Foram definidos nesta sexta-feira, em Zurique, os três confrontos da repescagem européia para a Copa do Mundo. Na última chance de garantir um lugar no Mundial, a Espanha enfrentará a Eslováquia, a Suíça pegará a Turquia e a Noruega jogará contra a República Tcheca. Os jogos de ida serão em 12 de novembro, com a volta programada para o dia 16.

Além das três vagas européias, restam ainda as repescagens de Concacaf x AFC (Trinidad e Tobago x Bahrein) e Conmebol x OFC (Uruguai x Austrália).

Eslováquia x Espanha

Para Luís Aragonés, a Eslováquia foi a pior escolha para a Espanha. “Fisicamente é uma equipe que se movimenta bem sem a bola e luta o tempo todo por sua posse. Porém, acredito que somos superiores”, declarou logo após o sorteio.

O fato de jogar a partida de volta fora de casa desagradou bastante ao treinador da Fúria. “A partida em casa será muito importante, porque em Bratislava, com sua torcida, cresce. A torcida deles é muito apaixonada. Além disso, no campo em que atuam habitualmente, a arquibancada fica muito perto do gramado”, comentou.

De acordo com Dusan Tittel, secretário-geral da Federação Eslovaca, o fato de decidir com a Espanha em casa é uma vantagem, mas, para ele, os ibéricos ainda são os favoritos. “Para nós está claro que eles são o principal time de todo o sorteio.”

República Tcheca x Noruega

Para o confronto entre República Tcheca e Noruega, a principal novidade deve ser o retorno de Pavel Nedved 13 meses após sua aposentadoria da seleção. O meio-campista da Juventus já até se colocou à disposição do técnico Karel Brückner. “Ninguém me chamou ainda, mas se ele o fizer, considerarei seriamente a possibilidade de jogar. São apenas duas partidas e ficaria muito feliz em poder ajudar meu país”, afirmou o meio-campista da Juventus, que deixou a seleção após a Eurocopa.

Apesar de desconhecer seu adversário, Brückner respeita a Noruega, mas ainda assim está confiante na classificação tcheca. “Dos três possíveis adversários, os noruegueses eram os que menos conhecíamos. O esquema 4-5-1 deles é difícil de se bater, mas o fato de decidirmos em casa nos dá alguma vantagem.”

O técnico norueguês Age Hareide, por sua vez, ficou aliviado com o sorteio. “O mais importante era evitarmos a Espanha. Acho que a República Tcheca era, de todos os adversários, o que tem o estilo que mais nos agrada.”

Suíça x Turquia

Apesar do retrospecto negativo – seis derrotas e três vitórias – contra a Turquia, a Suíça aposta na classificação, mesmo sem contar com seu principal jogador, Hakan Yakin, que se recupera de uma contusão na coxa.

“A Turquia tem uma forte reputação, mas eles às vezes demonstram nervosismo e nem sempre vencem confortavelmente em casa”, afirmou o técnico Jakob Kuhn. “Estou confiante de que meus jogadores suportarão a atmosfera na Turquia. Eles estão acostumados a isso nos clubes em que atuam e demonstraram isso contra a Irlanda.”

“No caminho para a Copa cada jogo é importante. Encaramos com seriedade cada partida. A Suíça é um bom time que não sofreu derrotas em seu grupo. Eles não podem ser subestimados. Subestimar um lado é o pior erro” , completou.

Já o técnico Fatih Terim aposta na força da torcida turca na Suíça para levar seu país para a segunda Copa seguida de sua história. “Não será uma partida fora de casa, pois temos diversos torcedores lá. O apoio deles será decisivo para passarmos pela repescagem.”