Guia dos Torcedores para o Brasileirão 2017

Torcedores avaliam as possibilidades dos seus times para o Brasileirão que se inicia

Chegou a hora. Nós comemos os nossos vegetais, mas chegou o momento do prato principal. Os estaduais ficaram para trás (bom, a maioria, ao menos) e o momento é de esfregar as mãos pelo Campeonato Brasileiro que começa neste fim de semana. Esse curto período de tempo entre celebrar a taça estadual (para uma minoria) ou chorar as pitangas (para a maioria) é seguido pelas expectativas em relação ao principal torneio nacional.

VEJA TAMBÉM:
– Um mapa com todos os clubes que já passaram pela elite do Campeonato Brasileiro
– Podcast Trivela #127: É o Brasileirão!

É como dia de pagamento, quando os nossos sonhos ficam cor de rosa, achamos que tudo pode dar certo. Para alguns, o mês terminará feliz e com o saldo positivo. Para muitos, a alegria dura pouco, depois que os boletos são pagos e a conta já voltou ao vermelho. Mas o início é sempre igual: agora vai! Do topo à rabeira. E vemos neste início as análises sobre cada um dos 20 times da Série A para nos enchermos de esperança, de medo ou mesmo de raiva – pelo time ou contra o analista.

Vocês conhecem a tradição recente do Guia Corneteiro aqui na Trivela. Desta vez, decidimos por algo um pouco diferente. Novamente convocamos torcedores dos 20 times da Série A para analisar seus times com o ponto de vista único de quem sofre por aquelas cores, aqueles jogadores, aquele escudo. Afinal, melhor do que nós analisamos é o próprio torcedor avaliar. Então, vamos lá, sejam bem-vindos ao Guia do Torcedor para o Brasileirão 2017!

Atlético Goianiense

Walter, o Atlético Goianiense

Walter, o Atlético Goianiense

Por Rainer Sousa, professor de História e colaborador do Blog Dragão Campineiro

O que só o torcedor do seu time enxerga para confiar em uma boa campanha?

O torcedor atleticano, de modo geral, tem uma grande confiança no trabalho desenvolvido pelo seu técnico, Marcelo Cabo. Mesmo com o caso do seu desaparecimento, no início do ano, os torcedores acreditam que ele é um grande gestor de elenco e que consegue transmitir suas ideias de jogo com bastante clareza aos seus comandados. Uma prova disso foi o próprio desempenho no último campeonato estadual, mesmo com uma campanha irregular e não tendo alcançado as finais, a torcida jamais questionou efetivamente a permanência do técnico. Sendo assim, entendo que a grande maioria vê a superação dos desafios postos para essa temporada (como os recursos financeiros limitados e o plantel com muitos desconhecidos) no trabalho feito a partir do banco de reservas

Que jogador pode fazer a diferença?

A grande aposta dessa temporada é o Walter. Acreditamos que ele pode ser um fator de desequilíbrio importante para o Brasileirão. Contudo, a condição física dele para uma sequência de jogos extensa sempre preocupa.

Qual é o seu pior pesadelo para este campeonato?

Seria ter que aceitar o rebaixamento com várias rodadas de antecedência.

Que posição o seu time terminará na tabela do Brasileirão?

Em 16º colocado, tendo alcançado 46 pontos na 34ª rodada.

Que conselho você daria ao técnico?

Faça o mando de campo valer nos jogos em casa. Aprimore as jogadas de ataque e pense em um time que não tenha extrema dependência de seus titulares. Enfim, nada muito complicado. rsrsrs

O que diria aos torcedores do seu clube?

Incentivem incondicionalmente o time nessa temporada. Independente do desempenho, nunca esqueçam que temos um clube para zelar e que, quanto mais participamos da vida do clube, menos ele dependerá de soluções milagrosas para se firmar entre os grandes clubes do Brasil.

Atlético Mineiro

Robinho, do Atlético Mineiro (Foto: Bruno Cantini / Atlético)

Robinho, do Atlético Mineiro (Foto: Bruno Cantini / Atlético)

Por Igor Marques, jornalista e torcedor do Galo

O que só o torcedor do seu time enxerga para confiar em uma boa campanha?

O Atlético está há algumas temporadas disputando o título de várias competições consecutivamente. Neste período, todos os outros times passaram por algum tipo de reformulação em maior ou menor grau, mas o Atlético ainda mantém uma base. O elenco é experiente, maduro e sabe lidar com pressão. O Roger também vem conseguindo aos poucos implantar suas ideias e melhorar o equilíbrio defensivo do time e isso deve ajudar a evitar as oscilações que tiraram pontos importantes nas últimas campanhas. Com essa solidez, o Galo tem tudo para vir forte no Brasileirão.

Que jogador pode fazer a diferença?

Temos muitos jogadores que podem ser considerados decisivos. O retorno de Victor após a lesão foi fundamental para crescimento do time nos últimos jogos, Marcos Rocha  e Leonardo Silva são decisivos, Otero vem se destacando mais a cada jogo e Fred está sendo completamente letal em suas finalizações. Além disso, ainda temos Luan, o xodó da massa, que vem passando por muitos problemas de lesões. Dentre tantas opções colocaria Elias como elemento-chave para nosso bom desempenho no ano. O meia se mostra cada vez mais participativo nos jogos, seja no ataque ou na defesa, corre o campo inteiro, arma, desarma, finaliza, marca. Ele faz de tudo. É o motor do time do Roger, ainda tem muito a evoluir e pode oferecer ainda mais a equipe e à torcida.

Qual é o seu pior pesadelo para este campeonato?

Nos últimos anos tivemos times desempenhos bem oscilantes e isso ainda não mudou. Na Libertadores de 2013, por exemplo, a força do Horto foi fundamental para as viradas, mas numa competição de pontos corridos a situação é bem diferente. O desempenho do Galo fora de Belo Horizonte nos últimos anos foi vergonhoso para um time com nossas pretensões. Não se pode perder pontos contra adversários mais frágeis. O time precisa entender que todo jogo, independente do adversário, vale os mesmos três pontos e que as menores falhas de percurso vão prejudicar o resultado lá na frente.

Que posição o seu time terminará na tabela do Brasileirão?

O atleticano não quer nada menos que o título. As expectativas são altas desde a virada do ano e se mantém assim devido a melhora do desempenho do time nos últimos jogos na fase final do Campeonato Mineiro e nas últimas rodadas da Libertadores.

Que conselho você daria ao técnico?

Roger, a torcida entende que ainda esteja tentando adequar seu estilo de jogo. A cobrança sempre vai existir. O atleticano é chato sim, mas quem estava desconfiado vai te dar confiança para fazer seu trabalho após o desempenho do time crescer. Vamos cobrar quando entender que pode fazer melhor, queremos ganhar sempre. Não se esqueça: “Vencer, vencer, vencer. Esse é o nosso ideal. Lutar, lutar, lutar. Com toda nossa raça pra vencer”.

O que diria aos torcedores do seu clube?

Paciência! Paciência! O atleticano é volátil. Quando ganha tem o melhor time do mundo. Quando perde tem o pior time do mundo. Essa instabilidade muitas vezes não é positiva. É preciso cobrar por vitórias e um bom desempenho, mas entender o momento certo de fazer isso. Muitos torcedores, inclusive este que escreve, pegaram no pé do Roger e de alguns jogadores neste início de ano por alguns momentos que não foram lá muito satisfatórios. Porém, ir na porta da Cidade do Galo, intimidar e amassar a porta do carro de jogadores certamente não é o melhor método de cobrar resultados. O projeto ainda está no início e mostra evolução. Vamos dar tempo, mas sem nunca nos acomodarmos.

Atlético Paranaense

Atlético Paranaense comemora classificação em Bogotá, contra o Millonarios

Atlético Paranaense comemora classificação em Bogotá, contra o Millonarios

Por Augusto Ripka Barbosa, estudante de Direito e 1º atleticano da família

O que só o torcedor do seu time enxerga para confiar em uma boa campanha?

O potencial de jogar bem. Apesar de uns 90% dos nossos jogos terem sido horríveis, em alguns jogos conseguimos apresentar um futebol lúcido, como nos primeiros 85 minutos contra a Universidad Catolica na Libertadores ou no primeiro jogo da semifinal do Paranaense contra o Londrina.

Que jogador pode fazer a diferença?

Jonathan. Quando ele chegou aqui no Furacão, ninguém dava muita coisa por ele. Pouco usado no Fluminense, com histórico de lesões e com Léo tendo feito excelente brasileiro, o máximo que dávamos era que seria um bom banco. Mas fomos surpreendidos com as atuações dele e ainda mais com a recente lesão sofrida, que o deixa afastado dos gramados até agora. Essa lesão mostra o quão importante ele é para o time. Sem ele, o time perdeu completamente o equilíbrio entre ataque e defesa.

Qual é o seu pior pesadelo para este campeonato?

Obviamente ser rebaixado, mas ficar abaixo do Coxa seria ainda pior. Depois de passar o 1º semestre todo falando de uma (existente) superioridade técnica do nosso elenco, ficar abaixo dos nossos rivais seria triste demais tendo em vista as expectativas criadas em torno desse ano.

Que posição o seu time terminará na tabela do Brasileirão?

Isso depende de até onde iremos na Libertadores (eventualmente Sul-americana) e Copa do Brasil, mas creio que ficaremos entre a 7ª e a 10ª colocação. Se for para cravar, cravo em 9º.

Que conselho você daria ao técnico?

Varie o esquema e estilo de jogo! Concordo que precisamos ter a posse de bola, mas não adianta nada ter a posse se ela só roda entre a nossa defesa e o meio-campo. Além disso, esse nosso 4-2-3-1 já está manjado demais. Temos peças para mudar nosso esquema e estilo de jogo, então faça uso dessas peças. Ninguém vai morrer por isso.

O que diria aos torcedores do seu clube?

Sejam racionais! Temos um calendário cheio, um elenco relativamente curto e um técnico cabeça-dura. Então não precisa chorar como se fosse um crime usar os reservas/time misto contra o Atlético-GO (com todo respeito ao Dragão) em casa no meio do campeonato se tivermos um jogo mais importante no meio da semana. Prioridades galera.

Avaí

O zagueiro Betão, do Avaí (Foto: Avaí)

O zagueiro Betão, do Avaí (Foto: Avaí)

Por Felipe Matos, torcedor do Avaí

O que só o torcedor do seu time enxerga para confiar em uma boa campanha?

Em campo, o destaque do Avaí é a defesa, com destaque para Betão e Alemão na zaga. O time é montado para o contra-ataque, o que faz sentido, já que certamente passaremos a maior parte da Série A nos defendendo. O Avaí manteve a base do time da Série B de 2016 e fez um campeonato estadual competitivo. Esse entrosamento pode jogar a nosso favor, especialmente no primeiro turno.

Que jogador pode fazer a diferença?

Além da experiência de Betão na zaga, o atacante Júnior Dutra foi o destaque ofensivo durante o campeonato catarinense. O grande ídolo Marquinhos deve se aposentar ao fim da temporada e não fez um bom campeonato catarinense. Mas, só duvida da capacidade de Marquinhos surpreender quem não conhece o anjo loiro da Ressacada.  Espera-se dele o seu último brilho antes do crepúsculo, embora talvez pudesse render mais entrando durante o 2º tempo.

Qual é o seu pior pesadelo para este campeonato?

O Avaí demonstrou durante o Campeonato Catarinense possuir um elenco extremamente limitado. A não ser que venham reforços significativos, o pior pesadelo para uma competição longa e difícil como a Série A é perder muitos jogadores por lesão e suspensão. O banco é muito fraco e o orçamento limitado não permite grandes contratações.

Que posição o seu time terminará na tabela do Brasileirão?

Pela limitação financeira, o 16° deverá ser comemorado como um título, com os jogadores sendo recepcionados no Aeroporto Hercílio Luz aos gritos de “time de guerreiros”. Tudo acima disso é lucro. Porém, os mais de 90 anos do clube demonstram que quando menos se espera do Avaí é quando ele costuma triunfar. Como diz a torcida, “esse Avaí faz coisa” e todas as posições da tabela são possíveis para o “time da raça”, do triunfo ao rebaixamento.

Que conselho você daria ao técnico?

Claudinei de Oliveira e sua comissão técnica tiveram a virtude de descobrir um esquema-tático capaz de tirar o melhor proveito do seu elenco. No entanto, se o padrão tático é elogiável, a falta de variações torna o time previsível demais.

O que diria aos torcedores do seu clube?

O que todo avaiano sabe de cor: gritar “sai bruxa” quando o time adversário chutar em nosso gol e torcer pra o time atacar no 2º Tempo em direção ao gol do lado esquerdo das cabines de rádio/TV, que é a trave em que ocorre a maioria dos milagres de Nossa Senhora da Ressacada. Isto é o mais importante, mas se sobrar tempo, não custa nada ter um pouco de paciência com técnico e jogadores, reconhecer qual campeonato disputamos e continuar demonstrando porque somos a maior e mais apaixonada torcida de Santa Catarina. Na Ressacada usamos a camisa 12 e passando a ponte os milhares de quilômetros a serem percorridos não nos impedirão de estar junto à ti, Leão.

Bahia

Allione, do Bahia (Foto: Felipe Oliveira/Divulgação/ECBahia)

Allione, do Bahia (Foto: Felipe Oliveira/Divulgação/ECBahia)

Por Débora Luísa, administradora de empresas, soteropolitana e torcedora do Bahia de desde o útero de mainha

O que só o torcedor do seu time enxerga para confiar em uma boa campanha?

Poderíamos confiar em algumas características individuais de alguns dos nossos jogadores que podem ser decisivo e fazer diferença nessa série A. Allione, Eduardo, Tiago, Jackson, Jean, Edson, Renê Junior e Régis foram alguns destaques no Campeonato Baiano e Copa do Nordeste e caso se dediquem e deem o seu melhor nesta temporada, o time pode conseguir grandes resultados.

Que jogador pode fazer a diferença?

Acredito que seja o Régis. No começo ele não tinha tanto espaço porque era banco do Renato Cajá e entrava em alguns momentos das partidas. Com a saída de Cajá, Régis ganhou a titularidade e surpreendeu a torcida do Bahia ao longo do primeiro semestre no Campeonato Baiano e Copa do Nordeste.

Qual o seu pior pesadelo para o campeonato?

O nível da Série A é alto, estaremos confrontando os times muito mais preparados até dezembro e nosso maior pesadelo acredito que seja o ataque. A contratação de um centroavante que foi muito abaixo da expectativas, as finalizações muito falhas nesse primeiro semestre mostraram que precisamos de reforços para a primeira divisão do Campeonato Brasileiro.

Em que posição o seu time terminará na tabela do brasileirão?

No máximo no 11º ou 12º. Não acredito que no rebaixamento, meu coração não deixa e SE tivermos reforços para temporada. Se não…

Que você daria ao técnico?

Diria para Guto Ferreira jogar fora como joga em casa. ÀS VEZES ele escala errado e substitui errado e é medroso quando joga fora. Ele muda demais a postura do time e isso pode ser um problema.

O que diria aos torcedores do clube?

Diria pra não abandonar, essa torcida é maravilhosa demais, é o décimo segundo jogador do time. O Bahia fica muito mais forte com a gente gritando nas arquibancadas. Diria também pra ter paciência. Esta temporada vai dar um pouco de trabalho e é preciso que haja compressão, calma e pensamento positivo (amor e lealdade não peço, por a torcida não precisa que eu peça por isso: já nascemos leal e apaixonados).

Botafogo

Camilo, do Botafogo, comemora com companheiros (Foto: Botafogo)

Camilo, do Botafogo, comemora com companheiros (Foto: Botafogo)

Por Bruno Santos, roteirista amador, diretor amador, ator amador, jogador amador, azarado profissional

O que só o torcedor do seu time enxerga para confiar em uma boa campanha?

O Botafogo tem um treinador que conhece muito bem o clube e o elenco que tem em mãos. E ele realmente tem o elenco em mãos. Não é um elenco maravilhoso, longe disso, mas é um elenco comprometido, aguerrido, e isso pode fazer alguma diferença no fim. A fase pré-Libertadores já mostrou um pouco disso.

Que jogador pode fazer a diferença?

A grande esperança sem dúvidas é o Montillo. Ainda não mostrou nem metade do que achamos que ele pode mostrar, mas já fez alguns bons jogos. O que preocupa são as seguidas lesões que ele vem sofrendo. Talvez o pouco tempo de preparação do elenco e a necessidade de colocá-lo em campo logo no começo do ano por conta da Libertadores tenham pesado um pouco. Mas mantemos a esperança!

Qual é o seu pior pesadelo para este campeonato?

As lesões, principalmente na zaga. Se tivéssemos Carli e Marcelo sempre à disposição e jogando teríamos uma tranquilidade um pouco maior, mas o Carli se machuca MUITO e o Marcelo também sofreu um bocado (mas está voltando), além de jogar na mesma posição do Carli, fazendo com que tenhamos que aturar Emerson Silva mesmo com ambos (Carli e Marcelo) em condições de jogo. Além disso perdemos todos os laterais direitos do elenco e estamos com o Emerson jogando (mal) por ali improvisado. É urgente a necessidade de reforços para o setor.

Que posição o seu time terminará na tabela do Brasileirão?

Se estiver entre os classificados para a Libertadores de 2018 já está mais do que bom. E com o Brasil tendo 3800 vagas para a Libertadores, isso nem é tão difícil assim.

Que conselho você daria ao técnico?

“Coragem Jair! O meio-campo dos times brasileiros não marca muito. Escala Camilo e Montillo, deixa os três volantes para depois. Joga sem medo. Como Botafogo!”

Brincadeira. Olha, eu não sou a pessoa mais indicada para dar conselhos para técnico. Acho que só o que teria a dizer é pra ele manter o foco, escutar menos os cornetas (eu no caso) e tentar manter o bom trabalho que tem feito com esse elenco mediano que ele tem.

O que diria aos torcedores do seu clube?

Rapaz, apesar de eu fazer parte da torcida do Botafogo, acho que é a torcida mais chata do planeta Terra. Os caras cornetam TODO MUNDO o tempo todo e idolatram uns caras ruins de bola como o Sassá, só porque ele acertou umas três bolas no gol. Então o que eu diria aos torcedores do clube é: calem a boca.

Chapecoense

Jogadores da Chapecoense comemoram (Foto: divulgação)

Jogadores da Chapecoense comemoram (Foto: divulgação)

Por Letícia Sechini, do blog Vamo Verdão no ESPN FC

O que só o torcedor do seu time enxerga para confiar em uma boa campanha?

Que a Chapecoense não está na fossa que muitos tentam colocá-la. Vejo muita gente nas redes sociais tentando forçar um estado de piedade, colocando a Chapecoense como “pobre coitada” e como um time que jamais vai se recuperar. Isso está longe do clima que vem sendo cultivado aqui em Chapecó. Passamos por uma tragédia, sim, sentimos essa dor dia após dia, muitas homenagens ainda irão acontecer e seremos eternamente gratos a cada mão que nos foi estendida desde o acidente. Mas como falei aqui mesmo no Guia Corneta da Libertadores, a Chapecoense não deixou de ser um time que quer crescer, quer brigar por seus objetivos e quer se impor dentro de campo. Acima de qualquer coisa, temos uma história que precisa continuar a ser escrita e da qual nunca vamos desistir. A raça e a competitividade dentro de campo sempre vão dar o tom.

Que jogador pode fazer a diferença?

Acredito que Wellington Paulista. É experiente e bom finalizador, já consegue ser bem encaixado com Andrei, Moisés e Rossi, tem espaço.

Qual é o seu pior pesadelo para este campeonato?

Que a Chapecoense caia de novo nas velhas zicas, como de vencer os adversários grandes fora de casa e sofrer derrotas ridículas para os “menores” dentro da Arena. E lógico, esse ano precisamos ganhar do Corinthians, meu Deus.

Que posição o seu time terminará na tabela do Brasileirão?

Com alguma sorte, naquela que nos classificará para mais uma Sul-Americana.

Que conselho você daria ao técnico?

“Mancinão da Massa, será que não está na hora de dar um espacinho para Elias e Jandrei?”

O que diria aos torcedores do seu clube?

“Vomo vim sempre!”

Corinthians

Jadson e Jô, do Corinthians (Foto: Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians)

Jadson e Jô, do Corinthians (Foto: Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians)

Por Nayara Perone, designer, corinthiana, maloqueira, sofredora e corneteira. Corneta também no twitter @corinthiana e no ESPN FC

O que só o torcedor do seu time enxerga para confiar em uma boa campanha?

Taticamente e defensivamente o Corinthians está muito bem. Se a diretoria manter os zagueiros Balbuena e Pablo para o Brasileiro, a chance de que eles evoluam ainda mais o setor defensivo é imensa. Não tomar gols é importante no Brasileiro, acredito que esse seja o maior trunfo do elenco esse ano.

Que jogador pode fazer a diferença?

Jô, Maycon e Arana são os jogadores em quem aposto. Arana tem contrato até 2021 e espero que fique, com ele o ataque ganha muita qualidade no cruzamento. E Jô, que tem vivido ótima fase, pode não fazer tantos gols, mas todos os lances de ataque passam por ele. E ainda com Rodriguinho numa fase boa, o Corinthians pode ter boas expectativas.

Qual é o seu pior pesadelo para este campeonato?

Lutar para não cair, sem dúvidas. Ficar fora de zona de libertadores, de título, dá pra relevar porque o elenco ainda precisa evoluir. Não existe time que consegue lutar em cima da tabela por anos. Mas lutar para não cair seria lastimável.

Que posição o seu time terminará na tabela do Brasileirão?

Existem dois cenários. Se o elenco campeão do Paulista for mantido e alguns reforços vierem, acredito que pega classificação para a Libertadores. Com certa dificuldade, mas pega. Agora se venderem jogadores, aposto num chato sétimo lugar.

Que conselho você daria ao técnico?

Reforçar o ataque. É o setor que mais evoluiu na reta final do Paulistão, mas ainda há muito chão. Melhorar o ataque, apostar mais no Pedrinho e no Léo Jabá da base e evitar a todo custo a quantidade de empates que tivemos no primeiro semestre. Empate engana, e pra perder posição com empates no Brasileiro é muito fácil.

O que diria aos torcedores do seu clube?

O elenco ainda precisa muito de apoio. É um elenco raçudo, dedicado, precisam mais de apoio que de cornetas nesse momento. É melhor um elenco com Romero que faz sua função tática e ajuda o time do que um elenco com jogador estrelinha que só joga pra si. Vamos apoiar quem honra a camisa do Coringão e está no time hoje. Se vierem melhores jogadores, ótimo. Se não vierem, vamos carregar o time na voz, como sempre fazemos. Paciência e confiança acho que serão as palavras que precisamos lembrar quando torcermos esse ano.

Vai Corinthians!

Coritiba

Kléber Gladiador é o capitão do Coritiba (Foto: divulgação Coritiba FC)

Kléber Gladiador é o capitão do Coritiba (Foto: divulgação Coritiba FC)

Por Rodrigo Salvador, matemático industrial e escreve sobre o Coxa no ESPN FC

O que só o torcedor do seu time enxerga para confiar em uma boa campanha?

O coxa-branca é, por natureza, ressabiado. Se ganha, é porque o adversário é ruim, jogou mal. Se perde, não interessa pra quem, é sempre um desastre e sobra até pro Beletti. Incrivelmente, o título paranaense deu um gás na galera, e tem uma vibe boa pra começar o campeonato. Eu simplesmente não consigo explicar isso. Só aceito.

Que jogador pode fazer a diferença?

Agora que o Juninho foi embora (😢), o jogador que eu mais confio passa a ser o Wilson. O Coxa pode montar um ataque cancheiro com Anderson, Kleber e Alecsandro. Se eles corresponderem, Wilson passa a ser ainda mais fundamental pra manter os placares a favor. Galdezani também pode fazer a diferença, desde que esteja bem agasalhado. Tudo uma grande enrolação pro que realmente importa: agasalhar o Galdezani.

Qual é o seu pior pesadelo para este campeonato?

Detesto essa pergunta, porque todo mundo vai dizer que é o rebaixamento. E o pior é que é esse  mesmo o meu. Depois de 5 anos sempre figurando abaixo do 14º lugar, o que de pior pode acontecer?

Que posição o seu time terminará na tabela do Brasileirão?

Detesto essa pergunta também, porque não dá pra prever a décima rodada, quiçá a trigésima oitava. Mas o Coxa vai terminar em primeiro lugar. É que o primeiro título veio em 1985, ano que eu nasci. É óbvio que o segundo vem em 2017, ano que meu filho nasce. Vocês me perdoem o spoiler, mas boa briga pelo vice aí pro resto.

Que conselho você daria ao técnico?

Eu tenho é que pedir conselho. Pachequinho conhece muitíssimo bem o Coxa e o elenco que tem. É um cara que representa não o time, mas o clube. O conselho que dou é pra diretoria: mantenham o Pacheco na função independente dos resultados.

O que diria aos torcedores do seu clube?

Cornetem com responsabilidade. Esqueçam que tem eleição no fim do ano. E vão pro Couto 19 vezes esse ano. O time é quem toma e faz gols, mas é a gente e a diretoria que damos suporte pra que tomem menos e façam mais. Uma boa campanha depende da gente, e muito.

Cruzeiro

De Arrascaeta é uma das estrelas do Cruzeiro

De Arrascaeta é uma das estrelas do Cruzeiro

Por Débora Almeida Durães, advogada e Servidora Pública. “Ah, ser Cruzeiro é bom demais”

O que só o torcedor do seu time enxerga para confiar em uma boa campanha?

Uma boa campanha em um campeonato esquizofrênico como o Brasileiro depende de muitas variáveis. Mas o que me chama  a atenção no time do Cruzeiro, e vejo pouca gente de fora comentar, são as laterais do time. Bons alas são uma tradição do futebol brasileiro e infelizmente parecem estar quase em extinção no território nacional. Os melhores que surgem logo são tragados pelo futebol europeu. Então, estou bem feliz com o início do Diogo Barbosa no Cruzeiro, certamente um dos três melhores jogadores do time até aqui e com a consistência apresentada pelo Ezequiel. A dupla será destaque esse ano.

Que jogador pode fazer a diferença?

Acredito que essa seja a temporada do De Arrascaeta. O uruguaio mostrou que tem talento de sobra desde que chegou, mas a irregularidade de suas atuações também chamou a atenção em seu início no Cruzeiro. Em defesa do meia, devemos lembrar que ele não contou com um time equilibrado em suas duas primeiras temporadas. Neste ano, mais experiente e adaptado ao futebol brasileiro, ele tem tudo para deslanchar e mostrar que é o craque que o Cruzeiro precisa para brigar pelo título do Brasileirão.

Qual é o seu pior pesadelo para este campeonato?

Passar mais uma temporada sem brigar pelo título do Campeonato Brasileiro seria muito frustrante para a China Azul. O torcedor do Cruzeiro é exigente e está acostumado a entrar em todo torneio como um dos favoritos. Sei que o torcedor de todo time grande do Brasil tem a mesma expectativa, mas depois do bicampeonato conquistado em 2013 e 2014, tivemos duas temporadas muito ruins, brigando na parte de baixo da tabela e morgando nas posições intermediárias, sem ambição alguma. Com o elenco que foi montado já no segundo semestre do ano passado, mais adições importantes para a atual temporada, como Thiago Neves, Diogo Barbosa, Lucas Silva e Hudson, chegar em meados de Setembro sem perspectiva de título seria um pesadelo, sem dúvidas. Pelo menos esperança a gente tem que ter!

Que posição o seu time terminará na tabela do Brasileirão?

O Cruzeiro vai estrear no Brasileiro com certa desconfiança da torcida. O time começou o ano bem, mas tem acumulado atuações decepcionantes nos últimos jogos. Somado isso a perda do Mineiro e eliminação na Sul-americana, o time terá que apresentar uma evolução considerável no início do torneio para recuperar a confiança dos torcedores mais exigentes. Mas não faltará apoio da torcida e acredito que conseguiremos uma vaga na Libertadores. Mineiramente, aposto na 3ª colocação na tabela.

Que conselho você daria ao técnico?

Mano, solta o time!

O que diria aos torcedores do seu clube?

Estamos em um momento de retomada ao caminho das grandes conquistas. Temos um bom elenco, vamos acreditar nesses jogadores. O clube em ano eleitoral é sempre complicado, mas vamos deixar essas questões de lado e apoiar o time. Vocês são demais!

Flamengo

Diego, do Flamengo (Photo by Alexandre Loureiro/Getty Images)

Diego, do Flamengo (Photo by Alexandre Loureiro/Getty Images)

Por Breno Amaro, 30+ anos, publicitário e ateu que acredita em São Judas Tadeu

O que só o torcedor do seu time enxerga para confiar em uma boa campanha?

Todo flamenguista, por mais corneta que seja, sabe que o time vem numa crescente impressionante. Teve que ficar alguns anos de jejum para arrumar a casa, o quarto e as finanças. Depois começou a investir certo e certeiro nas contratações. Depois foi só o técnico encaixar e pronto. Tínhamos um time e não mais um bando. Batemos na trave do Brasileiro ano passado, mas já começamos esse ano com um carioqueta invicto – que não vale nada – e um começo razoável na Libertadores, com 100% em casa e duas derrotas fora, mas jogando bem e melhor que os adversários. Ainda precisa melhorar alguns pontos? Sim. Mas eu vejo esse Flamengo com muito mais pontos fortes do que fracos.

Que jogador pode fazer a diferença?

Depende do jogo, depende do momento. Temos um dos meios-de-campo mais habilidosos do Brasil com Diego, Conca, Mancuello, Ederson  e outros podendo revezar na hora da criação e distribuição de passes. Também temos peças complementares boas na volância e na defesa.

Mas se é pra escolher um, vamos com o melhor atacante do Brasil, em sua melhor fase: Paolo Guerrero. Ele fica na área, ele sai da área, ele vai buscar a bola, ele puxa a marcação, ele cabeceia, ele pega a sobra, ele chuta de fora da área, ele mata uns tijolos no peito como nenhum outro atacante no Brasil consegue fazer e muito mais.

Qual é o seu pior pesadelo para este campeonato?

Contusões e oba-oba. O primeiro porque a gente tá contando com jogadores que vem jogando carioca, copa do brasil, libertadores e vão emendar um Brasileirão, numa sequência de jogos que pode machucar qualquer peça mais importante. E o segundo, porque a torcida do Flamengo vive um otimismo no estilo Araketu (mal acostumado, você me deixou mal acostumado) e fica nessa de cheirinho, partiu Tóquio, partiu Dubai, deixou chegar, tão deixando a gente sonhar etc, que eu acho correto PARA A TORCIDA, mas que não pode infectar os jogadores. Esses devem jogar cada jogo com determinação, dedicação, faca nos dentes e sangue nos olhos.

Que posição o seu time terminará na tabela do Brasileirão?

1º, líder, campeão, hepta, tassa™. Mas #sem #oba #oba.

Que conselho você daria ao técnico?

NÃO ME INFARTA! Brincadeira. O Zé Ricardo está mostrando que é um técnico inteligente, com uma visão estratégica diferente de jogo para jogo, de adversário pra adversário e isso é muito interessante de acompanhar. Mas, às vezes, ele demora um pouco para ver um jogador que não está rendendo e fazer uma substituição ou uma alteração tática. Mas, no final das contas, acerta.

O que diria aos torcedores do seu clube?

Eu não vou ensinar ninguém a torcer, porque pra isso não existe fórmula, manual ou guia. Mas peço que nunca deixem de apoiar o time, pois estamos com uma equipe forte, como não se via há muito tempo na Rua Ministro Raul Machado, 71, Gávea. Se você é do Rio, vá ao Maracanã, à Arena da Ilha e ao Engenhão. Se você for de outro estado e tiver a chance de ir ao estádio apoiar o Mengão, vista seu manto sagrado e vá torcer com amigos e família. Vamos mostrar, mais uma vez, que a maior torcida do mundo faz a diferença. Isso aqui é Flamengo.

Fluminense

Jogadores do Flu comemoram (Foto: divulgação)

Jogadores do Flu comemoram (Foto: divulgação)

Por Wenceslau Neto, estudante de turismo, tricolor, escreve sobre quase qualquer coisa e não entende como não morreu literalmente de desgosto após o vice da Libertadores

O que só o torcedor do seu time enxerga para confiar em uma boa campanha?

O time seguiu bem mesmo com o Scarpa machucado por quase 3 meses e Douglas ainda não estando 100%. O time tem algumas peças sobressalentes que ninguém notou.

Que jogador pode fazer a diferença?

Sornoza é bom, mas por vezes acaba se escondendo do jogo, precisa de alguém pra dividir a criação. Scarpa fará a temporada pra ser vendido, mas apontaria Richarlison, que justificará de vez os 9 milhões por ele pagos e a proposta de 30 que recusamos.

Qual é o seu pior pesadelo para este campeonato?

Morrer na praia, vender barato demais alguém, demitirem o Abel por cinco derrotas seguidas que nem em 2013, ter um ano com lampejos de esperança pra depois ser humilhado. Basicamente o que ocorre desde 2014.

Que posição o seu time terminará na tabela do Brasileirão?

Quero crer que pelo menos dessa vez não terminaremos em um décimo quarto lugar. Ser campeão seria uma surpresa, mas Libertadores creio que dá pra abocanhar. Terceiro ou quarto.

Que conselho você daria ao técnico?

Abel, você se livrou de 80% das bactérias que haviam no time ano passado, achou pérolas em Xerém e até fez o time se parecer com algo realmente decente. E ainda é maio. Comece a cobrar a diretoria alguns reforços, bote o Calazans na posição de origem, reintegre o Gum, ver Renato Chaves jogar me faz sentir falta dele. Descole mais um zagueiro e empreste alguns de Xerém. E um atacante, não podemos viver só de Dourado e Pedro.

O que diria aos torcedores do seu clube?

Em que pese o fato de que nós fomos os verdadeiros vencedores da final, calando a maioria flamenguista, boa parte da torcida não vai ao estádio nem que a vida dependesse disso. O preço dos ingressos é decente, temos o Maracanã, o time é bom e pode melhorar. A galera que vocês xingam foi embora. O que falta pra voltarmos a ter médias decentes no Maraca?

Grêmio

Luan, um dos destaques do Grêmio (foto: divulgação)

Luan, um dos destaques do Grêmio (foto: divulgação)

Por Marloren Miranda, doutoranda em Filosofia, a primeira palavra que escrevi na vida foi “Grêmio”

O que só o torcedor do seu time enxerga para confiar em uma boa campanha?

Olha, boa parte dos gremistas que conheço, sabendo bem pra que time torcem, não confia muito numa boa campanha do time não, ainda mais acostumados a anos de “agora vai”. Porém, ano passado foi mesmo né, e o gremista tem essa mania de, lá no fundo, ser um otimista incurável, cuja esperança também é imortal, por mais que nem sempre o time sustente isso. Então, a gente vê um time que precisa de alguns ajustes, mas que no coletivo funciona muito bem, que recém saiu de um campeonato nacional com a taça na mão, e isso pode ser decisivo para uma boa campanha.

Que jogador pode fazer a diferença?

Em um time campeão, temos grandes chances de vários jogadores fazerem a diferença em momentos diversos, o que, convenhamos, é central em um esporte coletivo. Não adianta ter um monte de pereba e um Messi, porque, no futebol, não rola milagre (pelo menos, não sempre). A coletividade é o grande trunfo do Grêmio este ano, o que torna difícil escolher algum destaque. Mas acho que uma boa oportunidade como titular precisa ser dada ao Arthur, que já mostrou muito serviço ali pelo meio de campo, onde geralmente o time se perde um pouco.

Qual é o seu pior pesadelo para este campeonato?

Certamente o pior pesadelo é a gurizada do Grêmio exagerar na balada de sábado ou na feijoada de domingo e começar a dormir em campo no meio do jogo, uma coisa, aliás, muito comum em diversos jogos. Daí chega lá no jogo em casa contra o Avaí (com todo o respeito), faz um gol nos primeiros 15 minutos, acha que ganhou e começa a pensar na soneca no sofá de casa. Depois toma uma virada e entrega um jogo relativamente fácil e não sabe o porquê. Tem que maneirar nas Polar, gurizada.

Que posição o seu time terminará na tabela do brasileirão?

Conhecendo bem o Grêmio, provavelmente em algum lugar do G6, garantindo aquela vaga marota pra Libertadores do ano que vem e deixando o torcedor mais uma vez naquela eterna esperança que nos consome. Mas, se o time mostrar vontade de ganhar, não ficar se mixando pra time menor e não perder oportunidades com os jogos considerados mais “fáceis” (aqueles em casa, por exemplo), acho que rola mais um primeiro lugar e uma tacinha no fim ano.

Que conselho você daria ao técnico?

Bah, Renato, de coração, vamo pensar melhor antes de mexer no time. Viu que tá batendo aquela preguiça do domingo de tarde no camarada, que ele mal tá conseguindo mexer as pernas pra ir atrás da bola, que tá errando passe de dois metros, perdendo vários gols feitos, vamo botá no banquinho e colocar alguém que tá acordado. Vontade de jogar já é metade do caminho. Também vamo dá chance pros caras que tão mostrando jogo em momentos decisivos, mas não são titulares, mesmo que taticamente algum outro seja a escolha mais óbvia. Tem que aproveitar as boas fases dos jogadores. E por último, camisa social com estampa não combina com cachecol listrado, Renato, vamos ver isso aí.

O que diria aos torcedores do seu clube?

Nós somos o atual campeão da Copa do Brasil. Aguentamos 15 anos de cornetinha barata de time pequeno e conseguimos encerrar essa fase em grande estilo, e ainda de brinde levar um rebaixamento do rival. Não é pouca coisa, né, gurizada. Eu sei que não tivemos muitos reforços este ano, mas tem aquele ditado que em time que tá ganhando a gente não mexe, então acho que dá pra ficar tranquilo, pelo menos por enquanto. Vamos ver se os guris querem ganhar mais umas taças, valorizar mais ainda o passe e fazer mais umas festas no final do ano. Aliás, de fazer festa gente entende.

Palmeiras

O jogador Willian, da SE Palmeiras, comemora seu gol contra a equipe do CA Peñarol, durante partida válida pela primeira fase, da Copa Libertadores, no Estádio Campeón Del Siglo.

O jogador Willian, da SE Palmeiras, comemora seu gol contra a equipe do CA Peñarol, durante partida válida pela primeira fase, da Copa Libertadores, no Estádio Campeón Del Siglo.

Por Luana Maluf, blogueira no “O Nosso Sentimento“, no ESPN FC e representante da camisa 7 nas quadras e na arquibancada.

O que só o torcedor do seu time enxerga para confiar em uma boa campanha?

É difícil apontar algo que só o torcedor enxerga, já que a opinião geral coloca o Palmeiras como “o time a ser batido”. Maior investimento, técnico cobiçado, grandes nomes e dois títulos nacionais nos últimos dois anos. A confiança vem de uma construção de sofrimento a longo prazo, mas chegou a hora de desfrutar. Uma possível (mas improvável) má campanha do Palmeiras no Brasileirão seria uma surpresa geral.

Que jogador pode fazer a diferença?

Poderia escolher alguns, diante de tantas opções qualificadas, mas elegi Alejandro Guerra: o melhor jogador da Libertadores de 2016.

Apesar do Palmeiras não ter apresentado uma consistência tática até aqui, conseguimos ver que o camisa 18 é capaz de entregar tudo aquilo que esperamos do Cleiton Xavier e não recebemos. Assumindo a responsabilidade em jogos em que nenhum outro jogador se dedicava a isso, suas impressionantes enfiadas de bolas precisas, a rapidez nas triangulações (tornando o ataque mais veloz) e bom posicionamento, traduzem a sua capacidade de organizar o jogo.

Por ser um meia versátil, capaz de desempenhar diversas funções em um mesmo jogo, o Lobo vai ser importante no esquema tático do Cuca – que gosta de mudar o time dentro de campo, sem fazer substituições.  

Qual é o seu pior pesadelo para este campeonato?

Palmeiras não brigar pelo título.

Que posição o seu time terminará na tabela do Brasileirão?

Primeira colocação. O Palmeiras será bicampeão brasileiro. E lembrando a frase do nosso técnico: “não é demagogia, nem ofensa a outro time”, mas seremos campeões e vamos trabalhar para isso. Jogo após jogo.

Particularmente, eu acredito que o Brasileirão é um título mais provável do que o da Libertadores, já que no segundo campeonato temos que jogar não só contra o adversário, mas, sim, contra arbitragem, Conmebol, violência, catimba e gramados ruins.

Que conselho você daria ao técnico?

Posicionamento do Tchê Tchê

Traga o pulmão do time de volta, coloque o Tchê Tchê para desempenhar a mesma função de 2016. Perdemos muito desde que passou a desempenhar um papel mais defensivo, pelo lado esquerdo, cobrindo o Zé Roberto. O desejo da torcida é voltar a ver o menino triangular as bolas do lado direito, como fazia com Jean e Moisés.

Borja

A torcida já está reclamando, mas poucas pessoas percebem que o menino está jogando fora da formação tática em que foi goleador. O colombiano é o homem da área, da última bola, que empurra a bola para dentro. No Atlético Nacional ele não era responsável pelos toques e triangulações rápidas até a bola chegar na área (responsabilidade assumida por Guerra, Berrío, Macnelly Torres e Mosquera). Quando chegava, ele colocava para dentro (como fez 39 vezes em 2016).

Se na campanha passada foi difícil encontrar um goleador, já que Barrios foi apenas um “esquenta-banco” e Alecsandro não chegou nem perto de ser chamado de “Alecgol”, é só confiar que o camisa 12 tem tudo para fazer valer os milhões investidos. Com o Palmeiras jogando taticamente distante, impossível vê-lo desempenhando um bom papel. Por isso, contamos com a compactação rápida do time e a revelação do futuro artilheiro do campeonato.

Confiança dos Jogadores

Tivemos a capacidade de destruir a confiança de alguns jogadores importantíssimos na conquista do eneacampeonato. Mostre que o técnico que transformou o Dudu em capitão (e melhor jogador do elenco) ainda está aí e traga nossos craques de volta.

Jogue com a torcida do seu lado

Nenhum outro técnico teria o respaldo que você adquiriu no último ano. Aproveite a chegada como ídolo e salvador para chamar a torcida para perto e minimizar possíveis críticas ao elenco. Poucos profissionais conquistaram a paciência (e os ouvidos) da torcida palmeirense. Hoje, somos todos seus.

O que diria aos torcedores do seu clube?

Parte da torcida do Palmeiras têm o costume de queimar jogadores. Não é novidade para ninguém que temos uma forte turma do amendoim corneta, mas vejo que esta característica vem prejudicando o ambiente do time cada vez mais (agora surgiu a turma do amendoim 2.0 – corneta nas redes sociais).

Por isso, parem de cornetar! Deem tempo aos jogadores e ao técnico. Cultivem um pouco da paciência que quase foi esgotada nos últimos anos. Já passamos por todos os cenários negativos possíveis de um clube grande, então deliciem-se com o fato de pertencerem a torcida que tem o elenco mais caro do Brasil e uma oportunidade enorme de continuar enriquecendo a história durante os próximos anos.

Torçam a favor do Palmeiras, a pressão só prejudica o ambiente e acaba com a confiança dos jogadores. Se sabemos ser os melhores, por que insistimos em entregar o nosso pior? Melhorem (pelo menos por agora)!

Ponte Preta

Lucca, da Ponte Preta, comemora gol (Foto: Ponte Preta)

Lucca, da Ponte Preta, comemora gol (Foto: Ponte Preta)

Por Ana Paula Hofman, jornalista, apaixonada pela Ponte Preta. O mundo nas cores preto e branco

O que só o torcedor do seu time enxerga para confiar em uma boa campanha?

A força de vontade da torcida, os investimentos da diretoria no clube e o nível técnico dos jogadores. Conquistar um título será um marco histórico para a Ponte.

Que jogador pode fazer a diferença?

Ravanelli, Matheus Jesus e Clayson.

Qual seu pior pesadelo para este campeonato?

Rebaixamento.

Que posição o seu time terminará na tabela do Brasileirão?

Entre os primeiros 8 colocados.

Que conselho você daria ao técnico?

Trabalhar o lado psicológico dos jogadores para aliviar a pressão e ansiedade pelo título. Fazer uma bela campanha com objetivo de ser campeão, com garra e consistência nos jogos.

O que diria aos torcedores do seu clube?

Acreditar e jogar com raça durante todo o campeonato. A Ponte é um time respeitado por todos e sua grandeza é visível em cada partida. A pressão que a Ponte sofre é de time grande.

Santos

Ricardo Oliveira e Renato, do Santos (Photo by Alexandre Schneider/Getty Images)

Ricardo Oliveira e Renato, do Santos (Photo by Alexandre Schneider/Getty Images)

Juliana Teixeira, santista e testemunha de Giovanni

O que só o torcedor do seu time enxerga para confiar em uma boa campanha?

A verdade é que torcedor do Santos é, antes de tudo, um corneteiro. Quem nos vê comentando um jogo tem a certeza absoluta de que o time está fadado ao fracasso absoluto. Mas é tudo por amor, e no fundo a gente sempre acredita que vai dar certo. Somos os céticos mais iludidos do mundo. Então, quando vemos o time fazer um jogo com raça depois de meses de morosidade, acreditamos que esse é o ingrediente que falta pra fazer deslanchar. Se o Brasileiro começar com a vontade que o Santos demonstrou no jogo contra o Santa Fé pela Libertadores, estamos no caminho certo.

Que jogador pode fazer a diferença?

De cara, eu digo Vanderlei. Já faz bem um ano que ele é fundamental pras campanhas do Santos, embora não receba o devido reconhecimento. Além dele, temos a grande sorte de contar com vários jogadores que podem fazer a diferença dentro de uma partida. Bruno Henrique tem se destacado, tenho esperanças de que mantenha o nível.  Copete e Hernandez têm sido decisivos quando entram no segundo tempo – o primeiro pelas finalizações, o segundo pelo ritmo que impõe ao time. Se Dorival der a eles oportunidades mais justas do que 10 minutos por partida, podem ajudar muito mais. Mas a constante do time ainda é Renato, o dono do nosso mundo. Ricardo Oliveira e Lucas Lima, nossas referências, podem quase tudo quando querem. Espero que queiram com mais frequência.

Qual é o seu pior pesadelo para este campeonato?

Santos marcando um gol, recuando e tomando o empate, tocando a bola de lado pra manter a posse sem objetividade nenhuma, sem raça, fazendo sequências de jogos insuportáveis de tão chatos. O Santos sofre de um excesso de autoconfiança, acreditando que, meio que por mágica, de tanto toquinho, a bola vai acabar entrando e o jogo vai se resolver. Não vai. Sem objetividade, vamos boiar no mar de pasmaceira e ver preciosos pontos ir embora, como foi no ano passado. Time que me faz bocejar em vez de gritar é O HORROR.

Que posição o seu time terminará na tabela do Brasileirão?

Chuto o 4º lugar pra confiar sem perder a humildade. Desacredito do 1º lugar? Jamais.

Que conselho você daria ao técnico?

Querido Dorival, você é um cara legal e valoriza os seus atletas até o fim. Entendo, apoio, sou dessas. Mas às vezes o serviço sujo tem que ser feito, e essa responsabilidade é sua. Mexe mesmo, sem dó, quando for necessário. Titularidade não pode ser incondicional. Não dá pra contar com a sorte das alterações decisivas faltando 10 minutos pra acabar o jogo.

O que diria aos torcedores do seu clube?

Acredito que apesar de todos os pesares vistos no Paulista, temos condições reais de fazer um bom Campeonato Brasileiro. Sigamos com a corneta e com a festa – de preferência com casas cheias, as duas que temos o privilégio de ter. Coisa de quem é do mundo. Desejo a todos muita paciência pra quantidade de jogos que não passarão na TV, e também pras eleições do clube no fim do ano. Bora aproveitar mais uma temporada de Renato desfilando, Pastor metendo gol e Meninos da Vila nos enchendo de esperança.

São Paulo

Lucas Pratto, do São Paulo (Photo by Gustavo Ortiz/LatinContent/Getty Images)

Lucas Pratto, do São Paulo (Photo by Gustavo Ortiz/LatinContent/Getty Images)

Por Roberta Nina Cardoso, do Dibradoras

O que só o torcedor do seu time enxerga para confiar em uma boa campanha?

Acho que a grande esperança do torcedor são-paulino se chama Rogério Ceni. A torcida acredita em uma renovação e em uma mudança de postura com Ceni no comando do time.

Que jogador pode fazer a diferença?

No meio de campo, acredito muito no Jucilei. É um volante que marca e desarma bem e tem ótima chegada na frente. No ataque, o Lucas Pratto, sem dúvida, é um ótimo jogador. É voluntarioso, nunca desiste da jogada e é muito decisivo. E também é importante ressaltar a promoção de jogadores da base para o elenco principal.

Qual é o seu pior pesadelo para este campeonato?

Ver o time, em mais um ano, sem padrão de jogo e perdendo fácil para os principais rivais.

Que posição o seu time terminará na tabela do Brasileirão?

Difícil responder essa pergunta no momento em que assisto o jogo entre São Paulo x Defensa y Justicia, mas acredito que a equipe tem condições suficientes e elenco capaz de acabar o campeonato entre os 5 melhores. Se pensar apenas analisando o desempenho dos últimos jogos, acho que a equipe pode terminar o Brasileiro naquele limbo entre o sexto e o décimo colocado.

Que conselho você daria ao técnico?

Que ele não fosse tão teimoso insistindo em esquemas táticos e jogadas que não funcionam, que tivesse um pouco mais de autocrítica ao analisar seu trabalho e parasse de observar o time priorizando apenas os números e estatísticas.

Troca de passes, posse de bola e números de cruzamentos não ganham o jogo. É ridículo ver o time apelar pra bola área por 42 vezes (como aconteceu contra o Corinthians) e não levar nenhum perigo ao gol rival. Isso não é estratégia, mas sim desespero!

O que diria aos torcedores do seu clube?

Ainda é preciso ter um pouco mais de paciência com Rogério Ceni, mas não podemos deixar de cobrá-lo. É um treinador que ainda está começando na função e, mesmo com toda identificação que tem com o clube, é preciso organizar taticamente essa equipe o mais rápido possível.

Só jogaremos o Campeonato Brasileiro neste ano, acho muito difícil ser campeão, mas é importante que o time cresça e evolua e isso só o treinador é capaz de fazer.

Sport

Diego Souza e Rithely, ddo Sport (Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife)

Diego Souza e Rithely, ddo Sport (Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife)

Por Mauricio Targino, do podcast Baião de Dois

O que só o torcedor do seu time enxerga para confiar em uma boa campanha?

Jogadores de confiança, que podem decidir uma partida em um lance.

Que jogador pode fazer a diferença?

Diego Souza, mais uma vez.

Qual é o seu pior pesadelo para este campeonato?

Tropeços nas primeiras rodadas, que podem criar crise, comprometer as decisões de título, derrubar treinador e levar a um fim de campeonato desesperador como em 2016

Que posição o seu time terminará na tabela do Brasileirão?

Em 12º lugar.

Que conselho você daria ao técnico?

Mexer com os brios dos jogadores e tirá-los da zona de conforto sempre que possível.

O que diria aos torcedores do seu clube?

Não use camisa Sport Fashion Week (laranja, azul, dourada desbotada, etc) em dia de jogo, sobretudo na Ilha do Retiro ou em qualquer outro estádio.

Vasco

Nenê, do Vasco (Foto: Vasco)

Nenê, do Vasco (Foto: Vasco)

Rafaela Braga, 22 anos. Trocaria a visita ao Camp Nou por uma partida no velho Maracanã

O que só o torcedor do seu time enxerga para confiar em uma boa campanha?

A capacidade do time e torcida  de se unirem nas dificuldades. Acho que o título da Mercosul tatuou em todo vascaíno a coragem de dizer sim ainda que meio mundo diga não. Não cantamos “time da virada, time do amor” à toa. Somos o time da virada, somos o time do amor.

Que jogador pode fazer a diferença?

Nenhuma dúvida que Martin Silva é o nome do Vasco hoje. Muito da nossa esperança passa pelas mãos do uruguaio. Não só pelo o que pode fazer nesse campeonato, mas principalmente pelo o que tem feito no clube nos últimos anos. Acredito que os pênaltis podem chegar quente que ele estará fervendo.

Qual é o seu pior pesadelo para este campeonato?

Ter que voltar a acompanhar o time pela voz de Silvio Luiz [risos]. O pior pesadelo é saber que não há jogos de folga. Quando há limitações, conseguir os  45 pontos transforma campeonato de pontos corridos em mata-mata.Toda partida será olho por olho e dente por dente.

Que posição o seu time terminará na tabela do Brasileirão?

Ficaria feliz com a taça sétimo lugar. Mas cravo 12°.

Que conselho você daria ao técnico?

Um conselho mais estatístico do que tático: é melhor acertar aproximadamente do que errar de forma precisa. Queremos o time jogando bonito, claro, mas queremos principalmente o time ganhando. A missão do Milton é nos livrar de operações matemáticas e formulação de cenários ao fim do campeonato.

O que diria aos torcedores do seu clube?

Estamos juntos há 119 anos, hoje e sempre.

Vitória
Cleiton Xavier é um dos destaques do Vitória (Foto: Vitória EC)

Cleiton Xavier é um dos destaques do Vitória (Foto: Vitória EC)

Por Maira Nascimento, 34 anos, Salvador, Tecnóloga em Gestão Ambiental

O que só o torcedor do seu time enxerga para confiar em uma boa campanha?

As partidas realizadas em casa são importantíssimas devido à pressão realizada pela torcida, bem como o conhecimento do campo. O aproveitamento é maior no Barradão.

Que jogador pode fazer a diferença?

Cleiton Xavier é um meia que pensa bastante o jogo, é fundamental nas cobranças de faltas e jogadas ensaiadas.

Qual é o seu pior pesadelo para este campeonato?

O elenco não é ruim, mas as contratações realizadas por outros clubes tornam o rebaixamento nosso pior pesadelo para este ano.

Que posição o seu time terminará na tabela do Brasileirão?

Se mantiver a regularidade longe da zona de rebaixamento em 13º. Se conseguir entrar na zona de classificação para a copa sul- americana seria um grande feito para esta temporada.

Que conselho você daria ao técnico?

Apesar de ser relativo, pois cada jogo é um cenário diferente, aconselharia a jogar sempre com duas linhas de 4 fora de casa apostando nos contragolpes, em casa começar pressionando o adversário é o ideal usando também todo apoio da torcida.

O que diria aos torcedores do seu clube?

Não criar expectativas, o campeonato Brasileiro a cada temporada tem aumentado o nível técnico e com isso tem dificultado bastante e ainda tem outro fator que contribui para inconstâncias por ser muito longo.