Para motivar o elenco do Mallorca a lutar contra a queda para a terceira divisão espanhola, um conselheiro do clube ofereceu € 100 mil de bonificação a serem divididos entre os atletas no caso da permanência na segundona. Coisa comum no futebol. O diferente mesmo foi a postura dos jogadores, que, a três rodadas do fim do campeonato, se comprometeram a destinar todo o dinheiro aos empregados do clube, como os roupeiros, os cozinheiros e os faxineiros.

No meio da semana, Emilio Nsue, um dos capitães da equipe, revelou a decisão do elenco durante entrevista coletiva. “(Os funcionários) Passam muito tempo ao nosso lado, e sabemos que seus salários caíram nos últimos dois anos. Comentamos esse tema no grupo e entramos em acordo para agradecer ao Claassen (conselheiro que ofereceu o bônus) por este gesto e dizer que aceitamos a premiação, para cedê-la a todos os empregados do clube”, explicou Nsue.

O gesto dos jogadores é bastante louvável, mas, para conseguirem dar esse agrado aos funcionários, precisarão, primeiro, reverter a péssima fase vivida pela equipe. Atualmente, o Mallorca está a apenas uma posição da zona de rebaixamento, com um ponto a mais que o Alavés, primeira das equipes no Z4. Há oito jogos sem vencer, incluindo nessa conta cinco derrotas, o time está em queda constante. Pelo menos agora terão um apoio ainda maior de dentro do próprio clube. Ou alguém duvida que a comida ficou mais saborosa, e os vestiários do CT, mais limpos?