Lionel Messi tem se provado o craque se espera dele, decidindo os três jogos da Argentina. Por isso, existe uma discussão se o time é dependente de Messi. Sem dúvida o é, mas a questão que fica é se há alguém mais capaz de fazer a diferença, caso Messi esteja bem marcado ou só mesmo em um dia ruim. No papel, Higuaín, Agüero ou mesmo Lavezzi poderia.  Na prática, nenhum desses jogadores conseguiu assumir essa responsabilidade. Quem deu sinais que pode fazer esse papel de o grande coadjuvante de Messi é Ángel Di María.

LEIA MAIS: Argentina 3×2 Nigéria: entre o poder decisivo de Messi e as emoções da defesa

Contra a Nigéria, Di María conseguiu fazer o papel da transição entre meio-campo e ataque, como faz tão bem no Real Madrid. Ainda não chegou ao mesmo nível que terminou a temporada no time espanhol, mas já assumiu o papel de coadjuvante mais importante do time argentino. Afinal, um time que tem Messi só pode ter ele como protagonista. O mesmo que Di María vive no Real Madrid, onde Cristiano Ronaldo assume o papel de grande protagonista.

No jogo contra a Nigéria, foi ele, Di María, que mais chutou a gol, cinco vezes, uma a mais que Messi, que deixou o campo bem antes. Os cinco chutes dele foram no gol, mas Enyeama impediu que o camisa 7 balançasse as redes. Além dos chutes, ele foi importante também nos passes. Foram quatro passes criando situações de gol, além de ter feito 73 passes no total durante o jogo. Foi um dos que ajudou a Argentina a manter o ritmo no jogo, ao menos enquanto o time esteve bem.

A Argentina precisa de mais de um jogador brilhando para ter força coletiva. Precisa que o seu time funcione e Di María pode fazer o papel de engrenagem nesse time. A bola tem que passar por ele, que tem mais qualidade que Gago para fazer esse papel de fazer a bola correr, chegar a Messi e aos jogadores mais de frente. Como faz no Real Madrid. Como tem capacidade de fazer na Argentina. E, baseado na sua temporada pelo time espanhol, ele tem tudo para ser um dos destaques não só do time, mas da Copa.

VEJA TAMBÉM: 

- A emoção de Mondragón foi enorme, e poderia ser maior se não fosse pela Fifa

- A história que Drogba escreveu nas Copas é maior que qualquer frustração

- 20 anos depois, a Colômbia confia no seu camisa 10 para ir longe na Copa