O empate em Wembley foi ruim para as pretensões do Tottenham. Fechando a maratona de jogos da Premier League na virada do ano, os Spurs pegavam o West Ham e esperavam encurtar distâncias para o Top Four. Dominaram completamente a partida, finalizando quase nove vezes mais (27 arremates a 3) que os visitantes. No entanto, a igualdade por 1 a 1 prevaleceu no placar, em noite na qual a felicidade dos chutes de Pedro Obiang e Heung-Min Son acabou sendo preponderante. Dois mísseis teleguiados rumo ao ângulo, que determinaram a beleza de um duelo ditado pelo “ataque contra defesa” durante os 90 minutos.

Desde o apito inicial, a tônica do dérbi londrino estava clara. O Tottenham atacava com vigor, enquanto o West Ham concentrava suas forças apenas em defender. Nos 45 minutos iniciais, os Spurs finalizaram 12 vezes e os Hammers sequer arriscaram a gol. Além disso, o time de Mauricio Pochettino acumulou 74% de posse de bola. Faltou passar pelo goleiro Adrián, em atuação inspirada. A defesa mais importante do espanhol aconteceu pouco antes do intervalo, em bomba desviada de Christian Eriksen que ele ainda conseguiu mandar por cima do travessão.

A cara do jogo não mudou muito no segundo tempo. O Tottenham pressionava, a zaga do West Ham se segurava e, quando necessário, Adrián salvava. A primeira finalização dos Hammers, contudo, transformou a partida. Ela só veio aos 25, mas com capricho: Obiang dominou na intermediária e, sorrateiramente, acertou o chute na veia. Um tiro seco em direção ao ângulo de Hugo Lloris, que nada pôde fazer. Daqueles gols para figurar nas listas de mais bonitos da temporada.

A desvantagem gerava mais pressa ao Tottenham e Pochettino gastou as suas três alterações. Ainda assim, contaria com a mesma fortuna do West Ham para conseguir o empate, aos 39 minutos. Son também resolveu experimentar de longe e mandou uma bola venenosa, cheia de efeito. Fazendo uma curva para fora, o arremate saiu do alcance de Adrián para morrer no ângulo. Outro golaço. Ao final, os Hammers até assustaram, em boa saída de Lloris. A pressão, todavia, continuava sendo dos Spurs. Prevaleceu a solidez defensiva do time de David Moyes, que merece os aplausos pela maneira como segurou o ímpeto dos anfitriões. A comemoração pelo resultado vinha de um lado só.

O tropeço deixa o Tottenham mais distante da zona de classificação à Liga dos Campeões. Os Spurs encerram a série de três vitórias consecutivas e chegam aos 41 pontos, na quinta colocação, a três do Liverpool. Já o West Ham segue na corda bamba em sua tentativa de se distanciar da zona de rebaixamento. Os Hammers acumulam 22 pontos, dois acima do Z-3. O placar em Wembley, de qualquer forma, vale como um triunfo aos visitantes.