Por Petrick Moreno

Se aqui no Brasil foi criado o “Bom Senso Futebol Clube”, com objetivo de defender os interesses dos atletas profissionais da bola, no México algo parecido foi feito, mas neste caso, foi uma iniciativa de integrantes de diferentes grupos de animação (ou barras). O movimento Hinchadas Unidas de México* entregou um documento para FMF com uma série de pontos relevantes acerca dos assuntos do momento (violência nos estádios e extinção das hinchadas mexicanas).

VEJA TAMBÉM: Violência no futebol mexicano – Parte 1

Em um trecho desse documento, consta uma pequena “resposta” aos atos de violência que segundo eles, parte primeiramente da polícia: “Manifestamos nossos sentimentos através desse escrito, como grupos de animação, torcedores mexicanos, mas antes de nada como seres humanos, acreditamos que é um total desrespeito pelos nossos direitos, individuais, constitucionais e de recreação…”

Ainda percorrendo por esse documento, um trecho nos acomete para um fato extremamente curioso, um “chamado” por parte das próprias hinchadas para que as “torcidas familiares” voltem aos estádios, já que como mencionei na primeira parte, esse modelo de “hinchada” (ou barras) chegou no México apenas em meados dos anos 90. Segundo consta no documento, “”A mensagem que queremos dar aos pais de família é que levem seus filhos aos eventos esportivos e aos estádios, que sua segurança vai estar devidamente garantida, que todos os presentes em evento esportivo passarão momentos agradáveis, sem serem agredidos ou lesionados, sem correr nenhum perigo”.

Ainda transitando por esse documento incomum, um trecho chama atenção pelo conteúdo igualmente raro: “Quanto ao público em geral, há quem os defenda, mas quem defenderá e protegerá nossos grupos de animação e nossas organizadas? Quem fará alusão aos nossos direitos? Nós igualmente pagamos transportes, ingressos e consumo dentro e fora dos estádios. Não somos delinqüentes, selvagens ou primitivos”.

Petição de torcedores mexicanos (La Nación)

Petição de torcedores mexicanos (La Nación)

Para quem saber ler, um pingo é letra. Talvez seja um “basta às proibições”, uma lista de “não pode” e “multa, multa e multa” por isso ou por aquilo, talvez seja uma resposta aos atos sufocantes da Liga MX com as hinchada no que diz respeito às formas de apoio as equipes.

O documento em questão contém cinco páginas, esses foram apenas trechos, mas a ideia central do mesmo é buscar soluções para ambas as partes, não somente excluir esses grupos de animação, como alguns dirigentes e jornalistas mexicanos têm proposto incessantemente ao longo das semanas.

*O movimento Hinchadas Unidas do México é composto por representantes de diferentes torcidas organizadas mexicanas, dos quais, deixaram de lado rivalidades e interesses pessoais para se unirem em torno de um único objetivo, manter vivo esse modelo de animação.