O Estrela do Norte é um dos clubes mais tradicionais do Espírito Santo. O clube de Cachoeiro de Itapemirim foi fundado em 1916 e desde a década de 1920 figura entre os participantes do Campeonato Estadual. Entretanto, nunca tinha se sagrado campeão capixaba. Os alvinegros tinham sido cinco vezes vice-campeões, quatro na década passada, mas permaneciam em jejum – motivo para esquentar a rivalidade com o Cachoeiro, que levantara a taça em 1948.

Depois de 98 anos de espera, enfim, a torcida do Estrela pôde soltar o grito da garganta. Neste sábado, o clube se consagrou no Campeonato Capixaba ao superar o Linhares por 1 a 0, fora de casa. É o décimo clube do interior a se tornar campeão no Espírito Santo.

E a espera do Estrela não é única pelo Brasil. Vários outros clubes de tradição ainda esperam para conquistar seu primeiro título estadual, mesmo somando dezenas de participações na primeira divisão e batendo na trave algumas vezes. Listamos dez forças regionais em situações parecidas. Apesar da camisa pesada, nunca faturaram o estadual ou outro título de maior importância. Confira:

Ponte Preta-SP

ponte

O segundo clube mais antigo do Brasil ainda espera por seu grande título, nem que seja um mero estadual. Em 113 anos de história, a Macaca já chegou até em final de Copa Sul-Americana, mas suas maiores conquistas não passam do Campeonato do Interior. São 51 participações na elite do Paulistão, o oitavo clube mais presente no torneio, batendo na trave cinco vezes: vice-campeã em 1970, 1977, 1979, 1981 e 2008. O rival Guarani também nunca levou o Paulistão, mas possui o Brasileiro de 1978 como um diferencial.

Botafogo-SP

Dos clubes do interior paulista, só Guarani e Ponte Preta estiveram mais vezes na primeira divisão do Campeonato Paulista. O Botafogo tem tradição e repertório no torneio, com 49 presenças a partir de 1957. Porém, o mais perto que chegou da taça foi com o vice em 2001, na geração estrelada por Doni, Robert, Luciano Ratinho e Leandro.

Operário Ferroviário-PR

O Operário de Ponta Grossa já viveu momentos mais gloriosos no Campeonato Paranaense, mas nunca a ponto de levantar a taça. Um dos clubes mais tradicionais do interior do estado, já esteve em 44 edições da primeira divisão e participou até mesmo da Série A do Brasileirão. E foi vice-campeão em incríveis 14 oportunidades (12 entre 1923 e 1940), a última delas em 1961. Se não foi naquela época, não deverá acontecer tão cedo.

Novo Hamburgo-RS

Com 103 anos desde sua fundação, o Novo Hamburgo já faturou Copa FGF, Campeonato do Interior, segunda divisão do Campeonato Gaúcho. Durante a década de 1980, foi até mesmo participante assíduo da Série B. Entretanto, o Gauchão é o título que falta, apesar das muitas tentativas. São cinco vice-campeonatos, todos eles entre 1942 e 1952.

Guarany de Sobral-CE

O Guarany de Sobral é um dos principais representantes do interior no Campeonato Cearense. Porém, depois de 42 participações, tenta até hoje quebrar a hegemonia de Fortaleza na elite da competição. O clube já conquistou até a Série D do Campeonato Brasileiro, mas nunca foi além do título do primeiro turno no estadual, conquistado em 1970. Também foi vice em 2013.

Anapolina-GO

O Anapolina possui quatro participações na Série A do Brasileirão, além de 13 edições na Série B. E mesmo sendo um dos clubes de camisa mais pesada do interior de Goiás, nunca foi além do vice-campeonato estadual, alcançado três vezes. Pior é ouvir a gozação do rival Anápolis, que é um dos quatro campeões de fora da capital, o primeiro deles, com o título de 1965.

Uberaba-MG

O Uberaba é o clube do interior de Minas Gerais que mais vezes esteve presente no Estadual, 42 vezes – empatado com a Caldense. Também disputou a Série A do Campeonato Brasileiro em seis oportunidades. E nem por isso passou perto de se sagrar campeão no Mineiro. O melhor desempenho foi o terceiro lugar, três vezes, a última delas em 1980. Atualmente os colorados estão no terceiro nível do futebol local.

Madureira-RJ

O Madureira é um dos sinônimos dos clubes pequenos do Rio de Janeiro. O Tricolor Suburbano comemora seu centenário em 2014 e disputa a primeira divisão do Campeonato Carioca desde 1935 – desde então, só esteve de fora da elite em 12 oportunidades, a última delas em 1993. Porém, vice-campeão duas vezes, o time possui como maior feito a Taça Rio de 2006.

Olaria-RJ

A primeira vez do Olaria no Campeonato Carioca aconteceu em 1924. Depois, voltou em 1932. E, a partir de então, nunca ficou mais do que 10 anos sem disputar a elite, com a maior sequência entre 1947 e 1964. Nada suficiente para que os vice-campeões de 1933, ano da profissionalização do futebol brasileiro, conseguissem erguer algum troféu.

Central-PE

O Central de Caruaru tem até título da Série B no currículo. Já participou das quatro divisões nacionais e da Copa do Brasil. Só que nunca quebrou seu tabu no Campeonato Pernambucano. São 53 edições do estadual, ficando de fora em apenas duas temporadas desde 1961 – sendo que, em 1937, foi o primeiro clube do interior a participar. Frequentador assíduo das primeiras posições do torneio, seu melhor resultado foi o vice-campeonato de 2007.