Crescem cada vez mais as suspeitas e as surpresas sobre a profundidade do envolvimento das autoridades da Rússia com um programa de dopagem controlada destinado a esportistas do país. E neste domingo, um personagem comentou sobre as ligações já comentadas de tal programa com o futebol. Diretor de um laboratório de controle, Grigory Rodchenkov falou à agência Associated Press que o governo russo pediu a imunidade dos jogadores aos programas antidopagem.

O nome usado por Rodchenkov já é conhecido. Por meio de seu advogado, o diretor informou que o pedido partiu de Vitaly Mutko, recentemente saído da presidência do Comitê Organizador da Copa de 2018: “Quando era presidente da federação russa de futebol, Mutko me pediu proteção aos jogadores russos. Ele me disse diretamente para ‘evitar qualquer escândalo, escondendo resultados positivos’, e que ‘a dopagem seria controlada internamente’, querendo dizer que aqueles que se dopassem irresponsavelmente ou sem controle seriam disciplinados ou advertidos”.

Rodchenkov terminou reconhecendo seu envolvimento no processo: “Quando os resultados fossem positivos, não seriam mandados à WADA [agência mundial antidoping]”. E desdenhou da reação do presidente da FIFA, Gianni Infantino, pela qual a entidade já saberia, se jogadores russos estivessem envolvidos: “Há muita gente que ainda aparecerá”.