Para alguns, pode até parecer um exagerado “oba-oba”. Mas só conhecendo o que as competições continentais significam ao Olympique, e o que o Olympique representa a Marselha, para entender o transe coletivo que aconteceu nesta quinta-feira, na saída do Vélodrome. A vitória por 2 a 0 sobre o Red Bull Salzburg, sim, foi muito boa aos celestes. Estão a um passo da decisão da Liga Europa, embora certamente saibam dos perigos no jogo de volta. Só que alguns tipos de êxtase não se contém no peito. É o que se viu nos arredores do estádio, logo após a partida. Uma multidão de marselheses vibrava como se aquele fosse um dos maiores momentos de suas vidas. E para uma geração de torcedores, os mais jovens, de fato é. Já para outras tantas, a sensação alheia por mais de uma década.

A questão era mais do que comemorar o resultado positivo. Isso servia de pretexto. Tornou-se uma ocasião para exibir com orgulho a paixão e a identidade que transformam o Olympique de Marseille em um clube particular. A imagem da multidão cantando, em meio a alguns sinalizadores, tem um efeito magnético. Independentemente do que aconteceu até aqui, já valeu por tudo. Mas certamente será ainda mais impressionante se os marselheses seguirem um pouco mais ao norte dentro de algumas semanas, rumo a Lyon, onde ocorrerá a final.