O poderio econômico em relação aos países vizinhos faz o Brasil abrir cada vez mais os olhos para os jogadores que atuam na América do Sul. E a promessa da CBF em aumentar o número de estrangeiros inscritos no Campeonato Brasileiro faz crescer ainda mais essa atratividade dos mercados vizinhos. Tanto é que muitas das principais contratações neste início de ano vêm de outros países do continente, como Martín Silva e Eduardo Aranda (Vasco), Charles Aránguiz (Internacional), Frickson Erazo (Flamengo) e Lucas Olaza (Atlético Paranaense).

>>> [Especial] 20 brasileiros no exterior que podem ser uma boa para o seu time em 2014

Ainda assim, existem muitas outras boas opções disponíveis nas ligas sul-americanas. Por mais que olheiros de alguns clubes europeus atuem de maneira contundente, o Brasil pode atrair como um trampolim a equipes maiores da Europa. E, além da proximidade, a diferença financeira em relação aos grandes centros é cada vez menor. Condições muito favoráveis para que os clubes brasileiros acabem polarizando a contratação de talentos na região, algo que outrora era mérito de argentinos e uruguaios.

Nas próximas linhas, apontamos 20 anos em evidência que podem ser úteis aos times do país. Com a valiosíssima ajuda do amigo Gabriel Dudziak, nosso colunista de América do Sul, selecionamos boas opções não apenas das ligas mais acompanhadas por aqui, como a Argentina. Confira:

Cristopher Toselli

Universidad Católica, goleiro, 25 anos

Cristopher-Toselli-960x623

As últimas experiências de clubes brasileiros com goleiros chilenos badalados foram pouco felizes. Nelson Tapia e Johnny Herrera deixaram pouquíssimas saudades para santistas e corintianos. Toselli, porém, poderia deixar essa má impressão para trás. Aos 25 anos, o arqueiro possui experiência de veterano. Considerado uma das maiores promessas do Chile, se destacou no Mundial Sub-20 de 2007 ao bater o recorde de invencibilidade de Taffarel e, três anos depois, fazia sua estreia na seleção principal. Intocável na meta da Católica, até surpreende que permaneça no clube formador, mesmo já tendo atraído o interesse de vários clubes nos últimos anos. Não possui tanta estatura, mas é muito ágil e seguro. Para parte da imprensa chilena, foi o melhor jogador atuando no país em 2013.

Marcelo Barovero

River Plate, goleiro, 29 anos

Por mais que a Argentina tenha amargado com a qualidade de seus goleiros nos últimos tempos, Barovero aparece muito acima da maioria de seus compatriotas. Não fosse assim, não seria ídolo do Vélez Sarsfield por quatro anos e já respeitado pela torcida do River Plate com pouco mais de um ano na meta alvirrubra. Embora os Millonarios não tenham feito campanha tão boa, foi apontado por muitos como o melhor goleiro do último Torneio Inicial, no qual não sofreu gols em nove dos 18 jogos. Dono de boa impulsão e ótimos reflexos, já fez parte da seleção argentina, em amistosos em que só foram chamados jogadores locais.

Stefan Medina

Atlético Nacional, lateral, 21 anos

A lateral direita é apontada como o calcanhar de Aquiles da seleção colombiana rumo à Copa do Mundo. Mas, apesar das desconfianças, José Pekerman aposta que Stefan Medina possa se tornar o novo dono da posição na reta final da preparação. O prodígio teve boa participação no bicampeonato colombiano do Atlético Nacional, apontado como o melhor da posição no país. Zagueiro de origem, possui boas virtudes defensivamente, embora também possa ser deslocado como ala. Seu estilo de jogo é comparado com o de Andrés Escobar.

Marcos Cáceres

Newell’s Old Boys, lateral, 27 anos

O sucesso do Newell’s Old Boys no último ano teve vários responsáveis. Tata Martino, Ignacio Scocco e Pablo Pérez, de tão bem que foram, acabaram recebendo boas propostas do exterior. Pela idade elevada, Maxi Rodríguez, Gabriel Heinze, Lucas Bernardi e Diego Mateo não devem deixar Rosário. Entre as boas opções de mercado que sobram nos leprosos está Martín Cáceres. Melhor lateral direito do futebol argentino em 2013, o paraguaio também possui a tarimba de defender a seleção nacional. Bom apoiador, costuma também marcar seus gols nas subidas ao ataque. Chegou a ser especulado por clubes brasileiros recentemente.

Juan Carlos Paredes

Barcelona, lateral, 26 anos

O apelido de ‘A Formiga’ diz muito sobre a capacidade de Juan Carlos Paredes na lateral. O equatoriano não possui tanta altura, mas seu vigor físico é invejável pelo trabalho intenso que realizado pelo lado direito do campo. O equatoriano já passou por diversos clubes do país, retornando ao Barcelona, seu clube de formação, em 2013. O bom momento da carreira o alçou à posição de titular na seleção, titular em 14 dos 16 jogos que o Equador fez nas Eliminatórias. O estilo de jogo, próprio também para jogar como ala, fez quatro clubes italianos crescerem o olho em sua contratação para esta janela.

Paolo Goltz

Lanús, zagueiro, 28 anos

04dez2013---paolo-goltz-comemora-depois-de-abrir-o-placar-para-o-lanus-contra-a-ponte-preta-na-final-da-copa-sul-americana-1386206978578_956x500

O momento em que Paolo Goltz se tornou mais conhecido para os torcedores brasileiros aconteceu no Pacaembu. Foi dos pés do capitão que saiu um golaço de falta, que abriu o caminho para o Lanús conquistar a Copa Sul-Americana. O sucesso do veterano em 2013, porém, vai muito além daquela bola parada. Líder do Granate, o veterano foi eleito o melhor zagueiro do futebol argentino no último ano. Possui um excelente senso de posicionamento e é bastante combativo, uma das principais razões do ótimo desempenho do Granate no segundo semestre. Segundo a imprensa local, o Boca Juniors quer contratá-lo.

Francisco Meza

Independiente Santa Fe, zagueiro, 22 anos

O Independiente Santa Fe se firmou em 2013 como um dos grandes expoentes do futebol colombiano. A campanha até as semifinais da Libertadores foi o grande marco, mas o clube de Bogotá também teve bons desempenhos na liga nacional, finalista do Apertura e eliminado na segunda fase do Clausura. Se o desempenho dos Cardinales foi tão bom, muito se deve à solidez de sua defesa. E um dos esteios do setor foi Francisco Meza, que terminou o ano apontado entre os melhores do Campeonato Colombiano. O jovem zagueiro é titular da equipe desde os 19 anos de idade, acompanhando a ascensão do Santa Fe. Dono de boa estatura, também possui bastante mobilidade.

Emiliano Velázquez

Danubio, zagueiro, 19 anos

A idade está longe de indicar toda a bagagem que Velázquez já tem na carreira. O defensor de 19 anos foi capitão das duas últimas grandes campanhas das seleções de base do Uruguai, vice-campeão no Mundial Sub-17 de 2011 e também do Sub-20 de 2013. O bom desempenho com as equipes menores da Celeste fez com que ganhasse a confiança de Óscar Tabárez e fosse convocado para as Eliminatórias da Copa. E, mais do que isso, o zagueiro ainda tem feito sucesso no Campeonato Uruguaio, com a camisa do Danubio. Titular absoluto do time, o garoto foi fundamental na conquista do Apertura 2013. Com tamanha repercussão, Velázquez é considerado como perda certa do clube neste início de ano – provavelmente rumo à Europa.

Gustavo Gómez

Libertad, zagueiro, 20 anos

Se o Libertad teve uma ascensão tão grande no Paraguai desde a virada do século, não é algo que se explique apenas pela ligação com Nicolás Leoz. Os alvinegros contam com uma das melhores categorias de base das Américas. E entre seus mais novos prodígios está Gustavo Gómez, de 20 anos. O zagueiro de bom porte físico tomou a posição de titular apenas no último ano. Ainda assim, esteve entre os melhores da posição no país e foi convocado para a seleção principal – marcando até gol contra a Bolívia, pelas Eliminatórias. O defensor já teria entrado na mira do Fluminense, mas os US$ 2,5 milhões de sua multa rescisória parecem um pouco altos demais para a aposta.

Alexander Mejía

Atlético Nacional, meio-campista, 25 anos

ATLÉTICO NACIONAL - SEVILLA F.C

Para que o Atlético Nacional fosse bicampeão colombiano em 2013, alguém tinha que fazer o trabalho pesado da equipe. E Alexander Mejía foi o grande responsável por carregar o piano dos Verdolagas. Intocável no time titular, o volante é quem dá equilíbrio ao time, combinando potência física e segurança na saída de bola. Qualidade suficiente para que fosse observado de perto por José Pekerman e se tornasse nome recorrente da seleção nas Eliminatórias, sempre saindo do banco. Chegou a ser sondado por clubes mexicanos, mas segue em Medellín.

Pedro Quiñonez

Emelec, meio-campista, 27 anos

Antigo ídolo do Emelec, Pedro Quiñonez voltou ao clube em 2010, para se o motor no time na reconquista do Campeonato Equatoriano. Depois de bater na trave com três vices seguidos, o capitão tirou o grito da garganta neste ano, dando solidez à frente da zaga dos alviazuis. O volante não é alto, mas possui fôlego para não desgrudar de quem estiver marcando. A boa forma com o clube o levou de volta à seleção nacional, convocado para as últimas partidas das Eliminatórias.

Mathías Corujo

Cerro Porteño, meio-campista, 27 anos

Corujo já não é mais nenhum garoto, mas chegou ao ápice da carreira apenas agora. Depois de uma longa estadia no Montevideo Wanderers e uma passagem frustrada pelo Peñarol, o uruguaio se encontrou no Cerro Porteño. Já se vão três anos desde que chegou ao Ciclón, se tornando o principal jogador do time na conquista do Clausura 2013. Lateral de origem, o veterano foi deslocado para o meio-campo e se adaptou bem ao novo papel, especialmente pela capacidade de apoio na banda direita. Foi apontado pelo jornal D10 como o craque do futebol paraguaio em 2013.

Alejandro Silva

Olimpia, meio-campista, 24 anos

O ponto alto de Alejandro Silva aconteceu na decisão da Libertadores, quando abriu a vitória do Olimpia sobre o Atlético Mineiro no primeiro jogo. Prêmio para aquele que foi um dos principais nomes na campanha do Decano. Atuando na ala direita, o uruguaio se destacou tanto pela inteligência na movimentação quanto pela capacidade no apoio. Além disso, a capacidade de atuar também como lateral e como volante se torna um trunfo. Quem estava interessado no jogador era o Internacional, que esfriou o negócio após acertar com Gilberto, ex-Botafogo.

Fernando Gaibor

Emelec, meio-campista, 22 anos

Um dos principais nomes na conquista do Campeonato Equatoriano pelo Emelec, Gaibor se sobressai tanto pela qualidade que adiciona ao meio-campo quanto pelo potencial de evolução. Podendo jogar como segundo volante ou meia direito, é titular dos Electricos há três temporadas, possui técnica apurada e boa capacidade para abrir espaços aos companheiros na linha de frente. Predicados que o ajudaram a ganhar chances na seleção equatoriana, saindo do banco em dois amistosos em novembro, e que o colocaram no páreo rumo à Copa de 2014.

Sherman Cárdenas

Atlético Nacional, meio-campista, 24 anos

Atletico Nacional Vs Itagui

Principal fonte criativa do rolo compressor que se tornou o Atlético Nacional, Sherman Cárdenas já tinha passado por outros grandes clubes colombianos, como Millonarios e Junior de Barranquilla. Entretanto, foi em Medellín que o armador subiu de patamar, protagonizando os dois títulos nacionais levantados pelos Verdolagas em 2013. O camisa 7 é o típico meia arisco, de baixa estatura, mas muita habilidade nos pés e capacidade de ditar o ritmo de sua equipe. Sua ascensão aconteceu após a saída de Macnelly Torres, vendido ao Al-Shabab, quando pôde centralizar mais o papel de criação do time. O Vitória está em seu rastro, mas a direção do Nacional quer segurá-lo para a Libertadores.

Ignacio Piatti

San Lorenzo, meio-campista, 28 anos

O coletivo foi o ponto forte do San Lorenzo na conquista do Torneo Inicial, mas até a mais encaixada das equipes possui seu craque. E o grande nome da campanha foi Ignacio Piatti, habilidoso e veloz meia de ótimas incursões ao ataque. Atuando nas pontas, o argentino somou oito gols e quatro assistências na campanha do título. Com passagens por Roma, Galatasaray, Saint-Étienne, Lecce e Independiente, é bastante experiente. Mais importante que sua rodagem, todavia, é o talento com pé direito, capaz de dribles curtos e tiros precisos de fora da área. Sua volta da Itália é especulada nesta janela de inverno.

Christofer Gonzales

Universitario, meio-campista, 21 anos

Gonzáles foi o único peruano incluído como candidato ao tradicional prêmio da seleção do ano das Américas, feito pelo jornal uruguaio El País. O meia não venceu a disputa, mas a mera citação ajuda a dimensionar o desenvolvimento do jovem. Um dos feitos que ajudou o peruano a ganhar relevância foi seu papel no título do Torneio Descentralizado com o Universitario, no qual marcou seis gols e foi um dos regentes do meio-campo. Sporting e Parma estariam atrás da promessa, que já admitiu a vontade de atuar no Brasil.

Lucas Pratto

Vélez Sarsfield, atacante, 25 anos

São apenas sete anos como profissional, mas Lucas Pratto já possui a experiência de ter atuado em quatro ligas nacionais diferentes. Cria da base do Boca Juniors, também passou por Genoa e Universidad Católica, mas encontrou sua melhor forma no Vélez Sarsfield. O argentino chegou ao Fortín em 2012, por empréstimo, e acabou contratado em definitivo um ano depois, por € 2 milhões. Nesse tempo, conseguiu se valorizar ainda mais, somando sete gols e cinco assistências no Torneo Inicial, do qual foi apontado um dos melhores atacante. Mesmo alto, o centroavante costuma buscar bastante o jogo fora da área, o que permite jogar também como ponta. O Botafogo teria o sondado nas últimas semanas.

Ángel Romero

Cerro Porteño, atacante, 21 anos

1

Considerado uma grande promessa pelo Cerro Porteño, Ángel Romero foi trazido das categorias de base do Boca Juniors, após o Ciclón travar uma disputa com Olimpia e Libertad. Mesmo sem ser titular, o paraguaio sempre aproveitou com gols as oportunidades no primeiro time. E, aos 20 anos, ganhou a posição no ataque, logo se tornando um dos artilheiros da equipe. Tanto quanto pelo faro de gol, o garoto se destaca pela capacidade nos dribles. Difícil é só lidar com o moral que Romero já possui: titular do Paraguai na reta final das Eliminatórias, pretendido pelo Real Madrid e eleito pelo jornal ABC Color como o craque do país em 2013.

Jonathan Rodríguez

Peñarol, atacante, 20 anos

Não havia oportunidade melhor para Jonathan Rodríguez se tornar o xodó da torcida do Peñarol. O atacante só passou a aparecer na equipe principal dos Carboneros neste ano, mas teve ótimo desempenho justamente no clássico contra o Nacional, marcando dois gols na vitória por 3 a 2, quando demonstrou sua capacidade de infiltrar a linha defensiva adversária graças à velocidade. Apesar da campanha decepcionante de seu clube, fechou o ano em alta, com cinco gols nos últimos sete jogos. Formado pelo Atlético Florida, não possui histórico nas seleções de base e foi comprado por apenas US$ 7 mil e um jogo de bolas. A rápida ascensão já coloca os italianos em seu encalço, entre eles o Genoa.