Ángel Di María é um dos jogadores dos quais se espera muito na seleção. Campeão olímpico em 2008 ao lado do craque Lionel Messi, Di Maria coloca a Argentina como candidata ao título justamente por ter o camisa 10 do Barcelona. E, claro, fez muitos elogios ao companheiro. Disse até que pensa, sim, em jogar com ele em clubes um dia. Mas certamente esse momento não será perto da aposentadoria.

LEIA TAMBÉM: Com 32 anos de atraso, argentinos cumprirão promessa feita na Copa de 86 para encerrar “maldição”

“Somos candidatos a ganhar a Copa porque temos Messi. Por isso é difícil fazer as mesmas coisas quando ele não está. Isso se viu no fim de semana no clube. Eu não me sinto na lista da Rússia 2018. [Jorge] Sampaoli foi claro conosco e disse que o único que está é o anão”, brincou Di María, se referindo a Messi.

“Eu amo jogar com Messi. O mais bonito é jogar com os melhores, com os extraterrestres. Às vezes o que acontece é que quando ele não está, todos queremos assumir o seu papel. Por isso, é muito difícil quando Leo não está na seleção”, afirmou ainda o meia do Paris Saint-Germain, em entrevista ao Fox Sports Radio.

Di Maria é um admirador de Messi, mas há algo que os separa: os clubes de infância. Quando perguntado se gostaria de jogar com Messi também em nível de clube. O jogador foi especulado no Barcelona quando Neymar estava prestes a completar a sua transferência para Paris. O argentino do PSG reconheceu que tem sim essa vontade, mas isso não será no final da sua carreira. E é fácil entender as razões.

“Minha ideia é me aposentar jogando pelo Rosario Central”, afirmou Di Maria. O meia é fanático pelo clube pelo qual estreou profissionalmente, a ponto de ter uma tatuagem do Central. O Rosario Central é justamente o principal rival do clube que teve Messi em seus primeiros anos de base, ainda criança, e pelo qual o jogador do Barcelona torce: o Newell’s Old Boys.