O Real Madrid x Juventus desta quarta-feira será um daqueles jogos sobre os quais as discussões nunca terminarão. Em um lance tão interpretativo quanto crucial, que foi o pênalti decisivo, não há tecnologia ou explicação que diminua as divergências. E os dois lados da moeda se estamparam nas capas dos principais jornais esportivos desta quinta-feira. Em Madri, como era de se esperar, o apoio à decisão em prol dos merengues. Já na Itália (e na Catalunha) as acusações sobre a idoneidade da arbitragem.

O Marca foi bastante contundente em seu posicionamento. A capa não é nem para falar sobre a vitória do Real Madrid, mas para garantir que, sim, “Foi pênalti”. Dizem que o árbitro acertou e que os merengues “passaram como sempre”. Também há a exaltação à frieza de Cristiano Ronaldo na cobrança. Já o As, mais brando, exalta a epopeia “do pânico à semifinal”. A resposta quanto ao pênalti está nas aspas, com Cristiano “não entendendo por que protestaram” e Buffon dizendo que “foi um décimo de pênalti” – e, portanto, é o suficiente para concluírem que foi.

Na Catalunha, ao que parece, os jornais ficaram mordidos pelo regozijo madrileno com a eliminação dupla de Barcelona e Guardiola na terça-feira. O Mundo Deportivo chama o Real Madrid de “mestre em arbitragem”, se classificando “fiel a seu estilo: com um pênalti muito duvidoso”. Mas nada mais gritante que o Sport, usando uma capa preta, recurso no jornalismo para tragédias e outros fatos de impacto. Chamam de “roubo do século”, a expulsão de Buffon é classificada como “escândalo” e o pênalti, como “invenção do árbitro”. Talvez uma maneira de afogar as mágoas e desviar o foco depois do ocorrido em Roma.

Por incrível que pareça, os italianos foram bem mais moderados que os catalães. Mas não tanto. O mais enérgico é o Corriere dello Sport, dizendo “Que roubo!”. Falam do pênalti inexistente e dão destaque também às falas de Buffon e do presidente Agnelli, afirmando que todos os clubes italianos são prejudicados com isso. Na Gazzetta dello Sport, o assunto é a “raiva e o orgulho” de uma “Juve furiosa”. Também destacam Buffon e Agnelli, evidenciando um conflito com o árbitro Michael Oliver e com Pierluigi Collina, membro do comitê de arbitragem da Uefa. Por fim, o Tuttosport diz que “Assim não!” a uma “Juve imensa que fica de fora”. Destacam a reação fantástica, brecada pelo pênalti controverso e pelo cartão vermelho a Buffon. Também relembram um reclamado pênalti sobre Juan Guillermo Cuadrado que não foi anotado na ida.