Até parecia algo previamente combinado: ao longo da noite, entre os sorteios das próximas edições da Libertadores e da Copa Sul-Americana, os papeizinhos insistiram em colocar frente a frente brasileiros e argentinos. Serão três duelos na primeira fase da Sul-Americana, os três mais pesados desta etapa. Além disso, cinco dos seis representantes do Brasil na fase de grupos Libertadores irão encarar algum time da Argentina em sua chave. A exceção fica para o Grêmio, que, antes disso, decide a Recopa contra o Independiente.

O mais interessante é que estes diversos Brasil x Argentina possuem um amplo histórico nos torneios internacionais. Dos nove embates que já determinados, apenas Atlético Paranaense x Newell’s Old Boys é inédito. Todos os outros oito aconteceram ao menos uma vez em competições oficiais. Abaixo, relembramos brevemente este histórico, também com um vídeo de uma partida notável deste rico passado.

Flamengo x River Plate

Os confrontos mais importantes aconteceram na Copa Libertadores de 1982. Por ser o atual campeão, o Flamengo entrou diretamente em um dos triangulares semifinais e atropelou o River Plate com duas vitórias, embora a vaga na decisão tenha ficado com o Peñarol. Ocorreram ainda dois embates pela Supercopa no início dos anos 1990, com uma classificação para cada lado nos pênaltis. Mas o ano mais marcante foi 2000, com quatro partidas pela Copa Mercosul. Os Millonarios, que já tinham se dado melhor na fase de grupos, eliminaram os rubro-negros nas quartas de final. Destaque para o jogaço de volta no Monumental, repleto de estrelas, com a vitória dos argentinos por 4 a 3 em noite de golaços.

Cruzeiro x Racing

Durante os anos 1980 e 1990, foi bastante comum que as camisas azuis se cruzassem nas competições continentais, em jogos concentrados na antiga Supercopa. E Cruzeiro x Racing até decidiu a taça em duas ocasiões. Em 1988, a Academia se deu melhor, em time no qual brilhavam Ubaldo Fillol e Rubén Paz. Já o troco aconteceu em 1992, com direito a uma inesquecível goleada por 4 a 0 no Mineirão, com Roberto Gaúcho liderando a Raposa. O duelo ainda esteve às portas de decidir uma Libertadores, mas o Racing caiu diante do Sporting Cristal na semifinal de 1997.

Santos x Estudiantes

Duas potências da Libertadores, Santos e Estudiantes nunca se cruzaram por competições da Conmebol. O único jogo por um torneio oficial se materializou em 1969, na efêmera Recopa Intercontinental – certame que reunia os campeões do Mundial Interclubes da América do Sul e da Europa. Campeão da primeira edição superando a Inter em Milão, o Peixe não suportou o Estudiantes, que então começava a dominar o continente. Os pincharratas venceram por 3 a 1 o jogo realizado em La Plata, em duelo que teve Pelé e “La Bruja” Verón.

Corinthians x Independiente

Todos os jogos anteriores ocorreram pela fase de grupos da Copa Mercosul. Em 1999, o Independiente ganhou as duas pelejas, ambos os times se classificaram, e ambos acabaram eliminados nas quartas de final. Já em 2001, o Corinthians teve um pouco mais de felicidade. Derrotou o Rojo por 2 a 1 em São Paulo, apesar da derrota em Avellaneda. Os alvinegros cairiam nas semifinais para o San Lorenzo, justamente o algoz de dois anos antes.

Palmeiras x Boca Juniors

A Libertadores recheou-se com grandes encontros de Palmeiras e Boca Juniors. Os primeiros jogos aconteceram na fase de grupos de 1994, com destaque para a goleada alviverde por 6 a 1, em atuação espetacular de Mazinho. Quatro anos depois, o Palmeiras também derrubaria o Boca nas quartas de final da Mercosul. Por fim, as lembranças mais vivas vieram entre 2000 e 2001, com os boquenses pavimentando o caminho do bicampeonato na competição. Primeiro, a final de 2000, com Óscar Córdoba se agigantando na disputa por pênaltis. Um ano depois, mais uma vez as penalidades selariam a comemoração em azul y oro, com triunfo dos xeneizes na semifinal antes de derrotarem o Cruz Azul na decisão.

Atlético Mineiro x San Lorenzo

Em tempos competitivos para os dois clubes internacionalmente, Atlético Mineiro e San Lorenzo se enfrentaram duas vezes antes, pela fase de grupos da Copa Mercosul de 2000. E foram duas partidas bastante movimentadas, em um período no qual o Galo vinha do vice no Brasileirão e o Ciclón ambicionava sua primeira taça além das fronteiras. Os mineiros se deram bem no Nuevo Gasómetro, com o triunfo emocionante por 4 a 3. Já em Belo Horizonte, melhor para os cuervos, vencendo por 3 a 2. Apenas o Atlético avançou aos mata-matas, eliminado pelo Palmeiras na semifinal.

São Paulo x Rosario Central

Um ano antes de reconquistar a América, o São Paulo fez um embate cardíaco com o Rosario Central nas oitavas de final da Libertadores de 2004. Os canallas venceram por 1 a 0 no Gigante de Arroyito, gol de Gonzalo Belloso. Já no Morumbi, embora Germán Herrera tenha aberto o placar nos primeiros minutos, Grafite saiu do banco para determinar a vitória por 2 a 1. A disputa seguiu para os pênaltis, com Rogério Ceni convertendo a sua cobrança e pegando duas, inclusive do goleiro Gaona, que levou para as alternadas e possibilitou a vitória por 5 a 4. O Tricolor cairia nas semifinais, contra o Once Caldas.

Grêmio x Independiente

Os dois clubes já duelaram por quatro competições diferentes da Conmebol. O jogo mais importante, obviamente, ocorreu na final da Libertadores de 1984, em que o Rojo evitou o bicampeonato tricolor para chegar à sua sétima conquista continental. Também se pegaram por Supercopa e Mercosul, ambos em fases inciais. Já a maior coincidência acontece mesmo na Recopa. Exatos 22 anos depois, Grêmio e Independiente voltaram a faturar as taças mais importantes da América do Sul, protagonizando o embate extra. Em 1996, melhor para o Grêmio de Felipão, que enfiou 4 a 1 nos alvirrubros. Jardel, Carlos Miguel, Adílson e Paulo Nunes fizeram os gols da partida, disputada no Japão. Desta vez, a Recopa será realizada em partidas de ida e volta.