É impossível não se empolgar depois de arrancar quase do meio-campo acertar três dribles sofisticados e entrar dentro da área. É muito difícil ter a consciência de que às vezes o passe é a melhor jogada, ao invés de tentar outra finta para fazer o muito merecido golaço. Na Noruega, Vegard Forren foi altruísta e nem precisava, porque o amistoso contra o AIK estava nos minutos finais, e o seu Molde vencia por 3 a 1.

Ele deu um toque de letra, um rolinho, um belo corte e perdeu um pouco o ângulo. Poderia ter tentando mais um come no defensor para buscar o espaço do chute, mas preferiu cruzar rasteiro. Não completou a pintura que começou a desenhar. Preferiu dar uma das mais belas assistências da temporada. Nada mal, ainda mais para um zagueirão, que passou pelo Southampton, mas não jogou nenhuma partida.