A reação do Chelsea na reta final da Premier League mantinha as esperanças. Os Blues ensaiavam superar o Liverpool e garantir seu lugar na próxima Liga dos Campeões. O tropeço contra o Huddersfield no meio da semana, entretanto, impediu que o time de Antonio Conte dependesse apenas de si. E a rodada final acabou sendo desastrosa aos londrinos. Enquanto o Chelsea perdia para o Newcastle em St. James’ Park, com um inapelável placar de 3 a 0, o Liverpool não tomou conhecimento do Brighton, assegurando para si a última vaga na Champions. Goleada por 4 a 0 que também valeu o recorde absoluto a Mohamed Salah como maior artilheiro de uma edição da Premier League, desde que o torneio passou a ser disputado por 20 times.

O Liverpool dominou completamente a partida de Anfield, não precisando fazer muito esforço para derrotar o Brighton. Salah abriu o placar aos 26 minutos, em bola espetada que ele complementou rasteiro. O artilheiro chegou aos 32 gols, isoladamente o maior goleador da liga a partir de 1995/96, superando as marcas anteriores de Alan Shearer, Cristiano Ronaldo e Luis Suárez. Antes do início da rodada, o egípcio também ganhou o prêmio de melhor jogador da Premier League, este entregue pela própria organização da liga – antes, havia recebido o da PFA. Por fim, na saída de campo, recebeu a Chuteira de Ouro, representando a artilharia.

Pouco antes do intervalo, o Liverpool ampliou, em cabeçada firme de Dejan Lovren. Já no segundo tempo, os Reds tiraram o pé do acelerador e ainda assim conseguiram ser fatais nas poucas finalizações. Salah também atuaria como garçom, dando o passe para que Dominic Solanke deixasse o dele aos oito minutos. Por fim, Andrew Robertson fechou a conta aos 40, aproveitando uma sobra de bola dentro da área. Apesar dos riscos, acabou sendo uma tarde pouco problemática ao time de Jürgen Klopp. Agora, é se concentrar na decisão da Liga dos Campeões.

O Chelsea, por sua vez, foi uma decepção total. O empate com o Huddersfield dentro de casa parece ter afetado os ânimos da equipe e Antonio Conte entrou com vários jogadores que não são titulares. Assim, a despedida na Premier League não poderia ser mais frustrante, com os Blues sendo presa fácil ao Newcastle. Os Magpies tiveram menos posse de bola e, mesmo assim, dominaram o jogo ofensivamente, com quase o triplo de finalizações dos londrinos. No primeiro tempo, em que os visitantes não deram um chute a gol sequer, Dwight Gayle abriu o placar. Já a segunda etapa terminou abrilhantada por Ayoze Pérez, autor de dois gols, além do goleiro Martin Dúbravka, que evitou um golaço de Olivier Giroud que renderia o empate. Nas arquibancadas, muitas homenagens dos alvinegros a Rafa Benítez – de passagem anterior tão contestável por Stamford Bridge, mas que faz um bom trabalho de reafirmação no nordeste do país.

O Liverpool terminou a Premier League na quarta colocação, com 75 pontos. Já o Chelsea estacionou nos 70. Esta é a primeira vez desde 2001/02 que os Blues, se classificando aos torneios continentais, vão apenas à Liga Europa. Vale lembrar que o clube de ausentou das disputas na temporada passada, enquanto conquistou a Liga Europa em 2012/13 ao ser remanejado da fase de grupos da Liga dos Campeões. Sabor agridoce a quem fez tanto na temporada passada. A final da Copa da Inglaterra será a última oportunidade para que Antonio Conte não deixe uma impressão negativa em seu provável adeus em Stamford Bridge.

PS: Outros temas relacionados à Premier League serão tratados em mais textos ao longo da tarde. Aguardem =)