Carson Yeung, dono do Birmingham City, clube da segunda divisão da Inglaterra, foi condenado a seis anos de prisão em Hong Kong por lavagem de dinheiro, segundo a BBC. O empresário, de 54 anos, não conseguiu justificar como cerca de € 66 milhões foram parar nas suas contas entre os anos de 2001 e 2007. Yeung é dono do Birmingham desde 2009.

“A sentença deve incluir um elemento de desencorajamento para desestimular aqueles que estão em posição de explorar o sistema. A lei cairá sobre eles com força total. Manter a integridade do sistema bancário é de suma importância, se Hong Kong quer manter-se como um centro financeiro internacional”, declarou o juiz Douglas Yau, que condenou o agora ex-dirigente do clube inglês.

A ascensão de Yeung chamou a atenção, já que ele passou de dono de salão de cabeleireiros em Hong Kong a um proeminente empresário, dono de um clube inglês que lhe custou £ 81,5 milhões (cerca de € 90 milhões na época). Ainda segundo a BBC, Yeung estudou no Reino Unido antes de tornar-se cabeleireiro em Hong Kong. Enriqueceu ao investir em Macau nos anos 1990 e como dono de propriedades em Hong Kong. Preso em 2011, sua condenação só foi sentenciada na segunda-feira, dia 3 de março, três anos depois da sua prisão. Ainda cabe recurso.

É bom lembrar que Yeung está afastado como dirigente do Birmingham desde o início deste mês de fevereiro. No dia 4, ele pediu demissão do cargo de presidente do clube, diretor do Birmingham plc e do cargo de diretor e presidente da empresa que dirige o clube, a Birmingham International Holdings Ltd (BIHL). A Football League se disse satisfeita com as medidas que o clube tomou desde o pedido de demissão do dirigente. Ele continua como acionista, mas não tem mais qualquer cargo diretivo. Um representante da associação dos torcedores do Birmingham disse que espera que o clube entre em uma nova fase a partir de agora.

É mais um episódio de como essa falta de controle sobre as finanças dos clubes na Inglaterra é perigosa. São diversos clubes com donos estrangeiros e sem qualquer tipo de fiscalização quanto às origens do dinheiro. É verdade que a Football League (que controla a segunda, terceira e quarta divisões) e a Premier League (a primeira divisão do país) atualmente tentam controlar um pouco mais a situação dos clubes para evitar que os clubes quebrem financeiramente tão facilmente – porque isso prejudica a liga, mais do que por qualquer avaliação moral. É só mais um caso para os ingleses abrirem o olho. Aceitar dinheiro sem olhar a quem é sempre um risco.