É curioso dizer que o Brasil jogou bem em um 0 a 0 com a Bolívia, mas foi isso o que aconteceu em La Paz nesta quinta-feira. Jogar na altitude não é exatamente fácil para a seleção, historicamente. Em jogos de Eliminatórias da Copa, são sete jogos, com duas vitórias, três derrotas e dois empates. O Brasil, com Neymar se destacando, esteve fisicamente e tecnicamente bem, falhando nas finalizações. Méritos para Carlos Lampe, goleiro boliviano, que foi crucial para manter o empate.

LEIA TAMBÉM: O Hampden Park cantou alegre com a reação da Escócia

O Brasil começou escalado com todos os seus titulares, inclusive a volta de Philippe Coutinho ao time titular, no lugar de Willian, que ficou no banco. Inclusive com Renato Augusto, quem mais parece candidato a perder a vaga no 11 inicial, depois de bons momentos com Willian e Coutinho juntos. Mas Tite optou por manter a sua formação base e, claro, fazia muito sentido. Em um jogo que seria importante ter controle no meio-campo, Renato Augusto pode ser fundamental.

No fim, Renato Augusto acabou não sendo exatamente fundamental, mas o Brasil fez sim uma boa partida. Foram muitas e muitas chances criadas, obrigando o goleiro a fazer muitas defesas. Entre os titulares ausentes, fez falta Marcelo, lateral pela esquerda, substituído nesta partida por Alex Sandro, que fez jogo discreto.

No primeiro tempo, foram três chances de gol do Brasil, frente a frente com o goleiro. Neymar, em uma delas, chutou três vezes, tirando do goleiro, para ver a bola ser tirada em cima da linha. Já no início da segunda etapa, Neymar cobrou falta para dentro da área e Paulinho deu toque de primeira, pelo alto, na trave. Era a tônica do jogo.

Neymar foi, de longe, o jogador mais ativo do Brasil. Por várias vezes tentou partir para cima da marcação e teve algumas chances de finalização. O Brasil teve a posse de bola e, pode-se dizer, o controle do jogo. Por isso, sofreu pouco defensivamente. Foram poucas as chances para os bolivianos ameaçarem de verdade o gol de Alisson.

A seleção brasileira conseguia se poupar em campo, acelerando por vezes no ataque, mas tentando controlar mais a partida. O maior mérito foi justamente ter conseguido fazer isso sem sofrer em praticamente nenhum momento. O Brasil fez Lampe ter muito trabalho e Gabriel Jesus, o camisa 9 brasileiro, também teve suas chances. Em uma delas, no segundo tempo, o goleiro interveio de maneira incrível em cabeçada do centroavante brasileiro.

Quem sofreu foi a Bolívia, que via o seu goleiro, Carlos Lampe, fazer uma partida sensacional. Foram várias defesas, algumas bem difíceis. No total, foram 10 defesas do arqueiro boliviano, que deixa o campo como o melhor da partida. Se não fosse por ele, certamente o Brasil teria vencido.

Philippe Coutinho não conseguiu ter uma boa atuação e deixou o campo, cansado, aos 20 minutos do segundo tempo. Willian entrou no seu lugar. Mais tarde, foi ia vez de Paulinho deixar o campo para dar lugar a Fernandinho. No primeiro tempo, Thiago Silva teve uma lesão e deixou o campo, substituído por Marquinhos. Justamente no jogo que Tite queria fazer Thiago Silva e Miranda jogarem juntos para ganharem mais entrosamento.

Na partida de terça-feira contra o Chile, no Allianz Parque, Tite provavelmente fará mais alterações na equipe, seja no time titular, seja nas alterações. Até porque ele já anunciou que o goleiro Ederson será titular. É possível que ele dê outras chances a mais jogadores, ao menos durante o jogo.

Com tantos novos convocados, seria até desejável que Tite desse espaço a mais jogadores, já que precisa observá-los em campo. Ou, ao menos, em um jogo, já que em campo o técnico já observa nos treinos.