Real e Atlético de Madrid: 108 anos de história

Goleadas, polêmicas e muita rivalidade: os dez maiores dérbis de Madrid

São 108 anos de história, 264 jogos oficiais, e o maior dérbi da capital espanhol ainda nem aconteceu: no próximo sábado, Atlético de Madrid e Real Madrid decidem a Liga dos Campeões no jogo mais importante entre os dois clubes da capital espanhola. Mas isso não quer dizer que nenhuma dessas quase 300 partidas tenha sido sensacional, muito pelo contrário. Houve confrontos tensos, polêmicos, históricos, dolorosos e cheios de gols. Reunimos os dez melhores para você entrar no clima da decisão deste sábado no Estádio da Luz.

Leia mais: O direito de entrar para a história está em jogo no maior dérbi de Madri

12/novembro/1950 – Real Madrid 3 x 6 Atlético Madrid

Foi um dos dérbis de Madri com mais gols: nove. E o Atlético marcou seis deles, em uma goleada histórica sobre o maior rival. Com 15 minutos, estava 3 a 0, gols de Múgica, do francês Larbi Benbarek e do sueco Henry Carlsson, em 15 minutos. O Real deu sinal de vida e o placar chegou a ficar 4 a 3, mas os colchoneros voltaram à carga no final e deram o troco. Deram o troco? Sim, apenas seis meses antes, na Copa do Generalísimo da temporada anterior, o Real é que havia feito 6 a 3. Ou seja, em 1950 os madrilenos viu os dois dérbis locais com mais gols, com uma goleada de cada lado.

13/maio/1959 – Real Madrid 2 x 1 Atlético Madrid

Foi o único encontro europeu entre os clubes de Madri antes do próximo sábado. Era a semifinal da temporada 1958/59 e não havia aquela história de gol fora de casa. O Real Madrid venceu a primeira por 2 a 1, em casa, e perdeu fora dela por 1 a 0. No jogo desempate, em Zaragoza, Di Stéfano e Puskas – aquele Real não gostava de deixar os outros brincarem – decidiram a vaga na decisão para conquistar o quarto título da Liga dos Campeões do clube.

02/setembro/1961 – Atlético de Madrid 3 x 2 Real Madrid

Foi a segunda final de Copa do Rei da história entre os clubes, a segunda seguida, e o Atlético de Madrid ganhou de novo. Desta vez, Di Stéfano e Puskas também marcaram, mas não foi o suficiente para evitar a derrota do Real Madrid. Joaquín Peiró (duas vezes) e Jorge Mendonça (português, não o atacante brasileiro dos anos 70) garantiram o título para os colchoneros.

05/julho/1975 – Real Madrid 0 x 0 Atlético de Madrid

Zero a zero pode ser um grande jogo, sim. Ainda mais se for em uma final, envolvendo um dos melhores times da história do Atlético de Madrid, vice-campeão europeu de 1974. Foi a única decisão de Copa do Rei com dérbi que o Real Madrid venceu – e precisou dos pênaltis. O tempo regulamentar foi bastante movimentado. O goleiro Miguel Ángel, do Real, deu uma cambalhota depois de uma defesa bizarra, o árbitro anulou um gol do Atlético de Madrid e não validou outro de Becerra, em bola que aparentemente passou a linha e Ángel espalmou. Nos pênaltis, o Real levou por 4 a 3.

03/dezembro/1988 – Real Madrid 2 x 1 Atlético de Madrid

Foi um dos clássicos mais polêmicos. Paco Llorente abriu o placar para o Real Madrid, e Manolo empatou. O jogo estava quente, cheio de entradas violentas e lances duvidosos quando o árbitro expulsou Miguel Tendillo, do Real, por uma entrada criminosa em Paulo Futre no meio-campo. Pouco depois, a bola foi lançada e o goleiro madridista Buyo saiu do gol para interceptar e se chocou com Futre. Os dois caíram no chão se contorcendo como se tivessem sido baleados. Orejuela aproximou-se para tirar satisfações, e Buyo intensificou as simulações. O árbitro caiu e expulsou Orejuela. Com dez para cada lado, Martín Vázques fez o gol da vitória do Real Madrid.

>>>> Quem é quem no Atlético de Madrid?

29/outubro/1994 – Real Madrid 4 x 2 Atlético de Madrid

Este dérbi tem valor histórico por causa do primeiro gol do maior artilheiro da história do Real Madrid. Raúl Gonzalez colocou a bola nas redes 323 vezes com a camisa do clube, e a primeira foi justamente contra o Atlético de Madrid, no começo da temporada 1994/95, quando tinha apenas 17 anos. A partida já estava 2 a 0, com gols de Iván Zamorano e Michel quando Raúl pegou de primeira da entrada da área e colou no ângulo. Um golaço para começar sua caminhada rumo ao hall de ídolos madrileños.

18/janeiro/1997 – Atlético de Madrid 1 x 4 Real Madrid

As equipes viviam situações opostas, e quem estava em alta era o Atlético de Madrid. Os colchoneros haviam acabado de conquistar o Espanhol e a Copa do Rei e estavam nas quartas de final da Liga dos Campeões. O jogo era em casa, mas o Real Madrid de Fabio Capello não quis saber de nada disso, mesmo depois de Kiko abrir o placar. Um show de Raúl, começando a construir a sua lenda, virou a partida. O segundo gol dele, maravilhoso, foi pouco depois de Predrag Mijatovic ser expulso. Seedorf e Víctor Sánchez fecharam a goleada.

30/outubro/1999 – Real Madrid 1 x 3 Atlético de Madrid

Esta foi o último suspiro de glória do Atlético de Madrid sobre o Real Madrid antes de um jejum de 14 anos sem vitórias no dérbi. Jimmy Floyd Hasselbaink, no começo da sua passagem pelo Vicente Calderón, fez dois gols na vitória por 3 a 1 dos colchoneros no Bernabéu, depois de Fernando Morientes abrir o placar para o time da casa. José Mari também marcou nessa partida, que foi o primeiro dérbi de Iker Casillas, então com 18 anos. Ele entrou no início do segundo tempo no lugar de Albano Bizzarri, expulso.

15/junho/2003 – Atlético de Madrid 0 x 4 Real Madrid

Mais uma goleada do Real Madrid no Vicente Calderón, agora com os seus galáticos: Figo, Ronaldo, Raúl e Zidane tiveram ótimas atuações no penúltimo jogo do Campeonato Espanhol de 2002/03. Logo no começo do jogo, o francês viu o brasileiro nas costas da defesa e deu um tapa. Aqueles passes que parecem muito fáceis quando ele os executa. Ronaldo concluiu muito bem. Também fez o terceiro, depois de cruzamento de Roberto Carlos. Raúl fez os outros dois. O time de Del Bosque seria campeão no jogo seguinte, o primeiro título de liga da carreira do Fenômeno.

>>>> E quem é quem no Real Madrid?

17/maio/2013 – Real Madrid 1 x 2 Atlético de Madrid

Foi o fim da angústia. O Atlético de Madrid encerrou o jejum de 14 anos sem bater o maior rival, e não foi uma vitória qualquer. Foi a final da Copa do Rei, no Santiago Bernabéu. O curioso é que todas as cinco vitórias do Atlético sobre o Real Madrid na final dessa competição foram no estádio do adversário. E a única do Real sobre os colchoneros foi no Calderón. Neste jogo, no fim da temporada passada, Cristiano Ronaldo abriu o placar de cabeça, e Diego Costa empatou em contra-ataque, após jogada brilhante de Falcao. O Real Madrid poderia ter feito 2 a 1, ainda no segundo tempo, mas Juanfran salvou um chute de Ozil em cima da linha de forma inacreditável. Nos acréscimos, Miranda fez o gol que garantiu o troféu, conquistado na base da bola parada e do contra-ataque, principais características do time de Simeone. E José Mourinho despediu-se do Real Madrid sem ganhar esse último título.

Você também pode se interessar por: 

>>>> Pela primeira vez, um dérbi municipal na decisão da Champions

>>>> Eis uma sugestão para torcedores do Atlético e do Real comemorarem a final madrilena

>>>> Duvidar dos 300 de Arda “Leônidas” Turan e Simeone é impossível

>>>> Os guerreiros do Atlético suaram sangue para superar a última batalha e se sagrarem campeões

>>>> Simeone, o comandante de uma revolução inesperada

>>>> A rodada final da Liga serviu para o Real definir seu volante titular na decisão da Champions