O Atlético Paranaense sequer lidera o seu grupo na Copa Libertadores e talvez não seja o melhor time do Brasil, mas a campanha dos comandados de Miguel Ángel Portugal no torneio continental é exatamente o que se esperava do terceiro colocado do último Campeonato Brasileiro.

O Atlético ganhou do Universitario, pior time da chave, duas vezes, bateu o The Strongest, em casa, e perdeu apenas do Vélez Sarsfield, na Argentina, um resultado absolutamente normal. A campanha é exatamente idêntica à dos argentinos, muito mais experientes em Libertadores. Os brasileiros estão fazendo a parte deles com muita competência.

Nesta quinta-feira, o clube vermelho e preto venceu os peruanos, em Curitiba, sem nenhuma dificuldade. O placar de 3 a 0 foi até conservador para refletir a superioridade dos anfitriões no Durival de Britto. Bruno Mendes abriu o placar rapidinho, aos 9 minutos, e Ederson poderia ter ampliado, aos 33, mas, mesmo sem goleiro, pegou muito mal na bola e chutou para fora. Um incrível gol perdido pelo artilheiro do último Brasileiro.

A vitória atleticana nunca esteve ameaçada. Com 16 minutos, Felipe saiu no contra-ataque pela esquerda e tocou na saída do goleiro. O resultado foi selado no fim do jogo quando Dalton recuou para o goleiro Carvallo, que furou o chute e deu a bola no pé de Ederson que, desta vez, não desperdiçou a oportunidade com o gol livre.

O Atlético Paranaense é muito mais time que o Universitario e mostrou isso em campo. É uma das razões de poder entrar na quarta rodada da fase de grupos mais tranquilo em relação a outros brasileiros, como o Flamengo, lanterna do Grupo 7, e o campeão brasileiro Cruzeiro, que já perdeu duas partidas e faz quarto jogo – muito decisivo – contra o Defensor, nesta quinta, no Mineirão.

A classificação ainda não está garantida. A tabela é cruel. O próximo duelo é o Vélez, também na Vila Capanema. Se o time brasileiro for derrotado e o The Strongest superar o Universitario – como deve acontecer -, o Atlético vai precisar decidir a vaga na altitude de La Paz. Mesmo assim, uma situação nada desesperadora para os curitibanos, que chegaram a estar a um pênalti de perder a chance de jogar a fase de grupos para o Sporting Cristal.