A segunda divisão do Campeonato Inglês atravessa um momento decisivo. E a antepenúltima rodada contou com uma série de resultados importantes. O Wolverhampton se sagrou campeão neste sábado, é verdade, mas a comemoração dos Lobos é o menos interessante, em meio a tudo o que aconteceu. A briga pelo acesso direto anda ferrenha – entre Fulham, Cardiff City e Aston Villa. Mais abaixo, há um verdadeiro tiroteio pelos playoffs. E o descenso também começou a se desenhar, com a esperada queda do Sunderland, talvez a grande decepção entre as quatro divisões profissionais da Inglaterra na temporada.

O Sunderland vinha de uma temporada claudicante na Premier League, em que acabou rebaixado com sobras. Consumou um descenso que o clube já vinha namorando ao longo dos últimos anos. Ainda assim, considerando as possibilidades financeiras, esperava-se que os Black Cats pudessem fazer um papel ao menos decente na Championship. Não foi o que aconteceu. Ainda que muitos destaques tenham saído, aparentemente os alvirrubros possuíam um elenco competitivo para a segundona. Todavia, a falta de resultados foi um problema crônico desde o início da campanha, sobretudo no Stadium of Light. E os esboços de uma reação foram bem tímidos, limitados a um curto período na virada dos turnos, que não se sustentou. O destino era mesmo a League One.

Neste sábado, o rebaixamento se confirmou dentro do esvaziado Stadium of Light – ao menos, sem a presença de possíveis invasores do Newcastle. O Sunderland fazia confronto direto com o Burton, uma posição acima na tabela. E foi um jogo completamente insano. Os Black Cats saíram em vantagem no primeiro tempo, Paddy McNair. Já na segunda etapa, o eterno Darren Bent empatou aos 41 e Liam Boyce decretou a virada por 2 a 1, quando o relógio marcava 47. Detalhe é que os alvirrubros ainda chegariam a anotar o segundo gol aos 52, mas o possível empate acabou anulado por um toque de mão.

Cair à terceira divisão não é o fim do mundo ao Sunderland. Há exemplos de clubes de costumeira presença na Premier League que desceram à League One e conseguiram se reerguer – com o exemplo mais evidente do próprio Wolverhampton. No entanto, considerando a representatividade dos Black Cats, não deixa de ser um duro golpe. É um clube que passou anos na corda bamba e continuou tomando decisões contestáveis à frente de seu futebol. A aposta derradeira em Chris Coleman, técnico que fez história à frente de Gales na Eurocopa, acabou sendo um tiro no escuro. Não havia milagre possível, considerando as debilidades do time. E há a expectativa de exista uma mudança profunda na administração do clube, com a ingerência do dono americano Ellis Short considerada como uma das principais razões à queda livre.

E se o Sunderland lamenta, o Burton comemora demais o resultado. Afinal, o triunfo cardíaco deixa o time de Nigel Clough com 38 pontos, ao lado do Barnsley, ambos a dois pontos de sair da zona de rebaixamento. Primeira equipe acima do Z-3, o Bolton é justamente o próximo adversário do Burton, em partida que acontece na casa dos aurinegros. Seria um feito e tanto, a um clube que opera com orçamento bastante inferior à maioria dos concorrentes na Championship. Já o Bolton quer evitar a League One, de onde ascendeu na temporada passada.

O Bolton, aliás, permitiu que o Wolverhampton colocasse a faixa. O time de Nuno Espírito Santo goleou os Whites por 4 a 0 no Estádio Macron. Barry Douglas, Benik Afobe, Diogo Jota e Conor Coady anotaram os gols que selaram a festa. Os Lobos somam 98 pontos. Logo abaixo, indefinição quanto a segunda vaga direta.

O Cardiff atualmente ocupa este posto, com 86 pontos, após bater o Nottingham Forest por 2 a 1. Também possui um jogo a menos, mas terá um compromisso difícil nesta partida atrasada, encarando o pressionado Derby County fora de casa. Na terceira colocação, o Fulham soma 85, após enfiar 3 a 0 no Millwall. Já o Aston Villa corre por fora, com 82. Neste sábado, os Villans golearam o Ipswich por 4 a 0.

Neste cenário, sobram outras dois lugares nos playoffs, que definirão o terceiro promovido. E a pancadaria está instaurada, com sete times separados por apenas seis pontos. O Middlesbrough é o único relativamente tranquilo, com 72. Mais abaixo, uma luta figadal: Millwall tem 69; Derby County e Brentford, 68; Preston North End, 67; e Bristol City e Sheffield United, 66. O resultado mais importante foi do próprio Boro, que fez 2 a 1 sobre o Derby County fora de casa. Mas o grande jogo aconteceu mesmo entre o Bristol City e o desinteressado Hull: placar de 5 a 5 em Ashton Gate. Os anfitriões abriram 4 a 2 aos 19 do segundo tempo, mas os Tigres arrancaram a inacreditável virada aos 42, com três gols consecutivos. Então, a salvação atendeu pelo nome de Joe Bryan, buscando nova igualdade aos 49 e dando um alívio aos torcedores do Bristol.

PS: Os acessos ocorridos nas outras divisões do Campeonato Inglês serão assunto em outro texto deste sábado.