Faltam sete rodadas para terminar a Série A. A Juventus tem oito pontos de vantagem sobre o Milan e está com a faca e o queijo na mão para conquistar seu 29º Scudetto. Ainda assim, se deixar o título escapar, há quem diga que não haverá problemas. Isso, é claro, só se a Vecchia Signora conquistar seu terceiro título da Liga dos Campeões.

Um dos que defende essa tese é o volante Émerson. “Nosso objetivo nesta temporada é conquistar a Liga dos Campeões. É a grande vontade da torcida e do clube”, afirmou o meio-campista, em entrevista à Trivela, na véspera do confronto contra o Arsenal pelas quartas-de-final.

Foi Émerson, aliás, o responsável pela sofrida classificação da Juve sobre o Werder Bremen, com um gol nos últimos minutos do jogo. “Seria uma surpresa se fôssemos eliminados por eles. Nosso time parece se ligar apenas contra adversários mais tradicionais, como o Real Madrid e, agora, o Arsenal.”

Pelas características do rival das quartas-de-final, o volante tem consciência sobre seu papel no time. “Eles jogam apenas com o Henry na frente. Praticamente todos os outros jogadores ofensivos vêm de trás, o que aumenta minha responsabilidade.”

Apesar de ter um dos times mais fortes do planeta, porém, Émerson aponta o Barcelona como o favorito ao título da LC. “Mas a gente sabe que pode acontecer de tudo.”

Confira a entrevista com o volante da Juventus e da seleção Brasileira

Faltam sete rodadas para o término do Campeonato Italiano e a Juventus tem oito pontos de vantagem. Pelo que você conhece da Série A, você acha que Milan e Inter têm alguma chance de tirar o título de vocês?
Chance tem. Afinal, ainda tem 21 pontos em disputa e estamos apenas oito pontos na frente. Além disso, temos um calendário mais difícil que o Milan, por exemplo. Eles têm apenas o clássico, que é o jogo mais complicado para eles. Depois não são tantos jogos decisivos assim, enquanto nós temos ainda a Lazio, a Fiorentina e também alguns jogos fora de casa contra equipes que lutam contra o rebaixamento. Nosso principal objetivo nesta temporada é conquistar a Liga dos Campeões. Isso foi definido no início da temporada e é o que a torcida e o clube mais esperam da gente. Por outro lado, esses oito pontos são uma vantagem muito boa. Não podemos deixar a Série A nos escapar. Temos que ganhar esse campeonato de qualquer maneira.

Por que a Juventus domina na Itália e não o faz com a mesma supremacia na Liga dos Campeões?
Talvez porque na Liga dos Campeões os jogos são bem mais difíceis. É mais fácil o campeonato italiano, em que você tem um ano para decidir o título, enquanto na LC sua sorte é definida em apenas dois jogos. Se num momento você não está bem, como aconteceu conosco, quando quase saímos contra o Werder Bremen. Pode até ser uma equipe que está bem no campeonato alemão, mas seria um surpresa. Até mesmo o Liverpool ganhou um campeonato. Nós, contra eles, perdemos por 2 a 1 fora de casa e tivemos a chance de vencer em casa. Precisávamos apenas de um gol e tivemos diversas chances, mas não conseguimos fazer nenhum. E eles acabaram se classificando.

Depois do sufoco que foi passar para as quartas-de-final contra o Werder Bremen, o que você espera do confronto contra o Arsenal na próxima semana?
Não vai ser nada fácil. É uma ótima equipe, que tem ótimos jogadores, além de costumarmos ir melhor quando temos jogos contra equipes mais tradicionais, que em que precisamos prestar mais atenção. Um exemplo foi o jogo contra o Real Madrid no ano passado. Perdemos o primeiro fora de casa por 1 a 0 e precisávamos vencer por dois de diferença – o que conseguimos. Você tem mais responsabilidade, precisa ter mais atenção. A equipe se pressiona. Acho que por nosso adversário ser o Arsenal vamos jogar melhor que contra o Werder Bremen.

Na temporada inglesa, ficou claro que o segredo para vencer o Arsenal é congestionar o meio-de-campo. Isto significa que você e o Vieira terão bastante trabalho. O Capello preparou algum esquema especial para esse jogo?
Acho que não. Acredito que nosso sistema de jogo não vá mudar tanto. Nosso único problema é a ausência do Nedved, que está suspenso. De fato, o jogo vai ser todo no meio-campo. Eles jogam apenas com um atacante – o Henry, que fica isolado lá na frente – e todo mundo vem de trás, do meio-de-campo.

De alguma maneira o Vieira, que jogou lá, vai ser um ponto a favor de vocês?
Com certeza. Antes do jogo ele deve dar algumas dicas para a gente na preleção.

Como é, para você, jogar ao lado do Vieira, que é considerado um dos maiores volantes do futebol mundial?
Para mim, a chegada dele aqui foi ótima. É alguém com quem posso dividir as responsabilidades no meio-de-campo. Agora fica 50-50 para cada um. É bom saber que você tem alguém com tanta responsabilidade quanto você ao seu lado. Aqui na Juventus, aliás, pelo fato de todos os jogadores serem titulares de suas seleções, dá para dividir melhor as obrigações.

Quem, na sua opinião, é o favorito ao título europeu?
Hoje o Barcelona está jogando muito bem e é a equipe mais completa. Além disso, tem hoje o melhor jogador do mundo – e o Ronaldinho tem feito a diferença. Acho que eles são os favoritos, mas a gente sabe que pode acontecer de tudo.

Fotos: Agência CBF