Copa do Mundo é um momento de reencontro – Argentina e Nigéria que o digam. Várias seleções que se enfrentarão na fase de grupos em 2018 já são velhas conhecidas de outros Mundiais. E os duelos remetem a alguns jogos históricos da competição, importantes para o sucesso ou o fracasso de muitos desses times. Aproveitamos a ocasião para relembrar dez partidas do passado que terão sua reedição na Rússia. Para aumentar a diversidade, não repetimos os confrontos entre as mesmas seleções. Além disso, os jogos do Brasil foram deixados de fora – serão assunto para outro texto. Confira:

Oitavas de final da Copa de 2010: Espanha 1×0 Portugal

A rivalidade da Península Ibérica viveu um de seus maiores capítulos na Copa do Mundo de 2010. Portugal não fez uma primeira fase tão brilhante, mas avançou em um grupo difícil. Já a Espanha tinha cambaleado na estreia, mas se recuperava. Encontraram-se nas oitavas de final, e a Roja conseguiu se impor. Teve amplo domínio da partida, apesar das dificuldades para definir. David Villa fez a diferença, recebendo passe de calcanhar de Xavi.

Semifinal da Copa de 2002: Alemanha 1×0 Coreia do Sul

Um encontro um tanto quanto surpreendente, depois das classificações da Coreia do Sul sobre Itália e Espanha. A Alemanha, porém, conseguiu derrubar os anfitriões. Como tinha sido ao longo dos mata-matas, o Nationalelf venceu pelo placar mínimo, 1 a 0. Oliver Kahn continuou intransponível na meta germânica, enquanto Michael Ballack decidiu aos 30 do segundo tempo. Lamento maior foi o cartão amarelo recebido pelo meia, que o tirou da decisão contra o Brasil.

Primeira fase da Copa de 2002: Dinamarca 2×0 França

Pelos jogadores em campo, o duelo pela primeira fase de 1998 foi mais pesado. Contudo, não tinha o mesmo caráter decisivo de quatro anos depois, com a França no fio da navalha. Zidane, ainda se recuperando de lesão, precisou ir para o sacrifício. Mas não salvou os Bleus, mesmo jogando muito. Com uma pitada de sorte e mais competência na definição, a Dinamarca venceu com gols de Rommedahl e Tomasson, passando em primeiro do Grupo A.

Primeira fase da Copa de 1998: Argentina 1×0 Croácia

Duas seleções fortes, mas que tiraram um pouco o pé do acelerador na última rodada do Grupo H, ambas classificadas. O duelo valia a primeira colocação da chave e a Croácia entrou em campo com um time até mais completo. Todavia, a Argentina se deu melhor para arrancar o triunfo magro, tento do defensor Mauricio Pineda. Nos mata-matas, os croatas se saíram melhor.

Fase de grupos da Copa de 1994: Argentina 2×1 Nigéria

Dos quatro confrontos anteriores entre Argentina e Nigéria, o primeiro marca especialmente. Primeiro, por serem dois times de qualidade, com credenciais para aprontar nos mata-matas. Depois, por ter sido o último jogo de Maradona em Copas, flagrado no doping depois disso. Samson Siasia abriu o placar para as Super Águias, mas Claudio Caniggia resolveu para a Albiceleste com dois tentos.

Oitavas de final da Copa de 1990: Inglaterra 1×0 Bélgica

Embora fossem seleções notáveis na década de 1980, Inglaterra e Bélgica ficaram dez anos sem se enfrentar. Em 1954, já tinham feito um jogo maluco na fase de grupos, em empate por 4 a 4. No Mundial da Itália, porém, o duelo foi bem mais travado. O gol decisivo saiu apenas aos 14 do segundo tempo da prorrogação, com David Platt colocando os Three Lions nas quartas de final.

Quartas de final da Copa de 1986: Alemanha Ocidental 0x0 México

Entre todas as suas Copas, o México nunca esteve tão forte quanto em 1986. Era o anfitrião e tinha bons valores. Passou na liderança de seu grupo e não tomou conhecimento da Bulgária nas oitavas. Só parou na Alemanha Ocidental, encarando de frente os futuros vice-campeões mundiais. O empate por 0 a 0 prevaleceu até o final da prorrogação e os germânicos só avançaram nos pênaltis, com triunfo por 4 a 1.

Fase de grupos da Copa de 1986: Marrocos 3×1 Portugal

O Marrocos de 1986 nem sempre é lembrado entre os melhores times africanos da história das Copas, mas deveria. Os Leões do Atlas chegaram à última rodada em confronto valendo a classificação contra Portugal. Não apenas venceram o bom time dos tugas por 3 a 1, dominando os europeus, como também terminaram na liderança da chave que ainda tinha Inglaterra e Polônia. Autor de dois gols, Abderrazak Khairi foi o destaque.

Quartas de final da Copa de 1970 – Uruguai 1×0 União Soviética

Duas seleções tradicionais, que se matariam nas quartas de final. A União Soviética poderia ter um leve favoritismo, por ter encerrado a fase de grupos invicta e na liderança de sua chave. O Uruguai, porém, conseguiu reverter a situação e saiu vitorioso em um duelo que adentrou na prorrogação. O gol da vitória veio aos 12 do segundo tempo extra, anotado pelo atacante Víctor Espárrago, que saíra do banco.

Semifinal da Copa de 1958 – Suécia 3×1 Alemanha Ocidental

Campeã do mundo quatro anos antes, a Alemanha Ocidental seguia forte, mas não fazia uma campanha tão boa assim, com duas vitórias e dois empates. A Suécia vinha com mais gás, empurrada por sua torcida. O Nationalelf saiu em vantagem no primeiro tempo, com Hans Schäfer, mas cedeu a virada já na reta final da segunda etapa, quando estava com um a menos. Lennart Skoglund, Gunnar Gren e Kurt Hamrin anotaram os gols suecos.