação tão exclusiva dos rivais de Madri à Liga dos Campeões a ponto de isso significar para a dupla uma série de tropeços nesta reta final de La Liga.

Para não dizer que não mencionamos a Copa do Rei, o Barça ainda tem a decisão contra o Real, da qual o time pode sair com pelo menos um título na temporada. No entanto, todos sabem que um título nessa competição, comparado a um de Campeonato Espanhol ou mesmo da Champions, em que Atleti e Real estão bem vivos, não tem peso algum. Já se fala na incerteza da continuidade de Tata Martino no comando do Barça. Talvez, quando olharmos no final da temporada para os momentos determinantes, a derrota para o Granada possa ser um deles.