A Copa de 2006 nem começou, e a controvérsia em seu entorno já está valendo. Bahrein e Uzbequistão empataram em Bahrein, resultado que dá à equipe da casa uma vaga nos play-offs da Copa – contra uma equipe da Concacaf. Como o jogo de ida fora um empate em 1 a 1, o Bahrein levou vantagem pelos gols marcados fora de casa. Aí é que vem a confusão.

O primeiro jogo entre as duas equipes, no Uzbequistão, terminou em 1 a 0 para a equipe da casa. O problema é que, quando o placar já havia sido aberto, os uzbeques tiveram um pênalti a seu favor. No momento da cobrança, houve invasão da área. Ao invés de mandar repetir a cobrança, o árbitro deu falta para o Bahrein.

O Uzbequistão reclamou, e se deu mal. A confederação asiática mandou repetir o jogo, sob protestos dos uzbeques, que diziam que haviam sido prejudicados mas que com a anulação poderiam ser ainda mais. Eles queriam que a partida fosse jogada de novo a partir do momento do pênalti. O jogo foi disputado de novo desde o começo e, desta vez, o placar foi de 1 a 1.

A confusão está formada, já que, se o primeiro jogo tivesse sido 1 a 0, o Uzbequistão se classificaria com o empate em 0 a 0. É claro que ninguém garante que, nessas circunstâncias, o jogo terminasse com o mesmo placar. Mas ninguém garante também que não terminaria.