O elenco do Atlético de Madrid é bastante inferior aos rivais na disputa pelo título espanhol, Barcelona e especialmente o Real Madrid. Não importa, o time do técnico Diego Simeone se recusa a entregar os pontos. É o time do suor, que neste sábado arrancou três pontos do jogo com o Villarreal sofrendo muito e graças a um gol de bola parada, uma das grandes armas do time. Raúl García, que não jogou no meio da semana, foi o autor do gol do 1 a 0 magro. Logo ele, que estava suspenso no meio da semana e, por isso, era um dos poucos inteiros no jogo.

A opção de Simeone foi escalar um ataque com David Villa e Diego, o meia brasileiro. Raúl Garcia jogou mais atrás, pelo lado direito. Sem Turan, quem jogou no lado esquerdo do meio-campo foi Cristian Rodríguez, meia uruguaio. A atuação do ataque, porém, não foi grande coisa. Diego, Villa e Cristian Rodríguez não fizeram bons jogos. Ao contrário dos zagueiros Alderweid e Godín (Miranda foi poupado, ficou no banco), do meio-campista Koke e, claro, de Raúl García, melhor do jogo.

Foi em uma cobrança de escanteio de Koke aos 14 minutos do primeiro tempo que García marcou de cabeça e colocou o time colchonero à frente. No primeiro tempo, especialmente nos primeiros 30 minutos, o time se esforçou para criar uma vantagem que pudesse administrar. Não conseguiu. O time sofreu. O que se viu então foi uma defesa firme do Atlético, um time que teve que se defender e tentar garantir a vitória. O Villarreal até chutou mais vezes a gol, oito contra seis, mas os amarelos só acertaram um desses chutes no alvo. O Atlético acertou três.

Simeone, à beira do campo, gesticulava e orientava seus jogadores, tentando fazer o Atlético matar o jogo, ou ao menos não sofrer. O time resistiu, venceu por 1 a 0 e conseguiu os três pontos que são fundamentais na disputa pelo título. Afinal, é menos uma rodada para que tudo dê certo. Com 32 jogos disputados e seis para o final, o Atlético tem 79 pontos e ficará na primeira posição, independente de Barcelona e Real Madrid vencerem. O sonho fica mais perto a cada jogo.

“Foi um triunfo muito importante e por isso o valorizamos mais. Não pudemos escapar da posse de bola do Villarreal, mas tenho claro, porque conheço muito bem o clube, que a torcida tem que interpretar o quanto é importante para a equipe, e mais ainda nesta circunstância. Quando [a torcida] começa a gritar, o ambiente te impressiona. Hoje apareceu a torcida do Atlético de Madrid. Muitos perguntam por que somos do Atlético e somos por isso, por paixão, trabalho, humildade, e se tiver que sofrer, sofremos”, disse Simeone. Ele entende perfeitamente o espírito da equipe, do clube.

“Temos jogado muitas partidas muito incômodas e daqui até o final da liga todos vão ser assim, mas temos uma coisa muito clara, que dependemos de nós mesmos. E não tenho palavras para agradecer o esforço e o compromisso que estão tendo os jogadores com o clube. Efetivamente, estamos cansados, mas com cabeça, superamos esse cansaço”, declarou ainda o treinador.

No meio da semana, tem o Barcelona novamente, pela Liga dos Campeões. O ambiente de apoio e muito barulho no estádio Vicente Calderón certamente irá se repetir. E será novamente fundamental.