Que a temporada do Manchester United não está sendo grande coisa a gente sabe. Sétimo lugar na Premier League, futebol bem meia boca, lesões. Sabemos que a vida sem Alex Ferguson é duríssima. Não se substitui uma lenda tão facilmente, mas é fato que se esperava muito mais do Manchester United. A falta de bom futebol e especialmente de resultados em campo, que pode resultar em uma história ausência na próxima edição da Liga dos Campeões, já faz os dirigentes se coçarem. No dia que foi divulgado o balanço parcial do clube, um diretor garantiu: o clube irá ao mercado com mais força do que foi nas últimas janelas.

O anúncio de um aumento de 11,6% das receitas no último trimestre de 2013, chegando ao valor de € 150 milhões, trouxe sorrisos aos executivos do clube e também uma certeza: será preciso investir para o nível do time voltar a ser competitivo com outras potências da Inglaterra e da Europa. Ed Woodward, o diretor executivo, fez questão de dizer que o Manchester United não irá negociar “um grande número de jogadores” na próxima janela de transferências, em julho, mas que haverá mais mudanças do que tem sido habitual. Woodward diz que uma grande mudança no elenco desestabilizaria o time, mas fez questão de dizer que as mudanças acontecerão.

“Nós não estamos com medo de ir ao mercado de uma maneira que não fizemos nos últimos anos”, afirmou o diretor executivo. “Historicamente, nós fizemos fazemos cerca de três vendas e três contratações a cada ano e é possível que vamos fazer mais do que isso. É uma situação dinâmica”, explicou o dirigente. “Nós não estamos na posição que queremos e estamos trabalhando duro para mudar isso. Nós iremos investir no nosso elenco o quanto é necessário para garantir que estejamos competindo no mais alto nível”, disse ainda Woodward. “Nosso foco é construir um elenco competitivo e brigar por títulos. Nós temos a capacidade de comprar jogadores para garantir que estaremos competindo em alto nível”.

A contratação de Juan Mata mostra que o time está mesmo empenhado. A contratação do espanhol bateu o recorde de dinheiro pago em uma transação na história do clube, € 44,73 milhões. Muitos jogadores deixaram o clube por empréstimo, como Wilfried Zaha, Federico Macheda, Anderson e Angelo Henríquez, por exemplo. Outros, como o lateral brasileiro Fabio, deixou a equipe em definitivo. A reformulação deve ser maior na próxima janela.

Uma das posições mais carentes do time, o meio-campo, teve investimentos. Marouane Fellaini chegou do Everton no último dia da janela de transferências do início de temporada, em agosto de 2013. O valor de € 32,4 milhões pago pelo jogador ainda não se justificou. Será, certamente, uma posição que o Manchester United precisará buscar um ou dois reforços. E não será a única, já que Nemanja Vidic deixará a equipe e há rumores que Rio Ferdinand pode se aposentar. Mesmo que ele continue, tem limitações físicas que o impedem de jogar com frequência.

Desde 1995 o Manchester United não fica fora da Liga dos Campeões. Woodward diz que a base de fãs da equipe não mudaria muito caso isso aconteça, mas o óbvio prejuízo financeiro impactaria, de alguma forma, o clube. São pelo menos € 8,6 milhões só por participar da fase de grupos, além dos direitos televisivos e dos resultados – € 1 milhão por vitória e € 500 mil por empate. O campeão pode faturar até € 37,4 milhões só em premiação.

Ficando fora da Liga dos Campeões, podemos esperar mesmo muita movimentação no mercado do Manchester United. E uma boa lista de jogadores negociáveis também. Afinal, alguma dúvida que Nani e Javier Chicharito devem deixar o clube?

Seja como for, o Manchester United viverá um mercado diferente do que passou nos últimos anos para a próxima temporada. Provavelmente em uma situação mais difícil – e talvez até fora da Liga dos Campeões.