Apenas duas vezes, em 63 anos de Champions League e Copa dos Campeões, dois jogadores do mesmo time marcaram dez gols em uma única edição do principal torneio europeu. A primeira ocasião em que isso aconteceu foi em 2014/15, com Messi e Neymar pelo Barcelona. A segunda está acontecendo agora: com dois tentos cada no 5 a 2 sobre a Roma, Salah e Firmino chegaram a uma dezena na atual temporada da Champions. 

LEIA MAIS: Deixando as desconfianças para trás, Henderson entregou uma atuação digna do capitão do Liverpool

Ainda na era Copa dos Campeões, quando, pelo formato, havia menos partidas a disputar, mas mais equipes fracas nas primeiras rodadas, apenas uma equipe chegou perto desta marca. Em 1964/65, Eusébio e José Augusto Torres fizeram nove gols cada um pelo Benfica. Pós-Champions, mesmo com mais duelos na tabela, Neymar e Messi foram os primeiros. Salah e Firmino, os segundos. 

Isso é resultado de um ataque avassalador do Liverpool. A partir da fase de grupos, a equipe de Jurgen Klopp marcou 38 gols em 12 partidas. Cortesia de dois 7 a 0 na fase de grupos, contra Spartak Moscow e Maribor, e de cinco gols por eliminatória no mata-mata, e isso porque a semifinal ainda está pela metade. 

Firmino já havia pulverizado o recorde de Steven Gerrard e Roger Hunt, antigos maiores artilheiros de uma única campanha europeia do Liverpool, com sete gols cada. Agora, ele e Salah ampliam essa marca com dez gols cada e ainda (pelo menos) uma partida pela frente.

Além dos tentos, ambos deram duas assistências na partida. Firmino criou os gols de Salah e chegou a sete passes diretos. Está atrás apenas do companheiro James Milner, líder da tabela de garçons com nove. O egípcio serviu Mané e o próprio Firmino. Tem quatro assistências.

Os dois gols da Roma no fim deixaram o confronto aberto para a partida de volta, no Olímpico, mas, com esse poder de fogo, Eusébio di Francesco precisa fatorar pelo menos um ou dois tentos do adversário no seu plano de jogo.