Clubes brigando contra o rebaixamento, em meio a uma sequência terrível de resultados, precisam de mudanças drásticas e, neste cenário, a corda costuma sempre estourar para o lado do treinador. Quantas vezes você já ouviu que é mais fácil trocar o técnico do que o elenco inteiro? O West Brom decidiu ir por outro caminho: na lanterna da Premier League, demitiu o presidente John Williams e o principal executivo Martin Goodman.

LEIA MAIS: Chelsea faz 3 a 0 no West Brom, mas ainda sem passar muita confiança

A decisão foi tomada pelo dono chinês Guochuan Lai, insatisfeito com as recentes decisões da cúpula do futebol, que deu um novo contrato para Tony Pulis, em agosto, apenas para demiti-lo três meses depois. Escolheu o experiente Alan Pardew para tentar salvar a temporada, mas, até agora, os resultados têm sido terríveis.

Apesar de eliminar o Liverpool na Copa da Inglaterra, o West Brom derrotou apenas o Brighton nas últimas 25 (!) rodadas do Campeonato Inglês. É o único triunfo desde os dois primeiros jogos. A última derrota foi na segunda-feira, por 3 a 0, para o Chelsea. Na oitava temporada seguida na Premier League, o clube ocupa a lanterna com apenas 20 pontos. O primeiro time fora da zona de rebaixamento é o Huddersfield, com 27.

“Essas mudanças acontecem por causa dos resultados ruins do West Brom nesta temporada, que atualmente colocam o clube na lanterna da Premier League”, disse o clube, em um comunicado, sem sentir nenhuma necessidade de disfarçar. Um porta-voz agradeceu os serviços dos dois, que serão sucedidos por Mark Jenkins, que foi executivo chefe do clube durante 10 anos, até novembro de 2016. Já havia retornado como diretor da empresa que controla as ações do West Brom.